O maior órgão do corpo humano

A pele

Os cuidados com a pele vão para além de questões estéticas. É uma questão de saúde, ou não fosse a pele um órgão vital e também o maior e o mais pesado.
Pele

A pele é o maior e mais pesado órgão do corpo humano. Num adulto mede quase 2 m2 e pesa aproximadamente entre 4 e 9 Kg. A pele é um órgão vital e, sem ela, a sobrevivência seria impossível.

Ela envolve o corpo e determina o seu limite com o meio externo exercendo funções como a regulação térmica, a defesa orgânica, o controle do fluxo sanguíneo, a protecção contra diversos agentes do meio ambiente e funções sensoriais (calor, frio, pressão, dor e tacto).

Ou seja, actua como barreira protectora contra agentes do meio ambiente como bactérias ou vírus e tem ainda uma função excretora de substâncias que necessitam ser eliminadas pelo organismo.

É formada por três camadas: epiderme, derme e hipoderme, da mais externa para a mais profunda, respectivamente.

Epiderme
A epiderme, camada mais superficial, é composta por vários tipos de células, cada qual com a sua função. Os queratinócitos, as principais células da epiderme, estão em constante renovação, sendo as células exteriores mais “velhas”continuamente eliminadas, de forma imperceptível.

Nas camadas mais externas os queratinóticos transformam-se em cornéocitos (células quase mortas) e são embebidos num cimento lipídico, formando a chamada “camada córnea”. Esta camada é responsável pela protecção contra as agressões exteriores e pela impermeabilização da pele, mantendo a água na superfície da pele dando-lhe elasticidade e suavidade ao toque.

Nesta camada mais superficial encontram-se também os melanócitos, células responsáveis pelo pigmento que dá cor à pele (a melanina). Existem ainda células que têm como função a defesa imunológica e que são chamadas células de Langerhans, e outras com actividade neuro-sensorial (células de Merkel).

É também na epiderme que têm origem os anexos cutâneos: unhas, pêlos, glândulas sudoríparas e glândulas sebáceas. As unhas são estruturas ricas em queratina e actuam como protectoras das extremidades dos dedos das mãos e dos pés.

Os pêlos existem praticamente em todo o corpo, excepto nas palmas das mãos e plantas dos pés. No couro cabeludo, por exemplo, existem em média 100 a 150 mil cabelos, dos quais perdemos 70 a 100 por dia, sendo renovados ciclicamente. Este ciclo de renovação apresenta três fases: anágena (fase de crescimento) - dura cerca de dois a cinco anos, catágena (fase de interrupção do crescimento) - dura cerca de três semanas e telógena (fase de queda) - dura cerca de três a quatro meses.

As glândulas sudoríparas e as glândulas sebáceas são, respectivamente, responsáveis por regular a temperatura corporal (através da eliminação de substâncias que dão origem ao suor) e por produzir e excretar a oleosidade ou sebo na pele.

Derme
A derme, camada localizada entre a epiderme e a hipoderme, é responsável pela resistência e elasticidade da pele. É constituída por tecido conjuntivo (fibras colágenas e elásticas envoltas por substância fundamental), vasos sanguíneos e linfáticos, nervos e terminações nervosas que estabelecem a comunicação da pele com o restante organismo.

Os folículos pilossebáceos e glândulas sudoríparas, originadas na epiderme, também localizam-se na derme.

Hipoderme
A hipoderme, também chamada de tecido celular subcutâneo, é a porção mais profunda da pele. É composta por feixes de tecido conjuntivo que envolvem células gordurosas (adipócitos) e formam lobos de gordura.

A sua estrutura fornece protecção contra traumas físicos, além de ser um depósito de calorias.

Cuidados com a pele

Higiene da pele
A pele necessita de cuidados de higiene regular, ainda que não seja absolutamente necessário o banho completo diário, em particular nas pessoas de mais idade e de pele mais seca.

Na lavagem da pele devem ser utilizadas água tépida e os produtos de higiene devem ser suaves com pouco efeito detergente, de forma a não deteriorar a camada córnea mais externa da pele, responsável pelo equilíbrio em termos de hidratação da pele e das outras funções de defesa da pele.

Nas pessoas com pele mais seca, a aplicação de um creme hidratante logo após o banho, pode aumentar a fixação da água na pele e pode levar à pele um complemento de gordura que melhora a textura da pele.

Protecção solar
O sol é fonte de energia e de vida e tem efeitos benéficos sobre a saúde, sendo reconhecido o seu papel na síntese da vitamina D, podendo ainda afectar de forma positiva o humor, através de acção anti-depressiva.

No entanto, as preocupações em relação às consequências negativas da exposição solar surgiram quando o comportamento natural, de procurar a sombra nas horas de maior intensidade da radiação solar, foi substituído pela exposição, deliberada e excessiva, ao sol com o intuito de obter uma tonalidade bronzeada.

A consequência imediata foi o aumento do número de queimaduras solares, envelhecimento prematuro da pele e, sobretudo, o aumento marcado da incidência de vários tipos de cancro da pele.

É permitido desfrutar do sol mas de uma forma segura, sem colocar a saúde em risco. Para isso há que respeitar as regras básicas: evitar a exposição solar directa entre as 12 e as 16 horas e utilizar um protector solar adequado ao seu tipo de pele.

Fonte: 
Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

Resumo das Características do Medicamento: 1. NOME DO MEDICAMENTO Beacita 60 mg cápsulas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula contém 60 mg de orlistato. 3. FORMA FARMACÊUTICA Cápsula. 4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS 4.1 INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS Beacita é indicado para perda de peso em adultos com excesso de peso (índice de massa corporal, IMC, ≥28 Kg/m2) e deve ser tomado em associação a uma dieta moderadamente hipocalórica e de baixo teor em gorduras. 4.2 POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO Adultos: A dose recomendada de Beacita é uma cápsula de 60 mg três vezes ao dia. Não devem ser tomadas mais do que três cápsulas de 60 mg em 24 horas. O tratamento não deve exceder 6 meses. Caso os doentes não consigam perder peso após 12 semanas de tratamento com Beacita, devem consultar o seu médico ou um farmacêutico. Pode ser necessário descontinuar o tratamento. A dieta e o exercício são partes importantes dum programa para perder peso. Recomenda-se que se inicie uma dieta e um programa de exercício antes de iniciar o tratamento com Beacita. Enquanto estiver a tomar Beacita, o doente deve fazer uma dieta equilibrada do ponto de vista nutricional, moderadamente hipocalórica e em que as gorduras contribuam aproximadamente em 30% para o valor calórico total (por exemplo, numa dieta de 2000 kcal/dia, isto equivale a <67 g de gordura). A ingestão diária de gorduras, de hidratos de carbono e de proteínas deve ser distribuída pelas três refeições principais. A dieta e o programa de exercício devem continuar a ser seguidos após interrupção do tratamento com Beacita. Populações especiais. População pediátrica: Beacita não deve ser utilizado em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos devido a insuficiente informação sobre segurança e eficácia. Idosos (> 65 anos de idade): existem dados limitados sobre o uso do orlistato em idosos. No entanto, como o orlistato é minimamente absorvido, não é necessário ajustar a dose para idosos. Disfunção hepática e renal: não foram estudados os efeitos do orlistato em doentes com insuficiência hepática e/ou renal. Contudo, como o orlistato é absorvido em frações mínimas, não é necessário ajustar a dose nos doentes com compromisso hepático e/ou renal. Modo de administração: a cápsula deve ser tomada com água imediatamente antes, durante ou até 1 hora após cada refeição principal. Se for omitida uma refeição ou se esta não contiver gordura, a dose de Beacita deve ser omitida. 4.3 CONTRAINDICAÇÕES Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes, tratamento concomitante com ciclosporina, síndrome de mal absorção crónica, colestase, gravidez, amamentação, tratamento concomitante com varfarina ou outros anticoagulantes orais. 4.8 EFEITOS INDESEJÁVEIS As reações adversas ao orlistato são essencialmente de natureza gastrointestinal e relacionadas com o efeito farmacológico do fármaco na prevenção da absorção da gordura ingerida. Infeções e infestações: Muito frequentes: Influenza, Doenças do sangue e do sistema linfático: Frequência desconhecida: Diminuição do valor da protrombina e aumento de INR, Doenças do sistema imunitário, Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo, anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do sistema imunitário: Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do metabolismo e da nutrição: Muito frequentes: Hipoglicémia, Perturbações do foro psiquiátrico, Frequentes: ansiedade, Doenças do sistema nervoso, Muito frequentes: cefaleias, Doenças respiratórias, toráxicas e do mediastino, Muito frequentes: Infeção respiratória superior, Frequentes, Infeção respiratória inferior, Doenças gastrointestinais, Muito frequentes, Eliminação de manchas oleosas pelo reto, Gases com descarga, Sensação de urgência em defecar, Fezes gordurosas/oleosas, Evacuação oleosa, Flatulência, Fezes moles; Frequentes: Dor abdominal, Incontinência fecal, Fezes líquidas, Aumento da defecação, Distensão abdominal, Afeção nos dentes, Afeção nas gengivas, Frequência desconhecida: Diverticulite, Pancreatite, Hemorragia retal ligeira; Afeções hepatobiliares: Frequência desconhecida: Hepatite que se pode tornar grave, Colelitíase, Aumento das transaminases e da fosfatase alcalina; Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Frequência desconhecida: Erupções vesiculares; Doenças renais e urinárias: Frequência desconhecida: Nefropatia por oxalato; Perturbações gerais e alterações no local de administração: Frequentes: Fadiga. 5. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Actavis Group PTC ehf., Reykjavikurvegur 76-78, IS-220, Hafnarfjordur, Islândia. 6. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474143, blister de 60 unidades. Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474150, blister de 84 unidades. 7. DATA DA REVISÃO DO TEXTO 29 de outubro de 2012. Para mais informações deverá consultar o titular de autorização no mercado. Medicamento Não Sujeito a Receita Médica.