Programa abem

Rede Solidária do Medicamento divulga resultados com iniciativas solidárias

O Programa abem: Rede Solidária do Medicamento - projeto pioneiro lançado pela Associação Dignitude com o objetivo de permitir a todos os portugueses em situação de carência o acesso digno aos medicamentos de que precisam - acaba de divulgar os resultados de um ano no terreno.

Os números desta fase-piloto, que prevê o alargamento do programa a todos os distritos do país e regiões autónomas até ao final deste ano, mostram que o abem: já apoia 920 famílias, o que se traduz em 2.113 beneficiários. Destes, um quarto são crianças.

O objetivo do Programa é abranger, até ao final de 2017, 5.000 beneficiários, número que, em 2018, deverá chegar aos 25.000 beneficiários, e aos 50.000 no ano seguinte.

O facto de haver hoje mais pessoas para quem tomar os medicamentos deixou de ser uma opção feita em detrimento de outras, como comer ou pagar a renda da casa, deve-se ao trabalho desenvolvido por uma rede de parceiros, composta, hoje, por 16 entidades referenciadoras de seis distritos do país - Porto, Viseu, Santarém, Portalegre, Lisboa, Setúbal, assim como aos doadores que têm contribuído para o fundo solidário, integralmente dedicado à compra de medicamentos dentro do programa. E já foram adquiridos, ao abrigo do abem:, 19.179 medicamentos.

Uma das principais constatações da Associação Dignitude neste primeiro ano de Programa abem: é, precisamente, o poder revolucionário da agregação de esforços. Daí o mote para a celebração deste primeiro aniversário: “A união é a força da mudança”. Sob essa égide, foram desenvolvidas iniciativas solidárias em diferentes locais do país, que, assentes na conjugação dos esforços de todos os que já colaboram no abem: – empresas, farmácias, entidades referenciadoras, beneficiários, doadores –, ofereceram soluções a beneficiários cujos problemas, infelizmente, não se esgotam com a adesão ao Programa. Antes enfatizam a sua necessidade.

O ministro da Saúde marcou presença na iniciativa de Corroios.
Na creche de Sta. Teresinha, do Centro Social e Paroquial de Corroios, entidade que referenciou já mais de 60 beneficiários, onde os voluntários devolveram o recreio às crianças, colocando um chão novo e repleto de brinquedos, o ministro Adalberto Campos Fernandes salientou que “o Estado não pode demitir-se daquilo que são as suas responsabilidades de serviço público, mas não há Estado no mundo que consiga fazer tudo sozinho.”

Fonte: 
LPM Comunicação
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.