Dia Mundial da Esclerose Múltipla

Fadiga e défice motor entre os principais sintomas da Esclerose Múltipla

Considerada a principal causa de incapacidade de origem não traumática em adultos jovens, a Esclerose Múltipla afeta mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, atingindo sobretudo o sexo feminino. Em Portugal, estima-se que existam cerca de 8000 pessoas com a patologia.

A esclerose múltipla é referida como uma doença crónica, inflamatória desmielinizante e neurodegenerativa do sistema nervoso central, de causa desconhecida. Apesar de não serem conhecidos os fatores que iniciam o processo da doença, existe uma resposta imune aberrante que desempenha um papel fundamental na sua patogénese, tal como sucede noutras doenças autoimunes.

A esclerose múltipla é uma doença complexa, de origem multifatorial, existindo uma suscetibilidade genética para a doença, sendo igualmente inequívoco o papel de fatores ambientais entre os quais se salientam a deficiência de vitamina D / exposição solar e agentes infeciosos, nomeadamente o vírus Ebstein-Barr.

A esclerose múltipla é a principal causa de incapacidade de origem não traumática em adultos jovens, afetando mais do que 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, com predomínio do sexo feminino. Em Portugal, estima-se uma prevalência da doença superior a 50 por 100.000 habitantes.

O seu curso clínico varia bastante, refletindo a complexidade e heterogeneidade da sua fisiopatologia.

O quadro clínico pode incluir diferentes sintomas e sinais neurológicos, traduzindo a presença e distribuição de áreas de desmielinização no sistema nervoso central. Entre os sintomas mais frequentes podemos salientar a fadiga, alterações sensitivas, défices motores, alterações do equilíbrio e/ou da marcha, alterações visuais e alterações esfincterianas nomeadamente urinárias.

A depressão é frequente e podem instalar-se alterações cognitivas, tais como diminuição da capacidade de processar informação ou focar a atenção. O diagnóstico da doença continua a ser clínico, suportado por exames complementares nomeadamente a ressonância magnética, ainda que o exame do líquido cefalorraquidiano continue a ter o seu papel. É prática generalizada o recurso a critérios de diagnóstico definidos internacionalmente e regularmente atualizados.

A apresentação clínica habitual da esclerose múltipla é a forma surto-remissão, em que surgem episódios agudos de instalação de défices neurológicos, designados surtos, seguindo-se habitualmente recuperação desse défice em dias ou semanas, frequentemente completa. Quando a recuperação não é completa, poderá associar-se um acréscimo de incapacidade. A evolução da doença ao longo dos anos é também caracterizada por grande variabilidade de doente para doente, desde casos descritos como benignos com uma longa evolução da doença praticamente sem queixas ou défices, a outros que evoluem rapidamente para um grau elevado de incapacidade. Após um número de anos, também variável de doente para doente, a doença poderá assumir um curso de agravamento progressivo da incapacidade, não relacionado com a existência de surtos, os quais, entretanto, habitualmente, deixam de ocorrer; é a chamada forma secundária progressiva da esclerose múltipla. Em cerca de 15% dos casos, a doença segue um curso lentamente progressivo desde o início, sem surtos (ou são raros); é a chamada forma primária progressiva de esclerose múltipla.

São geralmente utilizadas escalas para o registo do grau de incapacidade, sendo a escala EDSS (“Expanded Disability Status Scale”) a mais frequentemente utilizada. Esta escala é pontuada de 0 a 10, sendo uma avaliação de incapacidade correspondente a um EDSS igual a 4 um indicador importante sobre a evolução da doença, por se considerar presentemente que o tempo desde o início da doença até se atingir um EDDS 4 corresponde ao período de grande variabilidade individual da progressão da doença. Uma vez atingido um grau de incapacidade correspondente a um EDSS 4, a evolução da doença e respetiva progressão de incapacidade passa a ser bastante uniforme entre os doentes. Na prática, esse período corresponde também à chamada janela terapêutica, isto é o período durante o qual as terapêuticas poderão influenciar a evolução da doença, se bem que quanto mais cedo se iniciar a terapêutica, melhor.

A terapêutica na esclerose múltipla incide fundamentalmente em dois aspetos: tratamento sintomático e tratamento modificador da evolução da doença. São exemplos da primeira categoria os fármacos para a espasticidade, fadiga e alterações urinárias, entre outros. Quanto à segunda categoria, para além dos benefícios duma dieta saudável, prática regular de exercício físico e abstinência tabágica, existe já uma experiência substancial com alguns fármacos injetáveis, os interferons (interferão ß-1a intramuscular e subcutâneo, interferon ß-1b) e o acetato de glatirâmero, a que se juntaram recentemente os chamados fármacos orais (fumarato de dimetilo e teriflunomida) com indicação de primeira linha para o tratamento da forma surto-remissão.

A chamada terapêutica de segunda linha está indicada para o agravamento da doença e/ou caso mais graves e inclui o natalizumab, fingolimod e alemtuzumab. Outros fármacos foram recentemente aprovados tais como a claridibina e o ocrelizumab, este último, inclusive, para utilização na forma primária progressiva. O benefício de todos estes fármacos reflete-se sobretudo na diminuição no número de surtos e de novas lesões na ressonância magnética e numa diminuição de progressão da incapacidade, especialmente quando iniciados precocemente na evolução da doença. Além disso, é importante reconhecer precocemente perfis evolutivos menos favoráveis e/ou casos de insucesso com as terapêuticas de primeira linha, visando um escalonamento terapêutico com fármacos de segunda linha, deste modo adequando as medidas terapêuticas da forma mais eficiente possível à situação clínica do doente individual.

Finalmente, deverá existir uma comunicação efetiva entre o médico e o doente em todo este processo, de modo a que o doente esteja devidamente informado do estado do conhecimento sobre a doença e da sua situação, de forma a que possa participar devidamente informado nas decisões clínicas relacionadas com a sua doença.

 

Dr. Mário Veloso - Neurologista Corclínica
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED