Vitamina D

Conheça os benefícios da vitamina do sol

Atualizado: 
27/06/2016 - 11:30
A vitamina D, também conhecida como a vitamina do sol, é uma vitamina lipossolúvel (que se dissolve na gordura) essencial para o bom funcionamento e equilíbrio do nosso organismo. Esta vitamina desempenha um importante papel para a saúde óssea, e tem um papel relevante para o sistema imunológico, para o sistema cardiovascular e para o sistema nervoso.

Ao contrário das outras vitaminas, a vitamina D pode ser produzida pela pele, através da exposição aos raios ultravioletas. A vitamina D pode ser encontrada, essencialmente, de duas formas moleculares distintas e com origens diferentes: a vitamina D2 – ergocalciferol - de origem vegetal e a vitamina D3 – colecalciferol - de origem animal.

Outra particularidade da Vitamina D deve-se ao seu complexo metabolismo, mais precisamente ao facto das vitaminas D2 e D3 serem biologicamente inativas.

Ou seja, para o organismo poder utilizar a vitamina D primeiro as vitaminas D2 e D3 têm que ser ativadas, ou seja, têm que ser transformadas.

A primeira transformação ocorre no fígado, onde se forma a 25-hidroxivitamina D, e depois no rim, onde se obtém a 1.25-dihidroxivitamina D.

Vitamina D e Saúde

Uma das principais funções da vitamina D, e talvez a mais conhecida, é ser responsável por regular o metabolismo ósseo. Esta vitamina é essencial para o desenvolvimento saudável e para a manutenção dos ossos e dentes. Por um lado, promove e otimiza a absorção do cálcio, por outro lado, evita a eliminação renal do cálcio.

Mas o papel da vitamina D na nossa saúde não fica por aqui. As diversas funções que desempenha em distintos tecidos e órgãos fazem da vitamina D essencial para a saúde do nosso organismo.

Desempenha um papel importante ao nível muscular, ao nível do sistema imunológico e ao nível do sistema nervoso, uma vez que previne o declínio cognitivo.

 Relativamente ao sistema cardiovascular, a vitamina D desempenha um papel protetor, uma vez que parece reduzir o risco de enfarte, de doença coronária e de insuficiência cardíaca.

Ainda, a Vitamina D revela um efeito preventivo da obesidade e da diabetes mellitus, pois tem a capacidade de melhorar a sensibilidade à insulina.

Durante a gravidez, a Vitamina D diminui o risco de eclampsia.

Fontes de Vitamina D

A principal fonte de vitamina D é o sol! Para o organismo, mais precisamente a pele,  conseguir produzir uma dose adequada (cerca de 80%) de vitamina D é necessária a exposição solar, sem protetor solar, durante cerca de 15 minutos, pelo menos 3 vezes por semana.

Contudo, para além da exposição solar, é essencial um correto aporte desta vitamina através da alimentação, nomeadamente através da ingestão adequada de alimentos naturalmente ricos em Vitamina D.

Alimentos naturalmente ricos em Vitamina D

·         Leite e derivados (iogurte e queijo)

·         Creme vegetal para barrar

·         Gema de ovo

·         Peixe, nomeadamente os peixes gordos, como a cavala, salmão, atum, sardinha

·         Ostras

·         Óleo de fígado de bacalhau

NOTA: Alguns medicamentos e as bebidas alcoólicas podem reduzir a absorção da vitamina D e, consequentemente, a sua disponibilidade no organismo.

Carência de Vitamina D

Parece que a prevalência de falta de Vitamina D está a aumentar. Este facto pode ser explicado, pelo aumento dos cuidados aquando da exposição solar (menos exposição ao sol e uso de protetores solares), pela diminuição da ingestão de alimentos ricos em vitamina D, como por exemplo a diminuição do consumo de peixe e a utilização de medicamentos que diminuem a disponibilidade da vitamina D.

 A deficiência em vitamina D pode originar fraqueza muscular, raquitismo (nas crianças), osteomalácia ou osteoporose.

O risco de carência de Vitamina D é maior nos indivíduos pouco expostos ao sol e que passam poucas horas ao ar livre, nas crianças, nos idosos, durante a gravidez (uma vez que as necessidades de vitamina D estão aumentadas) e durante a menopausa (fase em que um correto aporte de vitamina D e cálcio é vital, uma vez que a descalcificação óssea aumenta, como consequência da diminuição da produção de estrogénio).

Saiba mais em: https://amesacomcatarinaoliveira.wordpress.com/

Autor: 
Catarina Soares de Oliveira - Nutricionista
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock