Mitos e realidades

Violação

Este tipo de violência praticada contra as mulheres esclarecida em factos.

 

Mito
Não é possível que isto me tenha acontecido.

Realidade
Todas as mulheres são potenciais vítimas de violação, qualquer que seja a etnia, idade, classe social, religião, profissão, educação ou aspecto físico.

 

Mito
A maioria das violações resulta de um impulso súbito de um estranho, num qualquer beco.

Realidade
A violação ocorre muitas vezes na casa da vítima. O agressor pode ser um familiar, um amigo, um vizinho ou conhecido da vítima. A maior parte dos violadores actuam de forma repetida, na mesma área e do mesmo modo.

Mito
A violação é fundamentalmente um crime sexual.

Realidade
A violação é um crime, em que se viola a integridade física e psicológica da pessoa, pondo em causa o sentido de segurança e o controlo da própria vida.

Mito
As mulheres desejam secretamente ser violadas.

Realidade
As mulheres, assim como qualquer pessoa, não desejam ser vítimas de ataques violentos, muitas vezes brutais, aterrorizantes e humilhantes.

Mito
É fácil identificar um violador no meio da multidão.

Realidade
A maioria dos violadores tem uma aparência perfeitamente normal. Na generalidade, são casados e jovens, embora possam ser de qualquer idade. Podem pertencer a qualquer etnia ou classe socioeconómica.

Mito
A maior parte das violações são inter-raciais.

Realidade
A esmagadora maioria das violações (mais de nove em cada dez situações) envolve pessoas da mesma etnia.

Mito
A violação é um crime não violento.

Realidade
A violação é um crime violento. 87% dos violadores utilizam armas ou ameaçam a vítima de violência ou morte.

Mito
A violação acontece apenas a mulheres jovens.

Realidade
O leque de mulheres que são violadas vai desde os quatro meses de idade até aos noventa e dois anos. A violação é um acto de força, para o qual todas as mulheres devem estar preparadas.

Mito
As mulheres “estão a pedi-las”, pela forma como se vestem e pelas suas atitudes.

Realidade
A violação é da responsabilidade do violador e não da vítima.

Mito
Não é possível violar um adulto sem que este o permita.

Realidade
É possível violar uma pessoa adulta contra a vontade. O medo da morte, a ameaça de violência ou a força física podem levar à imobilização.

Mito
Não há maneira de uma pessoa se proteger contra a violção.

Realidade
É possível reduzir o risco de outro ataque, aumentando a consciência, a sensibilidade e a segurança das pessoas.

Fonte: 
DGS
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.