Doenças A a Z

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z

W

A síndroma de Waterhouse-Friderichsen, uma infecção de evolução rápida e catastrófica, é causada pela neisseria meningitidis; produz diarreia grave, vómitos, convulsões, hemorragias internas, hipotensão, choque e, frequentemente, a morte.

A doença de Weil é uma forma grave de leptospirose que provoca febre contínua, estupor e uma menor capacidade de coagulação do sangue, que ocasiona hemorragias dentro dos tecidos.

A síndrome de Werner é uma doença caracterizada pelo envelhecimento precoce, aproximadamente em cerca de 7 vezes em relação à taxa normal, sendo por isso, também denominada por progeria (velhice).

A Afasia de Wernicke, também conhecida por afasia fluente, de recepção ou sensorial, é uma alteração na linguagem oral e escrita que se caracteriza por não haver uma comunicação precisa, pois as palavras expressas são referidas como sopa de letras, sem ordem e confusas.

Microrganismo transmitido por insectos e detectado pela primeira vez no Vale do Nilo.

A síndrome de West consiste numa encefalopatia epiléptica que ocorre entre os quatro e os sete meses de idade e se traduz em espasmos de flexão, paragem de desenvolvimento psicomotor e que pode implicar um atraso ou retrocesso intelectual.

A doença de whipple foi inicialmente descrita há quase 100 anos mas só em 1999 é que o microrganismo responsável pela doença - tropheryma whipplei - foi cultivado, o seu genoma sequenciado e a sua susceptibilidade aos antibióticos definida.

Nome dado ao grupo de três características que definem uma crise de hipoglicemia, do ponto de vista clínico: glicemia inferior a 50 mg/dl, sintomas associados à diminuição da concentração sanguínea de glicose e reversão ou melhoria desses sintomas com a elevação da glicemia.

O tumor de Wilms (nefroblastoma) é um cancro nos rins que pode aparecer no feto e ser assintomático durante anos após o nascimento. Normalmente, manifesta-se em menores de 5 anos, embora de vez em quando apareça em crianças mais velhas e raramente em adultos.

A doença de Wilson deve o seu nome a Samuel Wilson que, pela primeira vez, a descreveu, em 1912, como "degenerescência lenticular progressiva": uma doença neurológica familiar e letal, acompanhada de doença hepática crónica que conduz à cirrose.

A síndroma de Wiskott-Aldrich afecta apenas as crianças e causa eczema, uma contagem baixa de plaquetas e uma deficiência combinada de linfócitos B e T que provoca infecções repetidas.

A síndroma de Wolff-Parkinson-White é uma arritmia cardíaca em que os impulsos eléctricos são conduzidos ao longo de uma via acessória desde as aurículas aos ventrículos, o que provoca episódios de taquicardia. É a mais frequente das perturbações que afectam as vias acessórias.

A doença de Wolman é uma perturbação hereditária que se verifica quando se acumulam tipos específicos de colesterol e de glicéridos nos tecidos.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.