Estudos

Investigação
Embora não prove que possa vir a ser possível trazer à vida alguém que já morreu, a investigação, cujos resultados foram apresentados na revista Nature, é um marco na área e abre caminho para a preservação do cérebro em caso de enfarte.
Estudo
Rejeitar doces pode ser mais difícil do que dizer que não a alimentos saudáveis, mesmo quando não temos fome. Uma equipa de investigadores norte-americanos descobriu que estamos programados para comer mais do que devíamos para que nunca nos faltem reservas de energia.
Estudo
Um estudo divulgado pelo Colégio Americano de Cardiologia vem mostrar que não tomar o pequeno-almoço pode aumentar o risco de morte prematura. Diabetes, hipertensão ou hipercolesterolemia têm sido associados ao jejum prolongado.
Investigação
Cientistas da Universidade de Tel-Aviv, em Israel, produziram um coração vivo que palpita a partir de tecido humano com uma impressora 3D. O feito foi publicado na revista Advanced Science, no passado mês de abril, e representa uma nova esperança para a área dos transplantes.
Estudo
Investigadores portugueses advertem para a necessidade imperiosa de utilização, pelos profissionais de saúde, de garrotes descartáveis (se possível, de uso individualizado), ou da adoção de eficazes medidas de descontaminação destes dispositivos destinados a facilitar a punção venosa, sempre que reutilizados.
Estudo
Cerca de 400 mil crianças de 21 países europeus estarão com obesidade severa, de acordo um estudo da Organização Mundial da Saúde que relaciona a obesidade mais grave nas crianças com um menor nível de escolaridade das mães.
Estudo OMS
O alerta chega por parte da OMS. De acordo com um estudo divulgado por esta organização, as crianças que nunca foram amamentadas ou que foram amamentadas por um curto período de tempo têm maior probabilidade de se tornarem obesas.
Estudo
As crianças que ingerem mais alimentos durante a tarde e depois do jantar correm o risco de se tornarem mais facilmente obesas ou terem excesso de peso, indica um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.
10% das crianças já são obesas aos 4 anos
Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que envolveu mais de cinco mil crianças da Área Metropolitana do Porto, concluiu que a obesidade infantil em Portugal “continua a aumentar”.
Estudo
Um estudo realizado por estudantes da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) concluiu que a maioria dos estudantes universitários acredita que o seu estado de saúde está relacionado com os alimentos que ingere.

Páginas