Doenças A a Z

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z

F

A Fabulação é uma modalidade especial de alteração da memória e atenção que consiste no relato de temas fantásticos os quais, na realidade, nunca aconteceram. São devaneios nos quais o próprio indivíduo acredita.

Trata-se de um síndrome crónica, complexo e debilitante (podendo mesmo ser incapacitante) que se caracteriza principalmente pela existência de dores generalizadas, cansaço extremo e perturbações no sono.

A faringite é uma inflamação da faringe, que liga o nariz e a boca à laringe e ao esófago. O processo inflamatório da faringe pode ser causado por infecções virais ou bacterianas, sendo as primeiras mais frequentes e menos graves.

Febre é a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo.

Doença genética e hereditária pouco frequente, – detectável por exame de sangue, habitualmente através do teste do pezinho, à nascença – em que o organismo, devido à ausência de uma enzima, não é capaz de metabolizar um aminoácido (fenilalanina), que se encontra nos alimentos proteicos (como ovo

Um fibroma é um tumor não canceroso, composto por tecido muscular e fibroso, que se forma na parede uterina. Os fibromas aparecem pelo menos em 20 por cento das mulheres com mais de 35 anos e são mais frequentes entre as mulheres de raça negra do que entre as de raça branca.

É uma síndrome musculo esquelética crónica, não inflamatória e de causa desconhecida. Está na origem de uma incapacidade física e emocional, por vezes grave, que atinge cerca de dois por cento da população.

É uma lesão benigna da pele muito comum e apresenta-se como uma ou várias pápulas ou nódulos pedunculados, macios, da cor da pele ou ligeiramente hiperpigmentados, predominantemente localizados no pescoço, axilas ou virilhas.

A flatulência é uma acumulação de gases no intestino (constituídos por várias substâncias, algumas das quais são responsáveis pelo seu mau odor) que se forma quando o organismo utiliza os alimentos para obtenção de energia. Provoca espasmos dolorosos e distensão abdominal.

Trata-se de um distúrbio muito frequente que facilmente se confunde com timidez ou uma mania e que até há alguns anos era mal compreendido e negligenciado, em parte porque as pessoas que sofriam deste problema o ocultavam e sofriam em silêncio.

Inflamação de um folículo piloso cuja origem pode, entre outras, ser o barbear, a depilação ou a fricção com a roupa. Na maioria dos casos o folículo afectado é infectado por uma bactéria (estafilococos). Atinge crianças e adultos podendo surgir em qualquer localização onde existam pelos.

A fotossensibilidade é a uma reação extrema de sensibilidade da pele quando exposta à luz do Sol ou a fontes luminosas artificiais, induzida por substâncias químicas, e cujos sintomas podem surgir em menos de 30 minutos ou alguns dias após a exposição solar.

As frieiras são zonas de pele inflamadas e que podem adquirir uma coloração vermelha a roxa. A exposição ao frio provoca uma vasoconstrição, dificultando a circulação sanguínea nas extremidades do corpo.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.