Saúde capilar

As causas para a queda do cabelo

São inúmeras as causas para a queda do cabelo. Seja o stress, uma dieta desequilibrada ou as alterações hormonais as responsáveis por esta perda, a verdade é que, não há ninguém que lhe fique indiferente. Ter um cabelo bonito e saudável continua a ser um factor importante para a nossa auto-estima. Existe, no entanto, uma queda acentuada de cabelo que parece ocorrer na sequência de alterações climáticas.

Sabia que 70% da população se queixa de queda de cabelo durante os meses do Outono?

E se pensa que a queda de cabelo é um problema exclusivo dos homens, desengane-se! Cerca de 40% das mulheres sofrem de algum tipo de queda, que carece de tratamento, pelo menos uma vez, ao longo de toda a sua vida…

Diariamente perdemos cerca de 100 fios de cabelo. Seja durante a escovagem ou o durante o banho, este é um facto pouco alarmante. No entanto, quando se nota um volume anormal de cabelos caídos, o ideal é procurar ajuda profissional para tentar encontrar a causa e, se caso disso, o tratamento indicado.

O ciclo de vida de um cabelo é dividido em três fases: anagénica, catagénica e telogénica.

A primeira fase corresponde ao crescimento ativo e dura, em média, e dependendo de indivíduo para individuo, entre três a quatro anos. Por mês, o cabelo cresce por volta de 1,2 centímetros.

A fase catagénica, considerada uma fase de descanso, tem a duração de duas a três semanas, parando o cabelo de crescer.

A última etapa na vida de um cabelo acontece quando o fio está velho e fraco. Esta fase tem a duração de três meses e resulta na queda do cabelo e no crescimento de outro em seu lugar.

Durante a sua vida, o folículo é capaz de reproduzir cerca de 20 ciclos.

Todo este processo pode, no entanto, sofrer alterações devido ao stress, a alterações hormonais ou alimentares, entre outras.

Para o organismo a única função do cabelo é proteger o couro cabeludo, por isso, numa situação em que seja necessário poupar nutrientes ou energia – como acontece em caso de doença – os cabelos acabam em segundo plano, por exemplo.

Descoberta a causa para a queda do cabelo, o tratamento é quase certeiro.

Já no caso da alopécia – nome oficial da calvíce – que se manifesta quando o bulbo capilar sofre uma atrofia, o transplante é a única alternativa.

A perda irreparável dos cabelos é mais comum entre os homens, porque as hormonas masculinas enfraquecem os cabelos e provocam uma queda acentuada.

No entanto, atenção mulheres, porque mesmo sendo mais raros os casos de alopécia, eles também acontecem no feminino.

Conheça algumas causas para a queda de cabelo:

1. Dietas rígidas
Quando se segue uma dieta deficiente em vitaminas (sobretudo as do complexo B ou A e C), hidratos de carbono, proteínas ou minerais (como o zinco ou o ferro) há uma quebra acentuada de cabelo.

Para o cabelo nascer, o folículo precisa de uma grande quantidade de minerais, principalmente ferro.

Em dietas rígidas, a falta de nutrientes pode causar enfraquecimento dos fios e até mesmo a sua queda;

2. Alteração hormonal
Qualquer deficiência hormonal pode resultar na queda de cabelo. Problemas nas glândulas endócrinas, como a tiróide, a supra-renal e hipófise, desregulam o organismo e, muitas vezes, impede a chegada dos nutrientes à fibra capilar;

3. Stress
O stress faz com que o corpo gaste mais energia do que é habitual, o que pode afetar a produção de cabelo, uma vez que os nutrientes necessários estão a ser consumidos para produzir energia.

Além disso, o stress faz com que o organismo produza mais cortisol, desacelerando a divisão celular na raiz;

4. Falta de vitaminas do complexo B
As vitaminas do complexo B são as principais responsáveis por um cabelo saudável. Podem-se encontrar em alimentos como a carne, ovos, leite e vegetais de folhas verde-escuras.

Estas vitaminas são importantes para o funcionamento correto do metabolismo celular, responsável pela divisão das células e, deste modo, pelo crescimento do cabelo;

5. Hereditariedade
Os homens são os mais atingidos pela chamada alopécia androgenética, a calvíce, ligada a fatores hereditários.

O risco dessa herança genética passar de pai para filho é de cerca de 15 por cento.

Essa calvíce é identificada quando há falhas nas laterais da testa – as chamadas “entradas” – e na parte superior da cabeça;

6. Alguns medicamentos
Anti-hipertensivos, antibióticos e anabolizantes fragilizam o cabelo. Mas são os anti-depressivos os mais agressivos para a saúde capilar.

Eles atuam diretamente no sistema nervoso e na divisão celular, facto que leva à quebra do ciclo normal de vida do cabelo, tornando-o mais sensível e predisposto à queda;

7. Pós-parto
Durante o pós-parto as hormonas estão em fase de “reajustamento”, uma vez que, durante a gravidez, a mulher tem uma grande quantidade de estrogénio e progesterona que estimulam o crescimento dos fios.

Assim que o nível hormonal volta ao normal, e as hormonas masculinas voltam a existir em maior quantidade, torna-se evidente a queda de cabelo;

8. Envelhecimento
Com o avançar da idade surge também, inevitavelmente, a tão temida queda de cabelo.

Na verdade, a partir dos 50 anos, o couro cabeludo fica menos espesso. Os cabelos tornam-se mais fino e acabam por cair.

Ana Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock