Saúde Infantil

Região Centro
A resposta dos Cuidados Paliativos Pediátricos ainda é "claramente" insuficiente para as necessidades da Região Centro, disse a coordenadora da Equipa Intra-Hospitalar de Suporte do Hospital Pediátrico de Coimbra, Cândida Cancelinha.
Lisboa
Os chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia, em Lisboa, apresentaram hoje a sua demissão à administração, considerando que houve “quebra do compromisso” feito pela instituição de contratar mais médicos.
Cuidados com a criança diabética
Os dias festivos são sempre uma preocupação para nós, cuidadores de crianças com Diabetes Tipo 1. Nos primeiros tempos estas...
O que fazer
A febre na infância é um dos sintomas mais comuns em pediatria e uma das queixas mais frequentes nos serviços de saúde. Apesar...
Comissão Nacional de Saúde Materna
O presidente da Comissão Nacional de Saúde Materna sugere a criação de um Observatório da Criança que promova estudos sobre realidades como o tabagismo passivo, a idade média de ida para a creche ou as horas de sono.
Relatório
O secretário regional da Saúde dos Açores, Rui Luís, adiantou ontem que as consultas de medicina infantil têm aumentado na região, apesar de 11,8% dos menores não terem médico de família atribuído.
Laranja Pontes
O presidente do Instituto Português de Oncologia do Porto, Laranja Pontes, disse hoje que uma possível transferência de doentes oncológicos da pediatria do hospital São João "podia ter sido equacionada", mas não está neste momento sobre a mesa.
Conselho Nacional Saúde
As escolas devem limitar o acesso a alimentos menos saudáveis, recomenda um relatório do Conselho Nacional de Saúde, que aponta deficiências no controlo dos alimentos dentro dos estabelecimentos de ensino.
Esclareças as suas dúvidas
Sabia que a dislexia é uma disfunção neurológica, que se manifesta ao nível da dificuldade de aprendizagem da leitura, em...
Dislexia atinge 5% das crianças em idade escolar
Estima-se que, em Portugal, a dislexia afete cerca de 5% das crianças em idade escolar. Por vezes subdiagnosticada e pouco...

Páginas

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.