Saiba mais

Implante Contraceptivo

É um pequeno bastonete de plástico semi‐rígido, com quatro centímetros de comprimento e dois milímetros de diâmetro (com a dimensão de um pequeno fósforo).

Como actua?

O implante liberta diariamente uma pequena quantidade de hormona para a corrente sanguínea – progestagénio – que actua como contraceptivo de duas formas:

• impedindo a ovulação (não há a libertação do óvulo);

• tornando mais espesso o muco do colo do útero, o que dificulta a entrada dos espermatozóides no útero.

É um método contraceptivo muito seguro, sendo eficaz durante três anos, ao fim dos quais pode ser substituído por um novo, se a mulher assim o desejar.

Como e quando pode ser colocado?

‐ É aplicado sob anestesia local por baixo da pele, na face interna do braço. Colocar ou retirar o implante constituem procedimentos simples que se realizam em consulta.

‐ O implante deve ser colocado até ao 5º dia do ciclo menstrual, ficando a mulher desde logo protegida de uma gravidez não desejada. Se o implante for colocado em qualquer outro dia do ciclo é necessário utilizar outra forma de contracepção durante os 7 dias a seguir à colocação para que não haja risco de gravidez.

Quais as vantagens?

• É um método muito eficaz;

• A mulher não tem que pensar todos os dias em contracepção. Este facto torna‐o por si só um bom método para as mulheres que se esquecem com frequência de tomar a “pílula”;

• É um método “invisível”;

• Pode ser utilizado por mulheres que não podem ou não querem tomar estrogénios;

• Pode ser usado durante a amamentação: não tem efeitos sobre o recém-nascido, nem diminui a produção de leite materno;

• A mulher pode engravidar logo após retirar o implante.

Quais as desvantagens?
Os ciclos menstruais podem deixar de ser regulares. Algumas mulheres têm perdas de sangue irregulares entre as menstruações e outras deixam de menstruar. Muitas vezes com a continuação, os ciclos tornam‐se mais regulares e previsíveis.Se bem que possa parecer inicialmente estranho, é importante que a própria mulher se sinta tranquila e saiba que as alterações são normais para o método, não provocam risco de doença ginecológica ou infertilidade futura (não tornam mais difícil vir a engravidar um dia).

Quando se cessa a toma da pílula os ciclos retomam a sua normalidade.

O que interfere na sua eficácia?
Alguns medicamentos podem diminuir a eficácia deste método, como por exemplo, os fármacos utilizados no tratamento da epilepsia e da tuberculose. Quando se inicia uma nova terapêutica deve‐se dizer que se utiliza este contraceptivo e indagar se existe alguma possibilidade de que diminua a eficácia do método.

E não se esqueça ...
O implante contraceptivo não protege das infecções de transmissão sexual (ITS). Faz por isso todo o sentido utilizar o preservativo como forma de as prevenir... mesmo que se utilize um método de contracepção seguro. A prevenção das ITS é um comportamento saudável.

Fonte: 
DGS
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.