Qual é o mais adequado?

Atividade física, exercício físico e desporto na idade sénior

Como a própria origem da palavra ‘sénior’ nos revela, ela quer apenas dizer mais velho relativamente a outro. De facto, continua a ser bastante discutível e, ainda longe de consenso, a atribuição de fronteiras claras nas várias categorias do ciclo da vida humana.

Inicialmente, convém rever os seguintes conceitos:

  • Atividade Física: movimentos corporais com contração de músculo-esquelético e que aumentam o dispêndio energético.
  • Exercício físico: atividade física planeada e estruturada.
  • Desporto: exercício físico que envolve competição.

Se, por exemplo, para definirmos o período da adolescência nos guiamos pelo inglesismo dos ‘teens’, quando é que realmente podemos dizer que a idade sénior se iniciou? No âmbito deste artigo em que esclareceremos questões relacionadas com a prescrição de exercício físico consideraremos os 65 anos como a idade de entrada na idade sénior. Também importa ressalvar que indivíduos com mais de 50 anos com doenças crónicas, com impacto clínico significativo ou com limitação funcional podem também seguir o mesmo tipo de recomendações.

Mas o que de facto acarreta este passar dos anos a que denominamos envelhecimento?

Resumidamente, exponho alguns dos seus principais efeitos no organismo humano que habitualmente se iniciam tão precocemente como entre os 25-30 anos de idade:

  • Perda da capacidade do sistema cardiovascular em resposta ao exercício de cerca de 10% por década.
  • Perda de 10% da massa muscular até aos 50 anos que é considerada a idade crítica para o músculo. Após esta idade o declínio da força muscular aumenta substancialmente sendo na ordem dos 15% nas décadas 60 e 70 e 30% nas décadas seguintes.
  • Perda de mobilidade articular na ordem dos 7% à década.
  • Alteração da composição corporal em favorecimento do ganho de gordura sobretudo a visceral (abdominal)
  • Perda gradual da massa óssea sendo esta mais relevante na mulher pós-menopausa onde atinge percentagens de 3% ao ano.

Com um simples raciocínio será facilmente compreensível o que acarretam estas alterações. Uma perda da capacidade de adaptação a uma atividade física e uma diminuição da força muscular pode facilmente ter repercussões nas atividades da vida diária, inclusive na sua própria independência funcional e, consequentemente, na qualidade de vida do indivíduo.

Se associarmos, a estes fatores que levam a uma perda de capacidade para gerar energia, um aumento da percentagem de massa gorda (maior peso corporal que não contribui para a mobilidade do indivíduo) e, se a este cenário, já pouco favorável, ainda associarmos uma perda da mobilidade articular, podemos aumentar drasticamente o risco de quedas que num corpo que perde 3% de massa óssea ao ano pode levar a consequências muito relevantes como são as fraturas ósseas que, muitas vezes, nestas idades, deixam sequelas graves e podem mesmo levar à morte.

Também é sobejamente conhecido e cientificamente comprovado que o processo de envelhecimento acarreta muitas outras alterações (fora do âmbito deste artigo) que levam a uma correlação positiva entre uma grande maioria das doenças crónicas (responsáveis por uma elevada taxa de mortalidade e morbilidade) e a idade. Neste grupo de doenças, que são transversais aos vários órgãos e sistemas, encontramos as Doenças Cardiovasculares e Cerebrovasculares, a Hipertensão, os Diabetes Tipo II, a Obesidade, vários tipos de Cancro, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, a Insuficiência Renal Crónica, a Osteoporose e a Osteoartrose, a Demência e a Depressão.

Parece claro que o envelhecimento condiciona alterações estruturais e fisiológicas com repercussões significativas na qualidade de vida do indivíduo. A sociedade atual compreende bem a importância do envelhecimento de forma saudável e é aqui que entra o exercício físico (EF), como um dos principais pilares deste paradigma.

No contexto deste artigo, o EF pode ser dividido em 4 categorias diferentes:

  • Treino aeróbio (TA): que aqui será referido a exercícios que perdurem no tempo que envolvam grandes grupos musculares de forma rítmica.
  • Treino de Fortalecimento Muscular: exercício com trabalho muscular contra uma força/peso aplicado.
  • Treino de Flexibilidade (FX): atividades que promovem a manutenção ou aumento das amplitudes articulares
  • Treino de Equilíbrio (EQ): atividades para melhoria da força e da reação muscular dos membros inferiores que reduzem a possibilidade de quedas.

