Infeções

Principais cuidados na gravidez

Atualizado: 
30/01/2017 - 16:25
Dependendo da fase de gravidez em que ocorrem, as infeções podem conduzir ao aborto, à morte fetal e dar origem a malformações congénitas. A rubéola, a varicela, as hepatites B e C, a pneumonia, a sífilis e a toxoplasmose são algumas das infeções que merecem particular atenção. Com a ajuda da especialista Margarida Amado Batista, mostramos como se pode proteger.

O efeito dos vírus e bactérias sobre a saúde da mulher e do seu bebé depende de vários fatores, sendo o diagnóstico precoce essencial para tentar evitar o desenvolvimento de complicações mais graves.

No entanto, a prevenção continua a ser a melhor arma contra as infeções, tendo sido estabelecido, pela Organização Mundial de Saúde, em 2010, um conjunto de medidas de modo a prevenir as infeções na gravidez.

Margarida Amado Batista, enfermeira especialista em Saúde Materna, e co-autora do manual “Enfermagem de Saúde Materna e Obstérica”, publicado pela editora LIDEL, releva os principais cuidados, desde o consumo ou manipulação de alimentos ao contato com adultos ou crianças doentes.

Tome nota:

Quando existe exposição a adultos com sintomas respiratórios ou similares a gripe, que tiveram ou têm febre, deve:

- Evitar a proximidade ou contacto intímo com os mesmos;

- Lavar as mãos frequentemente e, quando for possível, esfregar as mãos com álcool em gel depois de dar a mão a uma pessoa e antes de comer.

Quando existe contacto sexual com parceiro infetado deve:

- Fazer abstinência sexual (oral, vaginal ou anal);

- Usar sempre preservativo masculino de látex colocado corretamente;

- Evitar sexo oral recetivo com um parceiro portador de herpes oral e relações sexuais no terceiro trimestre se o parceiro for portador de herpes genital.

Exposição ou contacto com sangue:

- Considerar os riscos associados às tatuagens e à colocação de piercings;

- Não usar drogas injetáveis. Existe risco de infeção por seringas não esterilizadas ou compartilhadas;

- Não partilhar objetos pessoais que possam contaminar-se com sangue.

Quando contacta com crianças com sintomas respiratórios ou similares a gripe, erupção de pele ou se a criança tiver menos de três, deve:

- Lavar cuidadosamente as mãos com água corrente e sabão durante 15 a 20 segundos;

- Esfregar as mãos com álcool em gel depois de estar em contato com os fluídos corporais da criança, da troca de fraldas, do banho, de manipular roupa suja ou brinquedos;

- Evitar contacto íntimo ou próximo com a criança, bem como contacto com saliva da mesma, no momento da alimentação.

Em relação ao consumo, manipulação ou processamento de alimentos e água, deve:

- Evitar o consumo de carne crua ou mal cozida de borrego, porco, vaca ou frango;

- Ferver a água quando preparar comidas pré-preparadas;

- Verificar a validade e a higiene de produtos alimentícios perecíveis e de comidas preparadas;

- Não consumir produtos lácteos não pasteurizados;

- Consumir patês, carnes processadas e produtos defumados somente se estiverem enlatados ou em embalagens que garantam a sua estabilidade;

- Descascar ou lavar bem as frutas e vegetais crus para retirar a terra;

- Lavar as mãos, facas e tábuas de carne depois de manipular alimentos crus ou o líquido de suas embalagens;

- Evitar a ingestão de água não tratada.

Manipulação de terra e animais:

- Usar luvas quando fizer jardinagem ou trabalhar com terra;

- Durante a gravidez, se for possível, manter os gatos fora de casa e não os alimentar com carne crua;

- Evitar manipular a caixa sanitária dos gatos. Quando se for necessário usar luvas e lavar as mãos imediatamente depois;

- Trocar a areia da caixa sanitária do gato diariamente;

- Cobrir a caixa de areia das crianças quando não estiver em uso (os gatos podem utilizá-la para urinar e defecar).

Proteção contra insectos:

- Usar sempre mosquiteiros tratados com inseticidas nas áreas onde a malária é endémica.

Saiba mais sobre Infeções na Gravidez aqui

 

Autor: 
Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock