Infecção fúngica

Caspa

A caspa é provavelmente um dos problemas dermatológicos mais antigos que afecta as pessoas e o mais provável é que tenha sido sempre olhado como uma situação bastante embaraçosa.

O que é a caspa?

A caspa é um estado de descamação do couro cabeludo que ocorre como consequência de uma reprodução anormalmente acelerada das células do couro cabeludo. Pode ser seca ou oleosa, dependendo do tipo de pele do couro cabeludo. Ou seja, pode surgir como uma fina descamação, que facilmente cai sobre os ombros, até à formação de grandes crostas no couro cabeludo e tendem a permanecer coladas à cabeça, em forma de placas.

Porque aparece a caspa?

Apesar de muitas vezes se relacionar este problema com questões higiénicas, a caspa é na verdade uma situação médica provocada por uma sobre-abundância de um organismo (fungo) que existe normalmente no couro cabeludo – mesmo no couro cabeludo das pessoas que não sofrem de caspa. É portanto, uma manifestação da existência desse fungo – o Pityrosporum ovale.

Assim, a caspa ocorre quando esse fungo inofensivo (que vive na nossa pele) se multiplica no couro cabeludo, causando uma irritação que acelera a renovação celular nesta região. Isto é, perturbado o couro cabeludo produz demasiadas células que não têm tempo suficiente para receber os nutrientes essenciais, perdem coesão e desprendem-se, à superfície. Trata-se de um processo crónico, ou seja, não tem cura e, habitualmente, ocorre em surtos recorrentes.

Apesar do carácter crónico deste problema existem períodos de melhoria relacionados com a evicção de alguns factores que pioram esta condição, como sejam a ingestão de alimentos ricos em gordura e bebidas alcoólicas. Também a fadiga, o stress, as alterações hormonais, a poluição e lavar o cabelo com água muito quente favorecem o aparecimento da caspa.

Em consequência, para além do incómodo evidente da proliferação de escamas brancas, a caspa enfraquece os fios do cabelo, podendo acelerar o seu ciclo de vida vs queda.

Contudo, o aparecimento de caspa pode ser reduzido através de um cuidado adequado do cabelo. Algumas pessoas, inadequadamente, evitam lavar o cabelo, acreditando que o efeito de secagem dos champôs poderá exacerbar o problema. No entanto, se lavar regularmente o cabelo, a caspa é efectivamente removida antes de formar escamas maiores e mais visíveis. Infelizmente, um dos aspectos embaraçosos da caspa é que, mesmo que o cabelo seja lavado cuidadosamente com um champô normal, não desaparece completamente e, logo ao fim de alguns dias, reaparece.

Não existe, portanto, medicação que acabe definitivamente com a caspa mas os sintomas podem ser controlados. O tratamento geralmente é feito com terapêutica de uso local na forma de sabonetes, champô ou loções capilares. A administração oral de anti fúngicos deve ser feita apenas por um especialista.

Uma série de substâncias cosméticas, como o piritionato de zinco, demonstrou eficácia na eliminação (ainda que temporária) do fungo causador da caspa, tendo por isso passado a fazer parte dos champôs anti-caspa específicos.

Conselhos para evitar a caspa

- Use um champô anti caspa, alternando com uma fórmula neutra de uso diário. Procure os seguintes ingredientes: sulfureto de selénio, piridintionato de zinco, cetaconazol (antifúngicos) e ácido salicílico (remove a pele morta);
- Ensaboe duas vezes. A primeira aplicação, remove as escamas soltas e a gordura. A segunda (deixe actuar uns minutos) é a que penetra nas células e trata;
- Não passe muitos dias sem lavar o cabelo: a sujidade contribui para a descamação do couro cabeludo. Se necessário, lave diariamente;
- Consulte um dermatologista para administração de uma terapêutica personalizada: para além do tratamento tópico (champô, pomada...), pode incluir a prescrição de anti fúngicos orais.

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock