Saiba tudo sobre:

Infecções bacterianas

As infecções bacterianas podem ser adquiridas facilmente no dia-a-dia, mas são habitualmente de fácil resolução. Saiba como as pode prevenir e qual o melhor tratamento.
Bactérias

As infecções bacterianas são doenças que ocorrem quando as formas prejudiciais de bactérias se multiplicam no interior do corpo. O prognóstico das infecções varia de leve a grave, dependendo muito do estado geral do hospedeiro. Embora as infecções bacterianas sejam uma das principais causas de morte na terceira idade, com destaque para a pneumonia, a maioria dos casos pode ser prevenido com a imunização, alguns cuidados gerais ou curadas com antibióticos. No entanto, a maioria das bactérias – que existem no solo, na água, no ar e mesmo no organismo de cada um de nós – são inofensivas e podem mesmo ser úteis.

Habitualmente, as infecções podem ser localizadas - limitada a uma pequena área – como uma ferida infectada, ou podem envolver um órgão interno, como uma infecção nos pulmões e, portanto, variar de gravidade. A principal complicação de uma infecção é a sua disseminação pelo organismo, com comprometimento de vários órgãos, sendo então denominada septicemia. A septicemia pode levar a um quadro de falência de diversos órgãos e à morte.

As bactérias são responsáveis por centenas doenças, algumas bem comuns como inflamações de garganta e ouvidos, outras mais raras como a tuberculose, a sífilis ou a cólera. Por isso os sintomas são variáveis mas geralmente incluem febre. Serão contudo mais exacerbados se o sistema imunológico estiver enfraquecido e originar as chamadas "infecções oportunistas".

A propagação das bactérias ocorre de diferentes formas e pode dar-se através de água ou de alimentos contaminados, através de contacto sexual, através do ar quando se espirra ou tosse, através do contacto com animais, através do toque pessoas infectadas ou mesmo a partir de uma parte do corpo, onde as bactérias estão inofensivas mas ao passar para outra parte causam doença. É o caso, por exemplo, da infecção urinária que ocorre a partir do intestino para o tracto urinário. 

Diagnóstico
O diagnóstico precoce de uma infecção bacteriana é fundamental para assegurar o seu tratamento imediato. Uma infecção bacteriana é por vezes difícil de distinguir de uma infecção viral. Contudo, regra geral, as infecções bacterianas têm tendência para provocar mais febre (por vezes atingem os 41ºC) e provocam um aumento maior do número de glóbulos brancos.

Por isso, os especialistas, podem fazer testes sanguíneos, à expectoração, ou à urina para a evidência de bactérias nocivas. Se uma infecção pulmonar é suspeita, o médico pode pedir um raio-X ou fazer uma biopsia, retirada de células de uma área infectada para ser examinada. Se houver suspeita de meningite, pode ser feita punção lombar, utilizando uma agulha para obter uma amostra do fluido espinhal para teste. 

Prevenção
A vacinação é um dos métodos mais eficazes na prevenção das infecções bacterianas. Existem actualmente no Programa Nacional de Vacinação várias vacinas administradas na infância que previnem, por exemplo, o tétano, a tosse convulsa, difteria. Existem outras, fora do plano de vacinação obrigatório, que imunizam contra a cólera, a meningite, infecções pneumocócicas ou a febre tifóide.

Por outro lado, existem cuidados de higiene diários que devem ser tido em conta para evitar estas infecções. Por exemplo, lavar as mãos antes de preparar os alimentos, antes de comer, depois de usar o WC, tocar em animais ou de ter tido contacto com pessoas infectadas, armazenar e cozinhar alimentos adequadamente para evitar intoxicações alimentares, evitar o consumo de carne crua ou mal cozinhada, lavar frutas e verduras antes de as consumir ou abster-se do contacto sexual sem o uso do preservativo

Tratamento
A maioria das infecções bacterianas pode ser curada com antibióticos. Trata-se de uma classe de fármacos com pouca utilidade nas infecções virais, mas muito eficazes no tratamento das infecções bacterianas.

Como qualquer medicamento, deve ser utilizado com muito cuidado, e apenas por indicação do seu médico. Cada tipo de bactéria reage de forma diferente aos diferentes antibióticos. Por isso, o médico escolhe o medicamento em função da bactéria que pretende tratar, de forma a diminuir a resistência a estes fármacos. Este é actualmente um dos grandes problemas da utilização dos antibióticos.

Fonte: 
Manual Merck
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock