Como viver melhor

Reumatismo

Muitos idosos sofrem de dores nos braços, pernas, pescoço e costas. A dor pode ser generalizada – dói-me o corpo todo – ou localizada num dos membros ou nas articulações, tais como as ancas, os joelhos ou as mãos, mas nem sempre é possível localizar com precisão a origem da dor.

Quando localizada, a dor é, na maioria dos casos, devida a artrose e, mais raramente, causada por uma artrite reumatóide ou por outra forma de artrite. A dor nas costas está, por vezes, relacionada com a osteoporose. Todas estas situações, embora possam ocorrer em jovens (artrites), são em geral mais frequentes nos idosos do sexo feminino do que nos do sexo masculino.

Se sofre de artrose ou se se encontra numa fase menos activa de artrite reumatóide (sem sinais de inflamação) ou de qualquer outro tipo de artrite menos comum, pode fazer muito para melhorar o seu bem-estar. Conviver com o reumatismo inclui, além de seguir as indicações do seu médico (tomar a medicação, fazer fisioterapia, etc), proteger as suas articulações e alterar não só a rotina diária como também a forma de executar as tarefas que constituem a actividade do dia a dia.

Como complemento do tratamento prescrito pelo médico, existem várias formas de a pessoa, por si própria, fazer com que o seu dia-a-dia seja mais fácil e menos doloroso. Há dois princípios muito importantes que nunca devem ser esquecidos: a conservação da energia e a protecção das articulações.

Conservar a energia
É fundamental evitar o cansaço, pois a fadiga aumenta a dor. Isto aplica-se, designadamente, aos doentes que têm a seu cargo o trabalho de casa.

·         Sempre que possível, trabalhe sentado. É menos cansativo do que fazê-lo de pé.

·         Procure repartir os trabalhos mais pesados e faça alguns intervalos de descanso. Por exemplo, a casa não tem de ser toda limpa no mesmo dia. Depois de lavar a roupa, sem ser necessariamente toda, ou de preparar uma refeição mais complicada, sente- se e descontraia, ouvindo música ou lendo.

·         Quando se sentir cansado ou com mais dores, evite iniciar tarefas que não possam ser interrompidas.

Proteger as articulações
A protecção das articulações contribui para prevenir deformidades articulares e diminuir as dores.

 

·         Mude frequentemente de posição para prevenir a rigidez. Evite os movimentos e as posições que provoquem mais dores nas articulações.

·         Evite o esforço, a sobrecarga, ou pressão, das articulações afectadas.

Algumas adaptações podem ser úteis, tais como cadeiras altas, assentos elevados, para a sanita (para prevenir a flexão excessiva da anca) e carrinhos para o transporte de roupa ou para as compras.

Alguns utensílios podem proporcionar pequenas mas significativas ajudas nas tarefas diárias, tais como talheres leves e com cabos mais largos, escovas e pentes com cabos especiais para facilitar o pentear, além de outros artigos comercializados ou feitos de propósito.

Pescoço

·         Tente manter a cabeça alinhada com a coluna enquanto estiver de pé, sentado ou deitado. Não mantenha a cabeça inclinada para a frente ou virada para um dos lados mais do que o indispensável.

·         Se for necessário, use um colar cervical (almofada circular) suave, para ajudar a manter o pescoço direito e reduzir a dor produzida pelo movimento excessivo.

·         Evite movimentos bruscos com a cabeça ou com o pescoço.

·         Utilize ambos os braços e mãos quando pegar ou transportar objectos pesados; é preferível carregar dois sacos pequenos em vez de um grande.

Coluna

·         Evite levantar ou carregar pesos. Se tiver de levantar algum objecto pesado, nunca o levante acima da cintura.

·         Para pegar em objectos pesados, faça-o de frente para eles e mantenha-os junto ao corpo, se tiver de os transportar.

·         Para se baixar, procure não dobrar as costas pela cintura; tente dobrar sobretudo as ancas e os joelhos, que são articulações habitualmente muito mais fortes do que a coluna.

·         Para transportar objectos para locais afastados, em vez de os carregar ou puxar, empurre-os, utilizando um carrinho de rodas.

·         Evite sentar-se em cadeiras baixas ou em sofás fundos e baixos.

·         Se estiver sentado muito tempo, cruze as pernas para descansar as costas ou levante as pernas alternadamente, apoiando-as num banquinho ou numa almofada.

·         Pode utilizar uma cadeira de baloiço, porque descansa as costas.

Braços e Mãos

·         Deixe correr água quente sobre as articulações, para aliviar a rigidez e dores matinais.

·         Utilize as articulações maiores e mais fortes dos membros superiores para pegar em panelas ou outros objectos pesados, servindo-se mais das palmas das mãos do que dos dedos; habitue-se a transportar a carteira ou o saco pendurados no braço ou ao ombro.

·         Use as articulações das mãos, sem as forçar em posições extremas, evitando dobrar ou esticar muito os dedos ou fechar as mãos com muita força, cerrando o punho. Quando tiver de pegar numa panela, faça-o com ambas as mãos. Limpe a banca da cozinha com uma esponja grande, movendo o ombro e o cotovelo em vez do pulso; aplique as mesmas regras para lavar a louça, limpar o pó e as mesas.

·         Evite inclinar o pulso para fora; ao rodar um puxador de porta, por exemplo, incline a mão para o lado do polegar.

·         Algumas alterações em casa, e no dia a dia, podem ajudar. Por exemplo:

Substitua os puxadores redondos (maçanetas) das portas por puxadores rectos (manípulos).

Faça a barba com uma máquina eléctrica em vez de utilizar lâminas.

·         Se os movimentos e funções das mãos estiverem diminuídos, use vestuário mais adequado:

Escolha roupa que seja de abotoar ou apertar à frente, de preferência com fechos de correr largos e com argola, colchetes grandes, velcro ou botões grandes.

Procure agasalhos tipo capa, porque, quando os movimentos dos ombros estão muito limitados, é difícil enfiar a roupa pela cabeça.

Prefira roupa larga, pois é mais fácil de vestir e torna-se mais confortável, sobretudo quando se tem de usar bengalas, canadianas ou cadeira de rodas.

Use sapatos sem atacadores.

Pernas

·         Com pequenas alterações no acesso à casa, poderá ser mais fácil entrar e sair, mantendo o mais possível a autonomia. Se tiver dificuldade em transpor um degrau alto, devido a problemas articulares das ancas ou dos joelhos, diminua a altura dos degraus das escadas, adicionando-lhes meios degraus. Um corrimão permite maior segurança e facilidade a subir escadas e dá mais equilíbrio ao descê-las.

·         Se usar cadeira de rodas, há necessidade de uma rampa e de portas suficientemente largas e até de retirar as ombreiras e as soleiras das portas.

Fonte: 
DGS
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock