Conheça algumas

Doenças raras em Gastrenterologia

Atualizado: 
28/02/2020 - 17:07
A Gastrenterologia é uma especialidade médica que se dedica ao estudo do aparelho digestivo, o que engloba o tubo digestivo e os órgãos acessórios ao processo digestivo: o fígado, o pâncreas, a vesícula e vias biliares. Milhões de portugueses sofrem ou sofreram de doenças como o cancro digestivo, a infeção por Helicobacter pylori, síndrome do intestino irritável, hepatites, doença hemorroidária, doença inflamatória do intestino ou simplesmente de gastrenterites agudas. No entanto, para além destas doenças sobejamente conhecidas e com elevada incidência, existem outras, felizmente menos frequentes e algumas pouco conhecidas.

Entre estas contamos:

Doenças do esófago como a acalásia ou a esofagite eosinofílica:

Em ambas as doenças as queixas passam por dificuldade na deglutição o que pode levar a perda de peso e desnutrição.

A esofagite eosinofílica é uma alergia do esófago a alguns alimentos pelo que também é conhecida como “asma do esófago” e é diagnosticada por biopsias que se fazem durante a endoscopia digestiva. Existem medicamentos que reduzem a sensibilidade e melhoram os sintomas desta doença crónica.

A acalásia consiste na dificuldade do esfincter esofágico inferior (o músculo do esófago que contribui para evitar o refluxo gastro-esofágico) em relaxar quando se deglute e é diagnosticada com um exame: a manometria. O tratamento baseia-se em reduzir a força desse esfincter através de uma dilatação com um balão ou de um corte no músculo (miotomia) que pode ser realizado pelo gastrenterologista ou pelo cirurgião (via endoscópica ou cirúrgica). Em casos selecionados pode-se fazer injeção de toxina botulínica (botox).

Doenças gástricas como a doença de Menétrier ou o Síndrome de Zollinger Ellison:

A doença de Menétrier é caracterizada por um crescimento anormal das pregas gástricas sendo também conhecida como gastrite hipertrófica. Manifesta-se por dor, vómitos e perda de proteínas o que leva ao desenvolvimento de edema. Existe tratamento médico mas pode ser necessário uma cirurgia para remover o estômago.

O Síndrome de Zollinger Ellison consiste numa produção exagerada de ácido pelo estômago o que causa úlceras gástricas e duodenais de repetição, sendo o controlo médico possível mas desafiante.

Doenças intestinais como o Síndrome do Intestino Curto que ocorre após cirurgias em que se remove parte(s) do intestino delgado de tal forma que absorção de nutrientes fica comprometida. Angiectasias do Intestino de delgado que podem ser uma causa de anemia e são identificadas com videocápsula que é ingerida pelo doente e filma o interior do intestino

Doenças do pancrêas como a pancreatite auto-imune e os tumores neuroendócrinos:

A pancreatite auto-imune é uma doença recente que tem vindo a ser diagnosticada com cada vez mais frequência. Trata-se de um ataque do sistema imune ao próprio pâncreas habitualmente com envolvimento da imunoglobulina IgG4. O tratamento é médico.

O pâncreas para além de ser um orgão alvo de um dos cancros mais letais atualmente, o adenocarcinoma pancreático, é também alvo dos chamados tumores neuroendócrinos. Estas neoplasias englobam um grupo de tumores com prognóstico variável e que partilham uma particularidade – a produção de hormonas.

Doenças hepáticas como o Síndrome de Alagille, Doença de Wilson, Hemocromatose, porfirias ou entidades mais frequentes como a hepatite auto-imune ou a colangite biliar primária. Para além destas, vale também a pena referir as hepatites virais, nomeadamente a hepatite D que é uma infeção crónica que afeta algumas pessoas com infeção pelo virus da hepatite B.

Existem ainda outras doenças, como a doença de Behçet, sarcoidose, amiloidose ou a imunodeficiência comum variável, que afetam vários órgãos e entre eles contam-se também alguns do sistema digestivo.

São estas algumas das doenças do foro gastrenterológico que pela sua incidência são consideradas como raras ou incomuns, mas não deixam por isso de ser uma preocupação para todos nós que lidamos com pessoas que delas sofrem.

Autor: 
Dr. Alexandre Ferreira - membro da direção da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay