Doenças A a Z

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z

X

A síndrome do X-Frágil é uma doença genética e hereditária ligada ao cromossoma X, e a causa mais frequente de atraso mental hereditário. Calcula-se que afecte 1 em cada 4.000 rapazes e 1 em cada 6.000 raparigas (dados internacionais). Não se trata, por isso, de uma doença muito rara.

Coloração amarela da pele, tipo de icterícia localizada em determinadas áreas da pele, como por exemplo, a palma das mãos.
Pode ocorrer na anemia hemolítica, doença de Biermer, encefalopatia urémica, escorbuto ou hipotiroidismo.

Depósito de gordura (colesterol) na pele, tendões ou ossos que se apresenta sob a forma de manchas ou nódulos. É mais frequente nos cotovelos, joelhos, pés e mãos.
Esta lesão na pele é indolor e é muitas vezes associada à presença de diabetes.

Perturbação da visão associada à icterícia (coloração amarelada da pele e mucosas devido à deposição de um pigmento existente no sangue), em que os objectos observados parecem ter uma tonalidade amarelada.

Coloração amarelada ou alaranjada da mucosa bucal, muitas vezes proveniente da perda de sangue.

Interesse, simpatia ou atracção exagerada por tudo o que é diferente ou estrangeiro.

Doença que impossibilita o crescimento do cabelo e sobrancelhas.
Secura dos pelos.

É uma doença genética hereditária caracterizada por uma fotossensibilidade extrema que pode originar secura da pele, envelhecimento precoce e múltiplas lesões na pele, nomeadamente a susceptibilidade para o aparecimento de tumores cutâneos malignos.

A xerodermia é uma alteração da pele que se caracteriza por secura e descamação excessiva.

Regime ou dieta seca, baseada na ingestão de alimentos secos e marcada pela ausência total de líquidos. Associada frequentemente a práticas religiosas, como por exemplo, a abstinência dos cristãos primitivos que durante a Quaresma comiam só alimentos secos ou não cozidos.

Xeroftalmia ou olho seco é uma doença muito comum, caracterizada pela não-produção de lágrimas. Manifesta-se com ardor, sensação de corpo estranho, visão enevoada ou lacrimejo. Desenvolve a opacidade da córnea e provoca a secura das conjuntivas, que perdem o brilho e se tornam esbranquiçadas.

A xerostomia é a sensação subjectiva de boca seca, consequente ou não da diminuição da função das glândulas salivares, com alterações quer na quantidade, quer na qualidade da saliva.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.