Ministro da Saúde

Situação da ala pediátrica do S. João desbloqueada em duas semanas

Os procedimentos para avançar com a construção da nova ala pediátrica do hospital de São João, no Porto, serão desbloqueados dentro de duas semanas, estimou hoje o ministro da Saúde, lembrando que o dinheiro “está disponível”.

Em declarações hoje aos jornalistas sobre as condições em que as crianças e famílias são atendidas naquele hospital, Adalberto Campos Fernandes assumiu que, do ponto de vista político, “não há mais tempo nem mais espaço para conversa que não seja autorizar a obra [da nova ala pediátrica], lançar o procedimento e executá-lo no mais curto espaço de tempo possível”.

“O dinheiro está disponível, mas há questões de tramitação processual, que penso que em uma semana ou duas semanas estarão em condições para que os procedimentos formais possam ser lançados”, afirmou o ministro, que falava no final de uma cerimónia para anunciar investimentos no Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Campos Fernandes salientou que a questão da ala pediátrica do São João se arrasta há dez anos, vincando ainda que a situação é “social e eticamente inaceitável”.

“Não há ninguém que sinta mais incómodo e mais sentido de injustiça do que o ministro da Saúde e o Governo pela situação que há dez anos se arrasta na ala pediátrica e que tem contornos que importará esclarecer, mas importa muito mais resolver”, declarou.

Para o ministro “importa rapidamente resolver” o problema que é “social e eticamente inaceitável”.

“O que importa é criar condições para que, até que a obra esteja concretizada, nesse tempo seja tudo feito [para melhorar as condições], seja tudo minorado”, afirmou o ministro, acrescentando que, se existe um pavilhão, “que esse pavilhão esteja bem conservado” e, se houver possibilidade de acomodar as crianças noutro local, “que sejam acomodadas”.

Contudo, lembrou que estas são “matérias de natureza operacional”.

O ministro anunciou também que pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para intervir na questão da ala pediátrica do São João e esclarecer se a situação das crianças ali seguidas podia ter sido evitada.

“Pedi à IGAS que procurasse aferir se houve algo que pudesse ter sido feito que não tenha sido feito”, afirmou, acrescentando que o país foi confrontado “com afirmações dos pais e do presidente do hospital de São João que importa esclarecer” em nome do interesse público.

Para o ministro importa esclarecer, por exemplo, se as crianças seguidas naquela ala pediátrica, nomeadamente as doentes oncológicas, podiam ser tratadas noutra instituição no Porto.

Campos Fernandes garantiu ainda que o Hospital de São João “disporá de todo o apoio para melhorar as condições, ainda que provisórias, de atendimento daquelas crianças”.

A falta de condições de atendimento e tratamento de crianças com doenças oncológicas foi denunciada na semana passada por pais de crianças doentes que são atendidas em ambulatório e também na unidade do ‘Joãozinho', para onde são encaminhadas quando têm de ser internadas no Centro Hospitalar de São João, concelho do Porto.

Fonte: 
LUSA
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.