Especialista em comportamento animal

Como cuidar dos animais de estimação durante a quarentena

Atualizado: 
12/08/2020 - 08:14
É de extrema importância que se explique a todos os que têm animais em casa, também eles de quarentena, algumas dicas de forma a que esta convivência seja a mais adequada para ambos, tutores e animais. A verdade é que 54% dos lares portugueses possuem pelo menos um animal de estimação e, segundo Gonçalo da Graça Pereira, Veterinário Especialista Europeu em Comportamento Animal, há certos comportamentos que se forem adequados à situação que todos estamos a viver podem evitar problemas quando voltarmos à normalidade.
Homem careca com cão golden retriever

Dentro de casa

  • Importa manter as rotinas diárias, dentro do possível, para que quando tudo volte à normalidade não existam alterações no comportamento dos nossos animais. Principalmente se forem animais mais idosos, que se podem desorientar com uma maior facilidade com a alteração de rotina/hábitos, nestes casos manter a rotina torna-se ainda mais importante.
  • No caso dos cães, animais cuja sociedade se baseia nos vínculos com os outros, e como a nossa vida irá voltar à normalidade (esperemos que em breve!) é importante garantir que eles mantêm a independência que tinham antes. Por isso, é preciso que eles tenham momentos no seu dia-a-dia em que estejam sozinhos. Isto não significa pô-los à parte, significa que eles tenham uma zona da casa onde têm brinquedos, onde, por exemplo, escondemos biscoitos para procurarem. O objetivo é que eles se entretenham nesse espaço de uma forma positiva, mas sozinhos, tal como faziam quando os tutores estavam fora de casa a trabalhar.
  • Devemos fomentar todo o tipo de brincadeira e aqui as crianças podem ser uma ajuda. Todo o tipo de jogos e interações são bem aceites, sobretudo os de exploração e os que envolvem o olfato. Um exemplo de uma brincadeira muito simples é colocar dentro de uma caixa de ovos de cartão alguns pedaços de maçã de forma a que o cão tenha de roer a caixa para chegar ao prémio, a maçã.
  • No caso dos gatos, não há nada melhor do que uma caixa de cartão para os entreter.
  • Ainda no que diz respeito aos gatos nunca nos podemos esquecer de respeitar a sua natureza.
  • Isto significa, sobretudo quando há crianças em casa, que os gatos que estão habituados a estar sozinhos em casa, consigam manter este hábito. Assegure que cada gato tem um local que se possa isolar, se assim o entender, durante o dia.

Fora de casa 

  • Infelizmente, as regras do Estado de Emergência não se aplicam apenas às pessoas, mas também aos seus amigos de quatro patas. Neste sentido os passeios devem ser curtos, o que não quer dizer que tenham de ser aborrecidos.
  • Os cãos têm de andar sempre de trela e nunca soltos, e as trelas devem ter no mínimo 2 metros para que o cão possa ter alguma liberdade de movimento.
  • Para tornar estes passeios mais divertidos devemos deixá-los usar o olfato, um dos sentidos que os cães mais gostam de usar, tornando assim estes passeios que embora curtos, possam ser interativos, por isso é deixá-los cheirar.
  • Devemos evitar que se aproximem de outros cães e de pessoas, pois não sendo transmissível podem ser transportadores do vírus, temos de perceber que o pêlo é a roupa do cão e as patas os seus sapatos. Mais uma vez, o isolamento social não se aplica só às pessoas, mas também aos nossos animais. Ao contrário do que sempre se recomenda, infelizmente, nesta fase a distância social é para todos!
  • Para que os nossos amigos de quatro patas que tanto gostam de receber festas, consigam fazer os seus passeios sem aproximação a pessoas ou cães, o tutor deve tentar sempre que o cão só preste atenção ao seu tutor e, premiá-lo com um prémio, por exemplo, uma guloseima.
  • Se forem os primeiros passeios do cachorro, sendo a socialização deveras importante, deverá ser mantida e apresentando estímulos novos, mas mantida a distância de segurança e, para que haja uma associação positiva, premiá-lo com festas e biscoitos.

Tanto dentro como fora de casa, se existirem este tipo de cuidados, poderá significar evitar problemas futuros quando tudo voltar à normalidade.

No entanto, todos os tutores que tenham dúvidas ou precisem de ajuda para alguma situação específica, o ideal é que consultem um especialista em comportamento animal que permita antecipar potenciais doenças comportamentais.

Artigos relacionados

Animais de estimação

O cão, fonte de inspiração!

Os maiores mitos sobre o novo coronavírus

Fonte: 
Up Partner
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Up Partner