Estudos

Estudo do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho:
Duas em cada dez portuguesas contraem vaginose bacteriana, uma doença que, se ocorrer na gravidez, pode mesmo levar a um aborto ou parto prematuro.
Estudo publicado na revista Science Translational Medicine
Uma terapia experimental que altera geneticamente as células imunes de um paciente para destruir as células cancerígenas teve sucesso em adultos com um tipo raro de leucemia, indica um estudo publicado na revista Science Translational Medicine.
Estudo conclui:
As mulheres portuguesas preocupam-se cada vez mais com o envelhecimento, a saúde e o bem-estar. Uma grande parte tem cuidados com a alimentação e revela praticar regularmente exercício físico.
Estudo do IPO Porto revela:
Cerca de 31,5% das doentes operadas ao cancro da mama sofrem de dor neuropática. Esta é a principal conclusão dos resultados preliminares de um estudo prospectivo realizado no Instituto Português de Oncologia do Porto.
Estudo publicado na Lancet
Estudo publicado na Lancet dá pistas para novos tratamentos dos sintomas da anorexia através da colocação de eléctrodos no cérebro.
Resultados de estudo:
Um simples exame ao hálito poderá diagnosticar cancro do estômago e detectar a doença em fases iniciais, permitindo salvar mais vidas, revelou um estudo de cientistas israelitas e chineses.
Estudo francês mostra:
Um estudo francês mostrou que 14 doentes com VIH se mantiveram saudáveis anos depois de pararem os tratamentos, o que aponta para a possibilidade de a intervenção médica precoce funcionar como uma "cura funcional" para a sida.
Universidade de Coimbra estuda:
A Universidade de Coimbra anunciou que um grupo de investigadores prevê apresentar em Outubro um sistema legal menos agressivo, mais eficaz e mais favorável à redução do erro médico.
Vírus alterado geneticamente
Doentes de cancro de fígado em fase terminal tiveram um prolongamento médio de vida entre os seis e os 14 meses quando receberam um vírus alterado geneticamente.
Em neurónios granulares:
Estudo mostra que é possível reverter danos em neurónios granulares associados à doença de Alzheimer.

Páginas