Doenças A a Z

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z

I

A icterícia é uma pigmentação amarelada da pele e do branco dos olhos (esclerótica), produzida por valores anormalmente elevados de pigmentos biliares (bilirrubina) no sangue.

A ictiose é um dos distúrbios cutâneos hereditários mais comuns e caracteriza-se por pele seca e escamosa. É considerada uma doença dermatológica congénita causada por uma anomalia no processo de regeneração da pele, pelos e unhas.

Grau mais grave de atraso mental (ologofrenia), caracterizado por um quociente de inteligência inferior a 20 e uma idade mental que não ultrapassa os três anos.

Infecção bacteriana altamente contagiosa, localizada na superfície da pele – mais frequentemente na face e mãos, embora possa surgir em qualquer parte do corpo – na qual existem pústulas cobertas de crostas espessas de cor amarela.

Traduz-se na perda involuntária de urina. Calcula-se que mais de metade das mulheres após os cinquenta anos já tenha tido, pelo menos, um episódio de incontinência urinária.

A fuga de ideias é uma alteração do funcionamento da expressão do pensamento. Ocorre quando há aceleração do discurso verbal, caracterizando-se pela incontinência verbal (logorreia).

Mais frequente no sexo feminino, ocorre quando microrganismos infecciosos (bactérias, vírus, fungos e parasitas), invadem ou se multiplicam no aparelho urinário, causando infecção da bexiga, dos rins ou vias urinárias.

A infertilidade é o resultado de uma falência orgânica devida à disfunção dos órgãos reprodutores, dos gâmetas ou do concepto. Um casal é infértil quando não alcança a gravidez desejada ao fim de um ano de vida sexual contínua sem métodos contraceptivos.

A Organização Mundial de Saúde define infertilidade como a “ausência de gravidez após dois anos de relações sexuais regulares e sem uso de contracepção”. Existe, no entanto, consenso em considerar que após um ano, deve ser iniciado um processo de avaliação de eventuais factores envolvidos.

A insolação é provavelmente o mais grave da exposição ao calor e ao Sol.

A insónia é a dificuldade em conciliar o sono ou permanecer adormecido, ou uma alteração no padrão do sono que, ao despertar, leva à percepção de que o sono foi insuficiente.

Trata-se de uma doença, normalmente crónica e que afecta cerca de 2 por cento da população, em que a capacidade do coração bombear sangue para o resto o organismo está comprometida.

A intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose (açúcar do leite) devido à ausência ou quantidade insuficiente de enzimas digestivas.

Na intolerância alimentar ocorrem reacções adversas ocasionadas pelos alimentos, mas que não envolvem o sistema imunitário.

O estado de intoxicação é a comummente conhecida embriaguez, que normalmente é obtida voluntariamente.

O iodo é necessário para a síntese das hormonas tiróides. Aproximadamente 80 por cento do iodo do corpo encontra-se na glândula tiróide, sobretudo nas hormonas tiróides. Os mariscos são uma fonte abundante de iodo.

A intoxicação com iodo é provocada pelo consumo de quantidades muito grandes de iodo por dia (400 vezes a dose diária recomendada), por vezes em consequência de se viver perto do mar. O excesso de iodo pode provocar bócio e por vezes hipertiroidismo.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.