Estudos em populações envelhecidas de forma saudável revelam que estes indivíduos são, geralmente, socialmente ativos, otimistas, com cuidados alimentares e de higiene do sono e com elevada atividade física.

Também muito bem documentados estão os efeitos do exercício físico nesta população e nestas doenças que citamos:

  • Relativamente às patologias que enumerei acima, o EF tem 2 papéis fundamentais: 1º previne o seu aparecimento; 2º atua como ferramenta terapêutica se a patologia já estiver instalada.
  • A perda de capacidade cardiovascular pode facilmente ser atenuada com exercícios de treino aeróbio (TA) de moderada intensidade.
  • A perda da massa muscular e, consequentemente, da força muscular podem facilmente ser combatidas por programas de fortalecimento muscular (FM).
  • A manutenção das amplitudes articulares pode ser atingida com exercícios regulares de flexibilidade.
  • O EF é um dos principais fatores que permite conservar uma composição corporal adequada, tanto através do TA como através de programas de FM.
  • É possível limitar a perda gradual da massa óssea sobretudo com programas de FM.

Se o envelhecimento é inevitável e trás consigo efeitos biológicos deletérios e uma maior propensão à aquisição de patologias que, em ambos os casos podem por em causa a nossa saúde e, em última análise, a nossa qualidade de vida;

Se o exercício físico demonstrou grande eficácia na atenuação desses efeitos bem com um papel preventivo e mesmo terapêutica na grande maioria das doenças que se correlacionam com a idade;

Então deveremos concluir que a fase da vida em que mais beneficiamos da prática regular do EF é na idade sénior.

Feitas todas estas considerações, as próximas linhas do artigo são destinadas às recomendações para obtermos os efeitos desejáveis com a prática do EF. Na tabela 2, encontram um resumo das mesmas.

Treino Aeróbio:
(Caminhadas, Corrida, Natação, Hidroginástica, Ciclismo, Aulas de ‘cardiofitness’…)

  • Principiantes deverão iniciar estas atividades com intensidade moderada (Tabela 1) com uma frequência de 5 dias/semana com duração superior a 30’ e inferior a 60’.
  • Indivíduos com capacidade para optar por atividades de alta intensidade (7-8 Escala de Perceção de Esforço - EPE) deverão realizá-las 3 dias/semana numa duração entre 20’ a 30’.

Caso haja interesse ou necessidade em aumentar a carga total, esta não deverá exceder os 5% por semana.

Treino de Fortalecimento Muscular:
Pode ser realizado com pesos livres, materiais de resistência variável (elásticos) ou máquinas mais ou menos funcionais. Nestas faixas etárias são preferidos exercícios em máquinas que controlem o movimento por serem, pelo menos numa fase inicial, mais seguros.

  • Entre 2 a 3 vezes/semana sendo que obrigatoriamente deverá existir um período de 48 horas entre sessões.
  • As sessões deverão contemplar 8 a 10 exercícios utilizando os principais grupos musculares e durando uma média de 30’.
  • Cada exercício deverá ser realizado 1 ou 3 vezes (séries) com intervalos de recuperação de 2’ a 3’ e terá de 10 a 15 repetições sendo que a última repetição deverá ser realizada em fadiga (correspondente a 65-75% de uma repetição máxima - RM).

As primeiras 4 semanas deverão ser feitas com supervisão e carga reduzida (sem fadiga às 25 repetições) para familiarização com o exercício, preparação do sistema músculo-esquelético e, dessa forma, reduzir o risco de lesão.

O ajuste de cargas (quando necessário) deve ser feito mensalmente.

Treino de Flexibilidade:

  • Mínimo de 2 dias/semana, englobando os principais grupos musculares.
  • Mínimo de 30 segundos/alongamento com sensação de desconforto - repetir 3 a 4 vezes.

Treino de Equilíbrio:
Também conhecido como treino propriocetivo ou de coordenação neuromuscular, tem particular interesse em grupos com risco acrescido de queda.

O Tai Chi é um dos melhores exemplos deste tipo de treino.

  • Idealmente num total de 20’, 3 dias/semana.


Tabela 1


Tabela 2

Dr. João Pedro Araújo - Consultor da Clínica do Dragão – Espregueira Mendes Sports Centre - FIFA Medical Centre of Excellence e Diretor da Unidade Médica do Al Jazira Sports Club - Emirates
Fonte: 
Multicom
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED