Saúde segura

10 passos para o ajudar a sair da consulta sem dúvidas

Imagine que foi a uma consulta médica e que, no regresso a casa, lhe começam a surgir uma série de dúvidas sobre o que o médico lhe disse para fazer….
Consulta médica

O que ele quis dizer com...? Devia ter mencionado....? Há efeitos secundários com este medicamento? Existem outras opções terapêuticas? Estas podem ser algumas perguntas que fará a si mesmo depois de sair de uma consulta médica. Ou porque não se sentiu à vontade para questionar o profissional de saúde, ou porque não entendeu… múltiplas dúvidas que pode evitar se preparar 10 mandamentos para consultas médicas. 10 regras simples que cada doente pode e deve ter em conta quando se trata de controlar a sua saúde.

10 mandamentos de preparação de uma boa visita ao médico

Faça o trabalho de casa
Quanto mais informação preparar antes da consulta com o seu médico, melhor. Para além de ficar melhor preparado para esclarecer eventuais dúvidas, ficará também mais confiante e no controle da situação. Investigue antecedentes médicos familiares e tente ser o mais específico possível com o médico. Pense nas respostas a perguntas tais como:

  • Que sintomas sente?
  • Com que frequência são esses sintomas?
  • Quando começaram?

Seja honesto(a)
Não se esqueça de informar o seu médico acerca dos seus hábitos de vida: se fuma ou não, se pratica exercício físico ou não, que tipo de alimentação faz… por vezes é-nos difícil admitir alguns maus hábitos que temos mas, ninguém é perfeito e, para o seu médico, esta informação pode fazer diferença e ajudar a um diagnóstico mais correcto.

Anote tudo
Prepare uma lista das perguntas que pensa fazer ao seu médico assim como de todos os medicamentos que toma ou tiver tomado, incluindo suplementos alimentares naturais ou outras vitaminas. Anote ainda todas as alergias de que padece e leve consigo os seus exames e análises. Não pense que está a pecar por excesso, o seu médico deve ser o único a decidir o que é relevante.

Vá com tempo
Tente agendar a sua consulta para um período do dia em que tenha disponibilidade e que não tenha o tempo limitado, por exemplo porque tem uma reunião. Não há nada pior para si ou para o seu médico do que não ter tempo suficiente para lidar completamente com as suas questões e preocupações.

Vá acompanhado
É normal acompanharmos um idoso ou uma criança a uma consulta médica mas um adulto, por norma, vai sozinho. Sempre que possível tente alterar este hábito e vá acompanhado. A pessoa que o acompanha pode sempre ajudá-lo com alguns esquecimentos e, se for o caso de se sentir nervoso, um amigo ou familiar pode ajudá-lo a manter a calma. Poderá ainda fazer uma interpretação mais clara do que o médico lhe disse e ajudá-lo a compreender melhor o seu diagnóstico.

Surpresa! O Seu médico é... Humano!
Os médicos, sem dúvida, pertencem a um dos sectores profissionais mais “inteligentes”, mas isso não significa que eles saibam absolutamente tudo e que, tal como o resto de nós, não tenham um dia de mau humor e muito menos que tenham resposta para todos os casos. Assim, esperar que o seu médico o oriente sobre os passos que deve dar e estar disposto a investigar ainda mais a sua condição é inteiramente razoável mas, esperar que ele seja uma base de dados médica ou que lhe dê respostas imediatas é irreal.

Você é o doente... não o médico
Estar informado sobre a sua saúde e os sintomas é bom sinal mas, dizer ao seu médico tudo sobre o seu estado tendo por base as suas pesquisas pessoais antes que ele tenha a hipótese de dizer qualquer coisa é altamente contraproducente. Não só estará perdendo tempo valioso de consulta, como também está a colocar alguma pressão indirecta sobre o seu médico. Informe-o de como se sente e deixe que ele lhe responda e o oriente.

Você é o “cliente”
Mesmo que a sua consulta seja no seu Centro de Saúde e gratuita não significa que tenha que dizer que sim a tudo, sentindo a necessidade de concordar com tudo o que o médico diz ou, dizer que entende quando realmente não percebeu e ficou cheio de incertezas e inseguranças. A sua saúde é muito importante e, como tal, não se sinta constrangido em pedir uma segunda opinião. Devendo mesmo fazê-lo até se sentir seguro e confortável.

Esteja informado sobre a medicação
Algumas das questões mais confusas que podem surgir na consulta têm ver com a medicação. Não só deve informar o seu médico sobre qualquer medicação que está a tomar, como também deve garantir que não restam dúvidas quanto á forma como deve tomar a sua medicação e também aos eventuais efeitos secundários que possam surgir com a mesma: por exemplo, se tem que fazer a toma de um medicamento de manhã deve fazê-lo antes ou depois de comer? É possível continuar a beber café? Há outros medicamentos ou suplementos que podem interferir/interagir com a sua medicação?

Fonte: 
Guesswhat
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.