Saúde capilar

As causas para a queda do cabelo

São inúmeras as causas para a queda do cabelo. Seja o stress, uma dieta desequilibrada ou as alterações hormonais as responsáveis por esta perda, a verdade é que, não há ninguém que lhe fique indiferente. Ter um cabelo bonito e saudável continua a ser um factor importante para a nossa auto-estima. Existe, no entanto, uma queda acentuada de cabelo que parece ocorrer na sequência de alterações climáticas.

Sabia que 70% da população se queixa de queda de cabelo durante os meses do Outono?

E se pensa que a queda de cabelo é um problema exclusivo dos homens, desengane-se! Cerca de 40% das mulheres sofrem de algum tipo de queda, que carece de tratamento, pelo menos uma vez, ao longo de toda a sua vida…

Diariamente perdemos cerca de 100 fios de cabelo. Seja durante a escovagem ou o durante o banho, este é um facto pouco alarmante. No entanto, quando se nota um volume anormal de cabelos caídos, o ideal é procurar ajuda profissional para tentar encontrar a causa e, se caso disso, o tratamento indicado.

O ciclo de vida de um cabelo é dividido em três fases: anagénica, catagénica e telogénica.

A primeira fase corresponde ao crescimento ativo e dura, em média, e dependendo de indivíduo para individuo, entre três a quatro anos. Por mês, o cabelo cresce por volta de 1,2 centímetros.

A fase catagénica, considerada uma fase de descanso, tem a duração de duas a três semanas, parando o cabelo de crescer.

A última etapa na vida de um cabelo acontece quando o fio está velho e fraco. Esta fase tem a duração de três meses e resulta na queda do cabelo e no crescimento de outro em seu lugar.

Durante a sua vida, o folículo é capaz de reproduzir cerca de 20 ciclos.

Todo este processo pode, no entanto, sofrer alterações devido ao stress, a alterações hormonais ou alimentares, entre outras.

Para o organismo a única função do cabelo é proteger o couro cabeludo, por isso, numa situação em que seja necessário poupar nutrientes ou energia – como acontece em caso de doença – os cabelos acabam em segundo plano, por exemplo.

Descoberta a causa para a queda do cabelo, o tratamento é quase certeiro.

Já no caso da alopécia – nome oficial da calvíce – que se manifesta quando o bulbo capilar sofre uma atrofia, o transplante é a única alternativa.

A perda irreparável dos cabelos é mais comum entre os homens, porque as hormonas masculinas enfraquecem os cabelos e provocam uma queda acentuada.

No entanto, atenção mulheres, porque mesmo sendo mais raros os casos de alopécia, eles também acontecem no feminino.

Conheça algumas causas para a queda de cabelo:

1. Dietas rígidas
Quando se segue uma dieta deficiente em vitaminas (sobretudo as do complexo B ou A e C), hidratos de carbono, proteínas ou minerais (como o zinco ou o ferro) há uma quebra acentuada de cabelo.

Para o cabelo nascer, o folículo precisa de uma grande quantidade de minerais, principalmente ferro.

Em dietas rígidas, a falta de nutrientes pode causar enfraquecimento dos fios e até mesmo a sua queda;

2. Alteração hormonal
Qualquer deficiência hormonal pode resultar na queda de cabelo. Problemas nas glândulas endócrinas, como a tiróide, a supra-renal e hipófise, desregulam o organismo e, muitas vezes, impede a chegada dos nutrientes à fibra capilar;

3. Stress
O stress faz com que o corpo gaste mais energia do que é habitual, o que pode afetar a produção de cabelo, uma vez que os nutrientes necessários estão a ser consumidos para produzir energia.

Além disso, o stress faz com que o organismo produza mais cortisol, desacelerando a divisão celular na raiz;

4. Falta de vitaminas do complexo B
As vitaminas do complexo B são as principais responsáveis por um cabelo saudável. Podem-se encontrar em alimentos como a carne, ovos, leite e vegetais de folhas verde-escuras.

Estas vitaminas são importantes para o funcionamento correto do metabolismo celular, responsável pela divisão das células e, deste modo, pelo crescimento do cabelo;

5. Hereditariedade
Os homens são os mais atingidos pela chamada alopécia androgenética, a calvíce, ligada a fatores hereditários.

O risco dessa herança genética passar de pai para filho é de cerca de 15 por cento.

Essa calvíce é identificada quando há falhas nas laterais da testa – as chamadas “entradas” – e na parte superior da cabeça;

6. Alguns medicamentos
Anti-hipertensivos, antibióticos e anabolizantes fragilizam o cabelo. Mas são os anti-depressivos os mais agressivos para a saúde capilar.

Eles atuam diretamente no sistema nervoso e na divisão celular, facto que leva à quebra do ciclo normal de vida do cabelo, tornando-o mais sensível e predisposto à queda;

7. Pós-parto
Durante o pós-parto as hormonas estão em fase de “reajustamento”, uma vez que, durante a gravidez, a mulher tem uma grande quantidade de estrogénio e progesterona que estimulam o crescimento dos fios.

Assim que o nível hormonal volta ao normal, e as hormonas masculinas voltam a existir em maior quantidade, torna-se evidente a queda de cabelo;

8. Envelhecimento
Com o avançar da idade surge também, inevitavelmente, a tão temida queda de cabelo.

Na verdade, a partir dos 50 anos, o couro cabeludo fica menos espesso. Os cabelos tornam-se mais fino e acabam por cair.

Ana Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED