O que é e para que serve?

Rejuvenescimento vaginal deixou de ser tabu

Abordar o rejuvenescimento vaginal sempre foi tabu mas uma nova geração de tratamentos com laser Co2 fracionado coloca este tema na moda em medicina estética. Flacidez, atrofia, secura vaginal e até incontinência urinária de esforço são as principais queixas das mulheres no pós-parto ou menopausa que procuram tratamento.

Nos últimos cinco anos a área da ginecoestética teve um crescimento exponencial, com introdução no mercado de muitos aparelhos cada vez mais modernos, apelativos e indolores. E à medida que a esperança média de vida aumenta a nível mundial e a auto estima e a atividade sexual são valorizadas, porque não utilizar a tecnologia a favor das mulheres?

A maioria das queixas foca a alteração da anatomia e/ou sexualidade principalmente no pós-parto e na menopausa, desde flacidez, atrofia e secura vaginal até à incontinência urinária de esforço de grau leve/moderado.

O princípio básico dos procedimentos de rejuvenescimento vaginal é a aplicação de lasers ou radiofrequência. Em particular o tratamento com laser Co2 fracionado vai libertar energia e calor que, por consequência, estimula o colagénio e a elastina, melhorando e tensionando os tecidos do canal vaginal e da vulva. Assim, há melhoria da flacidez, da espessura da mucosa e do fluxo sanguíneo que melhora a lubrificação e torna a relação sexual mais prazerosa.

A nível da incontinência urinária de esforço, o laser Co2 fracionado provoca uma remodelação das fibras de colágeno da parede anterior da vagina, dando melhor sustentação à bexiga e controlando a incontinência. Este processo de produção de novo colágeno é contínuo tornando os resultados duradouros.

As sessões são rápidas, com duração entre 15 a 30 minutos, indolores e realizadas no consultório permitindo à mulher regressar à sua vida habitual de imediato. A quantidade de sessões varia de acordo com a mulher e patologia mas em média são necessárias três com intervalos de um mês entre elas, devendo repetir o procedimento um ano depois. Num estudo de 2015, 73% das mulheres relataram melhoria na satisfação sexual, 75% melhoria no rejuvenescimento vaginal e 92% ficaram satisfeitas e recomendariam o tratamento.

Outra questão muito debatida é a labioplastia, cirurgia que consiste na redução dos pequenos lábios, com aumento da procura mundial em cerca de 20%. Além da estética, questões funcionais motivam a procura deste procedimento, uma vez que o volume aumentado pode incomodar com roupa mais justa, na prática de atividades desportivas e pode tornar o ato sexual doloroso.

A labioplastia pode ser realizada com laser Co2 fracionado (pelo seu poder de corte e coagulação) em 40 minutos, com anestesia local, sem necessidade de sutura e com uma recuperação mais rápida do que a cirurgia convencional. Em um ou dois dias a mulher pode retomar a sua vida quotidiana e em 20 dias a sua vida sexual, sem cicatrizes e uma vulva renovada (com os lábios menores, menos flácidos e mais simétricos).

O design da vagina e seu rejuvenescimento são os assuntos da atualidade. Preconceitos culturais, vergonha ou falta de informação fazem o assunto parecer tabu, mas a verdade é que há cada vez mais mulheres curiosas em conhecer uma forma de obter melhorias a este nível, e porque não? É importante reforçar que estes procedimentos são minimamente invasivos, indolores, com recuperação rápida e realizados no consultório, com resultados satisfatórios e duradouros.

Artigos relacionados

Labioplastia: solução cirúrgica para a hipertrofia dos lábios vaginais

Novo tratamento laser recupera mucosa vaginal

Dra. Ana Sousa - Clínica de Medicina Estética Avançada 

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay