Investigação

Cigarros eletrónicos: Estudos não faltam, mas conclusões é que há poucas

Dez anos depois de se iniciarem as investigações científicas sobre os os cigarros eletrónicos, há alegações diferentes. Faz mal ou menos mal que o tabaco?

Já lá vão quatro anos desde que o uso de cigarros eletrónicos teve uma aumento exponencial em Portugal. Nesse ano de 2014, abriram mais de 200 lojas que vendiam os inaladores e os líquidos de vários sabores. Houve uma grande adesão a esta nova forma de fumar, ou melhor, vapear, até porque um frasco de líquido de 10ml, que equivalia a cinco maços de tabaco, custava cerca de €6. Os cigarros eletrónicos careciam, nessa altura, de regulamentação e legislação. Mais tarde, quando os impostos aumentaram e os líquidos passaram a ser vendidos em separado (um frasco tinha o líquido com sabor e outro a nicotina líquida para acrescentar), as dezenas de lojas começaram a evaporar-se. Passou a ser bem mais caro inalar e, aquilo que parecia uma moda na altura, foi, como quase todas elas, desvanecendo-se.

Hoje, são muito menos as lojas que vendem cigarros eletrónicos e os respetivos líquidos. Mas o que nunca foi bem esclarecido foram os reais efeitos de vaporizar. Faz menos mal que o cigarro convencional? Serve para deixar de fumar? É cancerígeno? Em 10 anos – o cigarro eletrónico com sucesso considerável foi inventado em 2007 , mas só em 2008 começaram a ser escrutinados – foram feitos dezenas de estudos com resultados diferentes e mesmo contraditórios.

Façamos uma viagem no tempo para esmiuçar algumas das investigações realizadas ao e-cigarro e ao líquido que contém várias substâncias, incluindo o propileno glicol e glicerina vegetal que estão em maior percentagem e que, juntos, originam a névoa/vapor e o heat (sensação) provocado pela passagem da inalação na garganta.

Explicação: são, ambos, compostos orgânicos. O propileno glicol é usado, por exemplo, em medicamentos, cosméticos, pasta de dentes ou na composição do “fumo” utilizado em discotecas e concertos; a glicerina é utilizada na indústria cosmética e alimentar.

2008

- A Organização Mundial de Saúde ordena que os promotores dos cigarros eletrónicos deixem de anunciar que “são uma forma segura para deixar de fumar” porque não há evidências que o comprovem.

- Um produtor de cigarros eletrónicos encomenda um estudo cujo resultado refere que vaporizar é menos cem a mil vezes perigoso do que fumar, ao mesmo tempo que afirma que, ao usar o seu dispositivo, a “nicotina, aparentemente, não é absorvida pelos pulmões, mas pelas vias aéreas superiores”.

2010

- A Food and Drug Administration (FDA) – a agência norte-americana responsável pela proteção e promoção da saúde pública através do controlo e supervisão da segurança alimentar, produtos de tabaco, vacinas ou medicamentos – desaconselha o uso destes aparelhos por conterem substâncias cancerígenas e diz que os sabores dos líquidos, como chocolate, baunilha ou pastilha elástica, são um fator chamativo para os adolescentes experimentarem.

- Os produtores replicam e dizem que os níveis de substâncias como o propileno glicol são semelhantes aos dos adesivos ou pastilhas para deixar de fumar aprovadas pela FDA.

- No fim do ano, algumas empresas online, como a Amazon e o Paypal, fazem algumas restrições à venda de cigarros eletrónicos.

2011                                                                                                                                            

- Uma pesquisa indica que os norte-americanos são os mais interessados em vaporizar. A Google esclarece que foi nos EUA que as palavras cigarros eletrónicos (e-cigar) foram mais pesquisadas.

- Um inquérito a cerca de 3 500 vapers conclui que os utilizadores usam os cigarros eletrónicos por acharem que fazem menos mal do que o tabaco, são mais baratos e os vão ajudar a largar o vício. A maior parte das pessoas diz recear que, ao deixar de vaporizar, retorne de novo aos cigarros convencionais.

2012

- O Centro de Controlo de Doenças americano anuncia que o uso de cigarros eletrónicos duplicou entre os adolescentes de 2011 para 2012 e receiam que este seja o tiro de partido para os miúdos começarem a fumar.

- Investigadores ingleses analisaram 16 marcas de e-cigarros e descobrem que as variações de nicotina por cada baforada vão dos 0,5 às 15,4 miligramas, enquanto uma baforada de um cigarro convencional está entre as 1,54 e as 2,60 mg.

2013

- Alguns estudos demonstraram evidências mínimas de que os e-cigarros ajudam a deixar de fumar.

- Outra investigação sobre deixar o vício relata que os utilizadores de e-cigarros são muito menos propensos a deixar de fumar depois de terem experimentado os cigarros eletrónicos, em comparação com os participantes que nunca experimentaram.

2014

- O Centro de Controlo de Doenças americano revela que as chamadas telefónicas a pedir ajuda para intoxicações devido aos líquidos dispararam de uma por mês em 2010, para 216 por mês em 2014. Mais de metade das chamadas estavam relacionadas com crianças de idade inferior a cinco anos que ingeriram, inalaram ou que a sua pele ou olhos estiveram em contacto com o líquido que se vapaeia.

- Uma pesquisa com 75 mil coreanos adolescentes chega à conclusão que a utilização de e-cigarros está fortemente associada ao tabagismo. Ao mesmo tempo, nos EUA, os vapers adolescentes aumentaram de 4,5% em 2013, para 13% em 2014.

2015

- Estudo indica que os líquidos dos e-cigarros contêm cádmio, níquel e chumbo, mas em quantidades nove a 450 vezes menores do que nos cigarros tradicionais. Além de que o efeito do propileno glicol e seus derivados no funcionamento dos pulmões é menor do que o do tabaco. No entanto, avisam que não têm dados sobre os risco de cancro a longo prazo e doenças cardiovasculares.

- O propileno glicol é alvo da preocupação por não haver estudos que indiquem quais os riscos quando inalado repetidamente.

2016

- Os cigarros eletrónicos potenciam aquilo que pode ser o início do vício do tabaco entre os jovens.

- Os adolescentes que utilizam os vários sabores dos líquidos tendem a pensar que o tabaco não faz assim tão mal.

2018

- Em fevereiro, investigadores da George Town University e do Center for Tobacco Control Research and Education, ambos nos EUA, descobriam, através de uma pesquisa com 70 mil pessoas, que o uso diário de e-cigarros duplica o risco de ataque cardíaco em comparação com quem não fuma ou vapeia. E, se os vapeadores, consumirem cumulativamente tabaco, o risco aumenta cinco vezes. É que, apesar de os e-cigaros conterem níveis menores de substâncias cancerígenas que os cigarros tradicionais, têm partículas ultrafinas e outras toxinas habitualmente ligadas ao aumento do risco de doenças cardiovasculares.

- Outro estudo demonstra que a probabilidade de jovens que experimentam cigarros eletrónicos se tornarem fumadores convencionais é duas vezes maior.

Fonte: 
Visão
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED