Sinais de alerta

Sépsis na Criança

Para assinalar o Dia Mundial da Sépsis, o especialista em pediatria, João Bismarck, descreve-nos uma patologia que, embora rara, é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma das maiores causas de morte infantil.

A sépsis - e mais especificamente a sépsis meningocócica - é provavelmente a patologia mais temida pelo pediatra. A velocidade da sua evolução, que pode determinar a morte ou lesões irreversíveis em poucas horas se não for instituída terapêutica intensiva, é a razão por trás da preocupação.

Apesar da evolução favorável ocorrida nas últimas décadas (a mortalidade passou de 97% em 1966 para 10% nos últimos estudos), a mortalidade e morbilidade por sépsis mantêm-se altas, sendo considerada pela OMS como uma das maiores causas de morte abaixo dos 5 anos de idade em todo o mundo

Sépsis é definida como uma síndrome de resposta inflamatória sistémica (SIRS) de causa infecciosa. A fisiopatologia da sépsis é um processo complexo e heterogéneo, que envolve o sistema imunitário do hospedeiro e é a cascata imunológica e inflamatória gerada que leva à disfunção celular, tecidular e orgânica.

A presença de sinais como alteração do ritmo cardíaco, dificuldade respiratória, alterações da temperatura e dos leucócitos demonstram a presença de SIRS, que é um mecanismo avançado de reacção contra uma infecção (mas também pode ser provocado por outros tipos de agressão graves não-infecciosas que produzam lesão tecidular, como trauma, queimadura, neoplasia ou doença autoimune).

Resumidamente, para uma criança se considerar ter uma sépsis, tem de ter suspeita ou confirmação de uma infecção e sinais de uma resposta sistémica a essa infecção. A sépsis grave tem já falência de órgão e o choque séptico disfunção cardiovascular com hipoperfusão de órgãos e hipotensão que não responde à expansão de volume.

O sistema imunitário da criança está em constante mudança atingindo a sua maturidade apenas na adolescência. Esta variabilidade, assim como outros factores típicos de cada faixa etária condicionam susceptibilidade acrescida a diferentes microrganismos em cada idade.

Por exemplo, as etiologias mundiais mais comuns de sépsis no período neonatal são microrganismos provenientes da mãe e adquiridos aquando da passagem pelo canal de parto: Streptococcus do grupo B, Escherichia coli, Listeria monocytogenes, Enterovírus e herpes simplex.

Nos primeiros meses de vida, os sintomas podem ser muito subtis pelo que é prática comum para além do exame geral efectuar análises com hemograma completo, culturas de sangue e urina e frequentemente de líquido cefalorraquidiano. Em casos suspeitos é iniciado tratamento antibiótico dirigido a infecções graves em internamento até que as culturas não demonstrem crescimento.

Na criança mais velha, as etiologias clássicas: Streptococcus pneumoniae, Neisseria meningitidis, Haemophilus influenza e Staphylococcus aureus têm vindo a modificar-se graças à vacinação crescente das crianças nos países desenvolvidos.

O diagnóstico precoce de sépsis é uma das chaves para o sucesso do tratamento. A meningococemia (que é provavelmente a doença mais temida na urgência pediátrica) tem como apresentação típica a de uma criança previamente saudável – eventualmente com um pródromo de odinofagia – que surge com febre alta e que na observação cuidadosa mostra ter petéquias. Esta criança pode evoluir, em poucas horas para choque séptico.

É essencial um elevado nível de suspeita e um cuidado redobrado na observação destas crianças pois o prognóstico cai abruptamente com o atraso na terapêutica.

Numa criança com febre há que questionar os pais quanto a alterações cutâneas, dificuldade respiratória, alterações neurológicas e débito urinário (tão fácil como a quantificação das fraldas usadas) e confirmar a vacinação.

Na observação, para além dos sinais meníngeos, deve valorizar-se a taquicárdia, a amplitude do pulso, a taquipneia e o atraso do preenchimento capilar, para identificação do SIRS no seu início. Não podemos esperar pela hipotensão, anúria e hipotermia. Na pele, atenção às primeiras petéquias - as sufusões são a demonstração de coagulação intravascular disseminada francamente avançada.

Uma vez diagnosticada, a sépsis exige tratamento rápido e agressivo, uma vez que está comprovado que uma abordagem eficaz na primeira hora, guiada por objectivos, reduz a morbilidade e mortalidade.

A abordagem da sépsis em pediatria, para além da administração de antibióticos intravenosos o mais precocemente possível, deve ser dirigida, durante a primeira hora, à reposição da volémia e suporte inotrópico.

O seguimento posterior dos casos de sépsis grave e choque séptico deve ser efectuado numa Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos para suporte hemodinâmico e de orgão para a cuidadosa manutenção da homeostasia.

Em suma, trata-se de uma patologia rara mas grave e de tratamento complexo, necessitando atenção expectante para que se faça o diagnóstico com a rapidez essencial para um tratamento eficaz, nomeadamente na primeira hora evitando a falência múltipla de órgãos.

Dr. João Bismarck – Pediatra Hospital Lusíadas Lisboa
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED