Use-os com segurança

Medicamentos

Saiba quais os principais cuidados que deve ter com os medicamentos. Seja na sua toma, seja na forma de os conservar.
Medicamentos

 

O Medicamento de Uso Humano está sujeito a padrões de qualidade, segurança e eficácia, alicerçados na actuação conjunta dos responsáveis pela sua colocação no mercado, das autoridades competentes nacionais e comunitárias. Deve fazer-se um bom uso dos medicamentos, para que os efeitos que devem produzir sejam cumpridos e evitar potenciar os efeitos secundários ou outros efeitos nocivos.

 

Informar o médico e o farmacêutico sobre:

Todos os medicamentos que está a tomar, receitados ou não;

Os medicamentos que lhe tenham causado problemas/alergia;

Os medicamentos receitados que não tomou e qual a razão;

Efeitos adversos causados pelos medicamentos.

Conhecer bem os medicamentos que toma:

Antes de começar o tratamento ler com atenção as indicações no folheto informativo;

Seguir com rigor as instruções sobre a toma ou aplicação dos medicamentos;

Esclarecer as dúvidas com o médico ou farmacêutico.

Seguir rigorosamente o tratamento:

Tomar os medicamentos nas doses e nos horários recomendados.

Não deve alterar as doses receitadas;

Cumprir o tratamento durante o tempo recomendado;

Tomar os medicamentos com um copo de água e nunca na posição de deitado;

Não beber bebidas alcoólicas durante o tratamento;

Pedir ao farmacêutico para escrever na caixa o modo como devem ser tomados os medicamentos (número de vezes por dia, horas das tomas, antes ou depois das refeições, etc.);

Os medicamento de preparação extemporânea (exemplo dos antibióticos para crianças) devem ser agitados antes de tomar, assim como aqueles que têm essa indicação no rótulo.

Em caso de viagem:

Levar na bagagem de mão os medicamentos a tomar quando viajar de avião;

Se viajar de automóvel ter em atenção as condições de armazenamento.

Separar os medicamentos destinados às crianças:

Às crianças dar somente os medicamentos que lhes foram receitados;

Não dar às crianças medicamentos para adultos, mesmo em doses reduzidas, salvo por indicação médica.

Auxiliar os idosos no tratamento:

Nas doses e horas das tomas;

Nos cuidados especiais e identificação das queixas relacionadas com o tratamento, etc.

Tomar só medicamentos receitados pelo médico ou aconselhados pelo farmacêutico:

O mesmo sintoma não significa a mesma doença, por isso não tomar medicamentos aconselhados por vizinhos, amigos, colegas ou familiares;

Grávidas, mães a amamentar ou doentes crónicos devem tomar somente os medicamentos receitados pelo médico ou aconselhados pelo farmacêutico.

Não utilizar medicamentos que sobraram:

De aplicação nos olhos, já que depois de abertos têm validade muito curta;

Receitados pelo médico para outra doença anterior;

Com prazo de validade ultrapassado ou sem o prazo inscrito na embalagem;

Com sinais de alteração (exemplo, cor, cheiro, etc.);

Depositar os restos dos medicamentos em contentores próprios nas farmácias e não os deitar no lixo.

Informar-se com o seu médico ou farmacêutico sobre:

Doses, horários das tomas, duração do tratamento e o que fazer se houver esquecimento de uma toma;

Interacções com outros medicamentos, alimentos e bebidas alcoólicas;

Reacções adversas esperadas e como as evitar;

Possibilidade de condução de veículos e exposição ao sol;

A ingestão ocasional de uma dose exagerada ou troca de medicamento.

Manter os medicamentos bem arrumados:

Guardar os medicamentos num armário, fechado, longe do alcance das crianças e animais e o ao abrigo da humidade (nunca na casa de banho ou cozinha);

Manter os medicamentos na embalagem de compra e com o folheto informativo, uma vez que pode haver perigo de engano no medicamento a tomar:

Separar os medicamentos para um mal-estar ocasional, dos receitados pelo médico;

Colocar na porta do frigorífico os que devem ser guardados no frio (exemplo: insulina, antibióticos preparados);

Verificar periodicamente o prazo de validade, não guardar os de prazo ultrapassado;

Rolhar bem os frascos e mantê-los com o rótulo.

Medicamentos sem receita médica:

Os medicamentos que não forem receitados pelo médico devem ser tomados por curtos períodos de tempo;

Se não verificar melhoras, deve consultar o médico;

Bebés, grávidas e mulheres a amamentar não devem tomar medicamentos sem receita médica;

Não tomar ao mesmo tempo medicamentos receitados e outros sem receita médica, sem conhecimento do médico ou farmacêutico.

Fonte: 
farmacêutico.planetaclix
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.