Cirurgia estética

Lipoaspiração

A lipoaspiração não é um tratamento para a obesidade, é sim uma cirurgia estética, uma das mais procuradas em todo o mundo, que tem como objectivo a remoção de tecido adiposo reflectindo-se o resultado final nos contornos corporais.

Apesar de todas as pessoas poderem fazer uma lipoaspiração, as mais indicadas são aquelas que têm algum excesso de peso e que apresentem uma pele firme e elástica. A importância do tipo de pele está relacionada com a recuperação pós-cirúrgica, pois a pele flácida e descaída não irá adaptar-se aos novos contornos corporais. Nestes casos será sempre necessário recorrer a outro tipo de cirurgias para resolver o problema.

Uma das razões a que se deve a popularidade da lipoaspiração, é por ser uma cirurgia minimamente invasiva, com resultados positivos e com uma recuperação rápida. Procurada principalmente por mulheres, é feita principalmente para remover gordura nas coxas, ancas, nádegas, cintura, barriga, braços e queixo, podendo ser efectuada em mais que uma zona ao mesmo tempo.

Ao decidir fazer uma lipoaspiração deve começar por ir a uma consulta com um Cirurgião Plástico. Nesta consulta deve transmitir ao médico quais as suas expectativas em relação ao que pretende e ao resultado final, mas sempre com a noção de que o que se atinge nesta intervenção são melhorias e não a perfeição. A avaliação da sua saúde e da sua pele são importantes pois vão determinar qual o método mais apropriado para a sua situação.

Na maioria dos casos, a lipoaspiração é feita recorrendo a anestesia local salvo raras exepções em que é realizada com anestesia geral. Usam-se cânulas, que são inseridas em pequenas incisões feitas nas zonas seleccionadas, ligadas a uma bomba de sucção de vácuo, que vai sugar a gordura em excesso da zona pretendida. Após este processo, as incisões são suturadas, desinfectadas e cobertas com uma compressa.

Apesar destas incisões serem de dimensões muito reduzidas e serem feitas em locais mais escondidos do corpo, poderão sempre ficar umas pequenas marcas das cicatrizes.

Quais os riscos?
Qualquer cirurgia tem os seus riscos e pode depender da condição de cada pessoa. Os efeitos da anestesia, os inchaços, as infecções, as hemorragias e as dores são alguns dos exemplos de possíveis complicações. É importante que o médico faça uma avaliação rigorosa do paciente e que as condições do espaço onde a cirurgia é feita sejam as melhores, pois estes são factores que contribuem em muito para reduzir significativamente todos os riscos. O cumprimento de todas as indicações dadas pelo médico é igualmente importante.

Como é feita a recuperação?
Numa situação considerada normal, poderá ir para casa no próprio dia da intervenção cirúrgica mas, sempre acompanhado por uma pessoa que fornecerá o auxílio necessário para a sua deslocação. A recuperação pode variar consoante o local e a quantidade de gordura que foi removida, embora o inchaço, as nódoas negras e algumas dores sejam normais durante algumas semanas.

É aconselhável retomar gradualmente alguma actividade e não ficar parado/a ou acamado/a, pois este é um factor importante que pode evitar algumas complicações de circulação do sangue e que também ajuda a reduzir o inchaço.

Actividades físicas mais intensas são desaconselhadas durante o primeiro mês, enquanto o corpo ainda está a recuperar.

Resultados finais
Os resultados irão aparecer de uma forma progressiva à medida que é feita a recuperação. Há que ter em consideração a recuperação da pele, pois esta pode ser mais ou menos lenta, conforme a quantidade de gordura que foi retirada.

O resultado final irá proporcionar uma maior auto estima, sendo que os cuidados de alimentação e vida saudável são fundamentais para manter os resultados obtidos através desta cirurgia.

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock