Causada pelo papilomavírus humano

Verruga Viral

As verrugas são pequenos tumores cutâneos causados por qualquer dos 60 tipos de papilomavírus humano.

As verrugas virais são causadas pelo papiloma vírus humano (HPV) e podem aparecer em qualquer idade, sendo mais frequentes nas crianças e menos nas pessoas de idade. Podem disseminar-se pela pele, através do contacto das lesões com áreas não atingidas e transmitidas pelo contacto directo com pessoas contaminadas.

A maior parte das verrugas são inócuas, uma vez que os tipos mais frequentes não degeneram em cancro. Por isso, é frequente as verrugas desaparecerem sem tratamento. Existem contudo outros tantos tipos que infectam e podem tornar-se cancerosos.

O tamanho e a forma da verruga dependem do tipo de vírus que esteja na sua origem (existem cerca de 60 tipos de vírus do papilomavírus humano) e da sua localização no corpo. Por essa razão umas verrugas são dolorosas e causam dor, outras crescem em grupo, outras ainda surgem como formações isoladas e únicas. Há ainda as verrugas que desaparecem e voltam a aparecer uns tempos depois.

Sintomas
As verrugas virais podem apresentar-se de várias formas, de acordo com a sua localização e formato.
 
Verruga vulgar: localizadas na superfície normal da pele. As lesões são elevadas, endurecidas, de superfície áspera e coloração esbranquiçada. Algumas apresentam um pontilhado escuro. Isoladas ou em grupo, podem variar de diametro, de milímetros a centímetros. As áreas mais atingidas são as extremidades dos membros, muito frequentemente as mãos, cotovelos e joelhos. Mais facilmente encontradas em crianças e adolescentes.

Verruga peri-ungueal: são as verrugas vulgares que se localizam ao redor das unhas. Devido ao facto de se estenderem para dentro da prega ungueal, este tipo de verruga pode ser de tratamento mais difícil.

Verruga plana juvenil: as lesões são pequenas, de superfície plana e em grande número. As regiões mais atingidas são a face e os membros. Mais frequentes em adolescentes.

Verruga plantar: localizadas nas plantas dos pés. Estas lesões crescem para dentro da pele, devido ao peso do corpo impedir o seu crescimento para fora. São, muitas vezes, confundidas com calosidades, porém, quando raspadas, as lesões mostram uma superfície irregular e pontos escuros no seu interior, o que as diferencia dos calos. As maiores costumam ser dolorosas ao pisar.

Verruga filiforme: mais frequente na face e no pescoço. Este tipo de verruga forma lesão digitiforme (semelhante a um dedo) que se projecta da superfície da pele. É mais facilmente encontrada nas pessoas idosas.

Verruga genital ou condiloma acuminado: este tipo de verruga é encontrado na região genital ou peri-anal. As lesões são mais macias e, quando localizadas nas mucosas, podem ser húmidas. A coloração varia de esbranquiçada a escura e o tamanho varia de pequeninos pontos a grandes lesões vegetantes (aspecto de couve-flor). Mais comum em adultos pode ser adquirida por transmissão sexual. Detectar verrugas genitais em crianças deve levantar a suspeita de abuso sexual.

Tratamento
O tratamento das verrugas depende da localização, do tipo e da gravidade, bem como do tempo de permanência sobre a pele.

Em geral, as verrugas vulgares desaparecem sem tratamento em menos de 2 anos. As aplicações diárias de uma solução ou de um emplastro que contenha ácido salicílico e ácido láctico amaciam a pele infectada, que se pode raspar suavemente para fazer com que a verruga desapareça mais rapidamente.

O médico pode fazer um tratamento com congelação da verruga utilizando azoto líquido, mas é possível que tenha de repetir o processo ao fim de 2 ou 3 semanas para a eliminação completa.

A electrocoagulação (um tratamento que usa a corrente eléctrica) ou a cirurgia por laser podem destruir a verruga, mas ambos os procedimentos podem deixar cicatrizes. Independentemente do método utilizado no tratamento, a verruga reaparece aproximadamente num terço dos casos.

O médico também pode tratar as verrugas vulgares com produtos químicos como o ácido tricloroacético ou a cantaridina, que destroem a verruga. No entanto, costumam surgir novas verrugas à volta do bordo das anteriores.

As verrugas plantares costumam macerar-se com ácido salicílico mais concentrado, aplicado sob a forma de solução ou de emplastro. Este processo químico deve ser acompanhado do corte da verruga com um bisturi, da sua congelação ou da aplicação de outros ácidos sobre a sua superfície. Os médicos podem utilizar técnicas adicionais, tal como a injecção de determinadas substâncias químicas na verruga para a destruir. Em qualquer caso, as verrugas plantares são difíceis de curar.

As verrugas planas costumam ser tratadas com agentes descamantes, como o ácido retinóico ou o ácido salicílico, que fazem com que a verruga se solte juntamente com a pele descamada.

