Saúde mental

A doença de Alzheimer: uma nova perspetiva

Com “A mentira da doença de Alzheimer” o médico alemão Michael Nehls, pretende alertar para o facto de não se estar a fazer a melhor abordagem à doença.

Michael Nehls, autor do livro “Die Alzheimer Lüge” (“A mentira da doença de Alzheimer”, original publicado em 2014 que tem agora uma edição de bolso mas ainda sem tradução em português), defende que há uma mentira associada à doença de Alzheimer: que a idade é o maior fator de risco. Segundo o autor, a doença está a ser tratada como uma fatalidade: já não se pergunta “se” vamos ter a doença de Alzheimer, mas apenas “quando”? Ora, como as sociedades mais ricas estão envelhecendo, iremos ter o que ele chama uma “pandemia apocalíptica”. É este “pesadelo” que, segundo Nehls, leva a indústria farmacêutica e muitos cientistas a serviram-se do lema “o medo vende-se bem” (fear sells) para atingir os seus fins, escreve o Observador.

Quais as consequências da mentira
Com a mentira sobre a doença de Alzheimer, continua Nehls, é criada uma dependência medicamentosa e ao mesmo tempo desperdiçada uma solução. É criada uma dependência indevida porque esta não é uma doença que se possa curar com medicamentos. É desperdiçada uma solução, porque a doença é condicionada pelo estilo de vida hodierno: dormimos pouco, movemo-nos pouco, alimentamo-nos de forma pouco saudável e vivemos numa sociedade onde falta “calor humano”. A nossa genética não está em condições de compensar estes défices induzidos pelo ambiente, segundo o autor.

Contrariamente ao que muita gente possa pensar, continua Nehls, está provado que as doenças não são causadas pela idade, sem mais. Em Okinawa, uma ilha no sul do Japão, foi estudado, durante 25 anos, o estilo de vida da população, porque parecia ter como alvo uma vida saudável. De facto, lá se encontraram pessoas saudáveis em idade avançada. Depois da segunda guerra mundial, com a influência da cultura dos Estados Unidos, apareceram as doenças da civilização, como a obesidade, por exemplo. Um outro estudo, independente de Okinawa, mostrou que 90% das pessoas com 100 anos de idade, chegaram aos 92 anos a viver sozinhas e de boa saúde.

Por tudo isto, Nehls critica o excessivo financiamento da ciência e da terapia clínica, em comparação com o apoio dado à prevenção, o que quer dizer, o esclarecimento das razões principais da doença.

Como prevenir?
Na generalidade, Nehls aconselha: ir de encontro ao “normal” para o ser humano em termos de espécie; e não aceitar como “normal”, o cultural que leva à doença de Alzheimer. E dá exemplos concretos de como prevenir a doença de Alzheimer.

Reduzir o stress “maligno”
A sobrecarga constante, a falta de tempo e stress crónico cria um stress “maligno” (“distress”, do grego). Se, pelo contrário, se toma tempo para trabalhar um problema, cria-se um stress positivo (“eustress” do grego), o qual reduz o risco da doença de Alzheimer. Com efeito, quase não há nada mais benéfico para o crescimento e desenvolvimento do cérebro do que a experiência do sucesso.

Sentido de vida
Com a idade vale: “use o cérebro ou perde-o” (use it or lose it). Quem, por exemplo, entrar na reforma e se empenhar socialmente, reduz o risco da doença de Alzheimer em mais de 40%. Um sentido para a vida (ou mesmo para o dia) tem efeitos biológicos positivos, como já se conseguiu medir. A curiosidade e a descoberta na internet, por exemplo, é também eficaz. Um estudo de 2012 mostrou que este uso da internet aumenta o tempo de saúde mental em 8,5 anos, em média. Também dançar (foi estudado) baixa o risco da doença de Alzheimer em 25%.

Alimentação saudável
Saudável é uma alimentação variada e de qualidade. O autor aconselha alguns alimentos em especial: óleo de coco (Cocos nucifera), muita fruta e legumes. Em contrapartida, recomenda a redução dos produtos lácteos. Tudo isto se mostrou benéfico, na redução do risco da doença de Alzheimer.

Movimento
50% do risco da doença de Alzheimer deve-se, na nossa sociedade, ao hábito de ver televisão várias horas por dia, sem que estas sejam compensadas por outras atividades de tempo livre. O movimento corporal importa, de facto, porque ativa a formação de novas células, nomeadamente no hipocampo, ajuda a maturação do cérebro e melhora a capacidade de aprendizagem.

O que é a doença de Alzheimer?
Sucintamente, a doença de Alzheimer (nome do cientista que descobriu a doença) significa que numa dada parte do cérebro, o hipocampo, se formam os tóxicos da doença de Alzheimer, que daí se disseminam pelo o cérebro e o destroem. O hipocampo, que tem, grosso modo, o tamanho de um polegar, é o lugar onde se formam as memórias, que são acompanhadas pela génese de novas células neuronais. Em poucos anos, o doente de Alzheimer fica confuso, desorientado e não consegue comunicar. No estádio final da doença, não reconhece mais as pessoas, mesmo as que lhe eram mais próximas, não se levanta da cama e pode ter dificuldades em engolir entre outros sintomas.

Quem é Michael Nehls?
Michael Nehls investigou em genética molecular durante mais de 15 anos. Publicou mais de 50 artigos científicos, alguns em colaboração com prémios Nobel, e é detentor de várias patentes. Na ‘Clínica Alemã para a Memória‘ (Deutsche Memoryklinik), trabalhou em projetos de prevenção da doença de Alzheimer. Foi diretor de pesquisa em universidades e empresas farmacêuticas na Alemanha e nos Estados Unidos. Desde 2007, trabalha como cientista e médico independente, tendo como finalidade, explicar a etiologia de doenças civilizacionais. Com este objetivo, tem realizado palestras para o grande público e em universidades,  publicado livros, entre os quais “Die Alzheimer Lüge”.

 

Fonte: 
Observador
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED