Saúde da Mulher

Profissionais de saúde
O curso de pós-graduação sobre mutilação genital feminina para profissionais de saúde conta este ano com o apoio do Governo, que introduziu melhorias em relação a edições anteriores, indicou ontem o executivo.
Relatório
A percentagem de cesarianas realizadas nos hospitais privados é mais do dobro da registada nos públicos, sendo necessária uma reflexão sobre esta “assimetria”, conclui a Direção-Geral da Saúde.
No entanto, taxa de sobrevivência aos 5 anos é inferior a 30%
Em Portugal, estima-se que entre 5 a 10% das mulheres com cancro de mama estejam já num estádio avançado da doença aquando o...
Estudos revelam
Todos os anos há 6 mil novos casos de cancro da mama em Portugal, mas nem tudo são más noticias.
Tudo o que precisa saber sobre a doença
Estima-se que uma em cada 9 mulheres desenvolverá cancro da mama ao longo da vida, se viver até aos 80 anos. A incidência da...
Administração Regional de Saúde do Centro
A Administração Regional de Saúde do Centro anunciou hoje o lançamento de um projeto de rastreio do cancro do colo do útero em casa dirigido a 800 mulheres, que não efetuam rastreio há quatro ou mais anos.
Relatório
A decisão das mulheres sobre a data e número de filhos está diretamente ligada ao desenvolvimento económico e social das populações, refere o "Relatório sobre a evolução da população mundial de 2018", do Fundo de População das Nações Unidas.
Maioria entra na menopausa por volta dos 50 anos
No dia 18 de Outubro comemora-se a nível internacional um marco de relevância fisiológica e clínica, o dia da Menopausa. Esta é...
«Gravidez Mês a Mês»
Na gravidez e durante a maternidade a pele torna-se mais sensível e mais “fina” e, por isso, os cuidados devem ser redobrados. ...
Estudo
Mais de metade (54%) dos doentes operados à coluna nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde entre 2011 e 2016 são mulheres, de acordo com os dados do primeiro estudo feito em Portugal sobre cirurgia da coluna no Serviço Nacional de Saúde, apresentados hoje - Dia Mundial da Coluna – num evento que decorreu na Escola Nacional de Saúde Pública.

Páginas

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.