Fonte: 
dermatologia.net
Manual Merck
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

Resumo das Características do Medicamento: 1. NOME DO MEDICAMENTO Beacita 60 mg cápsulas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula contém 60 mg de orlistato. 3. FORMA FARMACÊUTICA Cápsula. 4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS 4.1 INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS Beacita é indicado para perda de peso em adultos com excesso de peso (índice de massa corporal, IMC, ≥28 Kg/m2) e deve ser tomado em associação a uma dieta moderadamente hipocalórica e de baixo teor em gorduras. 4.2 POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO Adultos: A dose recomendada de Beacita é uma cápsula de 60 mg três vezes ao dia. Não devem ser tomadas mais do que três cápsulas de 60 mg em 24 horas. O tratamento não deve exceder 6 meses. Caso os doentes não consigam perder peso após 12 semanas de tratamento com Beacita, devem consultar o seu médico ou um farmacêutico. Pode ser necessário descontinuar o tratamento. A dieta e o exercício são partes importantes dum programa para perder peso. Recomenda-se que se inicie uma dieta e um programa de exercício antes de iniciar o tratamento com Beacita. Enquanto estiver a tomar Beacita, o doente deve fazer uma dieta equilibrada do ponto de vista nutricional, moderadamente hipocalórica e em que as gorduras contribuam aproximadamente em 30% para o valor calórico total (por exemplo, numa dieta de 2000 kcal/dia, isto equivale a <67 g de gordura). A ingestão diária de gorduras, de hidratos de carbono e de proteínas deve ser distribuída pelas três refeições principais. A dieta e o programa de exercício devem continuar a ser seguidos após interrupção do tratamento com Beacita. Populações especiais. População pediátrica: Beacita não deve ser utilizado em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos devido a insuficiente informação sobre segurança e eficácia. Idosos (> 65 anos de idade): existem dados limitados sobre o uso do orlistato em idosos. No entanto, como o orlistato é minimamente absorvido, não é necessário ajustar a dose para idosos. Disfunção hepática e renal: não foram estudados os efeitos do orlistato em doentes com insuficiência hepática e/ou renal. Contudo, como o orlistato é absorvido em frações mínimas, não é necessário ajustar a dose nos doentes com compromisso hepático e/ou renal. Modo de administração: a cápsula deve ser tomada com água imediatamente antes, durante ou até 1 hora após cada refeição principal. Se for omitida uma refeição ou se esta não contiver gordura, a dose de Beacita deve ser omitida. 4.3 CONTRAINDICAÇÕES Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes, tratamento concomitante com ciclosporina, síndrome de mal absorção crónica, colestase, gravidez, amamentação, tratamento concomitante com varfarina ou outros anticoagulantes orais. 4.8 EFEITOS INDESEJÁVEIS As reações adversas ao orlistato são essencialmente de natureza gastrointestinal e relacionadas com o efeito farmacológico do fármaco na prevenção da absorção da gordura ingerida. Infeções e infestações: Muito frequentes: Influenza, Doenças do sangue e do sistema linfático: Frequência desconhecida: Diminuição do valor da protrombina e aumento de INR, Doenças do sistema imunitário, Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo, anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do sistema imunitário: Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do metabolismo e da nutrição: Muito frequentes: Hipoglicémia, Perturbações do foro psiquiátrico, Frequentes: ansiedade, Doenças do sistema nervoso, Muito frequentes: cefaleias, Doenças respiratórias, toráxicas e do mediastino, Muito frequentes: Infeção respiratória superior, Frequentes, Infeção respiratória inferior, Doenças gastrointestinais, Muito frequentes, Eliminação de manchas oleosas pelo reto, Gases com descarga, Sensação de urgência em defecar, Fezes gordurosas/oleosas, Evacuação oleosa, Flatulência, Fezes moles; Frequentes: Dor abdominal, Incontinência fecal, Fezes líquidas, Aumento da defecação, Distensão abdominal, Afeção nos dentes, Afeção nas gengivas, Frequência desconhecida: Diverticulite, Pancreatite, Hemorragia retal ligeira; Afeções hepatobiliares: Frequência desconhecida: Hepatite que se pode tornar grave, Colelitíase, Aumento das transaminases e da fosfatase alcalina; Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Frequência desconhecida: Erupções vesiculares; Doenças renais e urinárias: Frequência desconhecida: Nefropatia por oxalato; Perturbações gerais e alterações no local de administração: Frequentes: Fadiga. 5. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Actavis Group PTC ehf., Reykjavikurvegur 76-78, IS-220, Hafnarfjordur, Islândia. 6. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474143, blister de 60 unidades. Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474150, blister de 84 unidades. 7. DATA DA REVISÃO DO TEXTO 29 de outubro de 2012. Para mais informações deverá consultar o titular de autorização no mercado. Medicamento Não Sujeito a Receita Médica.