Saiba mais

A saúde mental na menopausa

Atualizado: 
06/10/2014 - 16:16
As mulheres são mais propensas a desenvolver ansiedade e transtornos de humor como depressão, principalmente após a menopausa.
Saúde mental na menopausa

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2003), e relativa à população idosa (com mais de 65 anos), os problemas de saúde mental existem em maior número no sexo feminino. À medida que envelhecem, as mulheres atravessam mudanças na sua vida que podem afectar a sua saúde mental e algumas dessas mudanças de vida podem conduzir a depressões.

A depressão é uma doença mental que se caracteriza por tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil. Quando estes sintomas se agravam ou perduram por mais de duas semanas consecutivas, convém começar a pensar em procurar ajuda. Até porque existem sintomas que podem, por vezes, confundir-se com a demência (OMS, 1995), como a falta de apetite, recusa em tomar a medicação ou queixas de vários problemas de saúde.

De entre os problemas mais comuns na população idosa feminina que originam alterações na saúde mental, encontram-se: a viuvez e a morte de familiares próximos; o stress pelo facto da pessoa idosa ter de assumir o papel de cuidador perante um familiar doente; os medos (da morte, de dificuldades financeiras devido às baixas reformas, ou medo da perda de independência); a mudança de papel dentro da família; o isolamento social. Desta forma, a resposta emocional a estes problemas pode incluir a culpabilização, a solidão, a falta de motivação e a perda do sentido da vida, sentimentos de revolta e de impotência que conduzem à depressão.

É preciso, portanto, estar atento a sintomas que as mulheres que têm depressão grave podem apresentar. Tais como, parecerem cansadas, tristes ou desinteressadas da vida. Muitas vezes falam lentamente e não se conseguem concentrar.

Por vezes os sentimentos de depressão não duram muito tempo e não requerem tratamento. Outras vezes, uma dose de medicação durante um determinado período pode ser a melhor opção. Em alguns casos, o tratamento pode passar por medicação ou aconselhamento ou ambos.

Por outro lado, uma rede de amigos, família e a prática de várias actividades é bom para o seu bem-estar mental. As actividades como a consulta de um grupo de apoio ao doente, fazer exercício regularmente e alimentar-se com refeições equilibradas também podem ajudar no seu humor. Deixe que a sua família e amigos tenham conhecimento do que está a acontecer e do que está a fazer para resolver esses problemas. Eles poderão apoiá-la. Escrever os seus pensamentos e sentimentos diariamente (fazendo um diário) pode ser útil se não confidencia com amigos ou família.

E porque é mais difícil lidar com a tristeza quando existem outros problemas de saúde associados, deve consultar o seu médico para um exame físico completo para procurar se existe alguma razão física para a sua depressão.

Terapêutica hormonal
Antes e durante a menopausa o corpo produz menos hormonas femininas, estrogénio e progesterona. Esta diminuição dos níveis hormonais pode causar sintomas, como mudanças de humor, fadiga ou afrontamentos, preocupantes e perturbantes para algumas mulheres.

Indicada para aliviar os sintomas da menopausa, a terapêutica hormonal de substituição actua sobre esses sintomas, quase de forma imediata, ajudando a manter a manter a concentração, decrescer a fadiga e a falta de energia e equilibrando as mudanças de humor.

A comunidade científica não está de acordo quanto aos benefícios e malefícios da terapêutica hormonal de substituição. Há estudos que revelam um ligeiro aumento da incidência do cancro da mama, após mais de cinco anos de terapêutica, e outros que mostram uma ligeira diminuição dessa mesma incidência.

Apesar dos riscos, a terapêutica hormonal de substituição ainda tem um papel importante no tratamento destes sintomas em muitas mulheres. Reveja os seus sintomas com o seu médico. Verifique que tipo de terapia é a indicada para si.

Faça o teste:

Veja se tem sintomas de depressão

As pessoas que estão deprimidas revelam diversos sintomas da doença quase todos os dias, durante todo o dia, durante pelo menos 2 semanas. Coloque um visto à frente das alíneas às quais responde “sim”:

  • Falta de interesse em coisas que gostava de fazer;
  • Sentir-se triste, em baixo ou chorar com frequência;
  • Mover-se lentamente ou agir impacientemente ou não parar quieta;
  • Sentir-se sem valor ou muito culpada no dia-a-dia;
  • Ter uma mudança no apetite ou perda ou ganho de peso sem fazer dieta;
  • Ter pensamentos de morte ou suicídio ou tentar o suicídio;
  • Ter problemas em concentrar-se, pensar, lembrar-se ou tomar decisões;
  • Dormir demasiado ou não conseguir adormecer ou dormir tempo suficiente;
  • Falta de energia e sentimento de cansaço todo o tempo.

Se estiver a ter, pelo menos, cinco destes sintomas (incluindo, pelo menos, um dos dois primeiros), pode estar deprimida. Se sente problemas com qualquer um destes sintomas, fale com o seu médico.

Fonte: 
Informação da Sociedade Portuguesa de Menopausa
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock