Proteção também se faz à mesa

Radiação UV: saiba como se proteger

O tempo quente e os dias de sol convidam a passar mais tempo ao ar livre, no entanto, apesar da exposição solar adequada ser essencial para a síntese de vitamina D, sem os devidos cuidados, podemos colocar em risco a nossa saúde. O cancro de pele é, sem dúvida, a lesão mais temida e que atinge, todos os anos, cerca 11 mil portugueses. Neste artigo deixamos-lhe os principais conselhos da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo para desfrutar do sol com segurança e explicamos porque deve ter atenção à sua alimentação.

Estima-se que, todos os anos, em Portugal, sejam diagnosticados entre 11 a 12 mil novos casos de cancro cutâneo. Os dados são da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo que, nos últimos anos, assiste com preocupação ao aumento da sua incidência.

O cancro de pele pode afetar qualquer pessoa, em qualquer idade, embora seja mais frequente após os 50 anos de idade ou em pessoas que tenham tido uma exposição prolongada ao sol. No entanto, desengane-se se pensa que só na praia é que corre riscos, estando exposto aos malefícios da radiação solar. Mesmo quando não está calor, os raios UV podem ser prejudiciais!

Por isso, os especialistas aconselham a uma exposição solar segura, procurando a sombra sempre que possível e evitando o sol de verão no meio do dia. Crianças e pessoas de pele mais clara devem evitar a exposição solar entre as 11 e as 17 horas.

Esta é, ainda, a altura de intensificar o uso do protetor solar, que deve ser aplicado diariamente, e não apenas nos momentos de lazer. 

Os produtos com fator de proteção solar (FPS) 30, ou superior, são recomendados para uso diário e também para a exposição mais prolongada ao sol.

Estes devem proteger contra os raios UVA e contra os raios UVB e devem ser aplicados uniformemente, em todas as partes de corpo - incluindo mãos, orelhas, nuca e pés -, 30 minutos antes da exposição solar, para que a pele os absorva, renovando a sua aplicação de duas em duas horas ou após o banho.

É igualmente importante proteger as cicatrizes, especialmente as recentes, que podem ficar escuras e desenvolver lesões se expostas ao Sol.

Além do protetor solar, no verão é importante usar chapéu e roupas de algodão em todas as atividades ao ar livre. E tenha atenção na escolha dos materiais utilizados! É que, por exemplo, os tecidos sintéticos, como o nylon, bloqueiam apenas 30% da radiação UV.

Deste modo, a Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, recomenda que opte sempre que possível por roupas com proteção UV, especialmente indicadas para os mais pequenos.

Quanto aos hábitos diários, há também alguns cuidados a ter no que toca à higiene e alimentação. É que as temperaturas mais quentes exigem hidratação redobrada, por dentro e por fora, pelo que se recomenda uma maior ingestão de líquidos nesta época do ano, abusando da água ou de sumo de frutas.

Alimentos que ajudam à manutenção de uma pele saudável no verão

Para além da utilização de um fator de proteção adequado à sua pele, a alimentação pode ser uma ótima aliada para a saúde da pele. Por isso, tome nota!

De acordo com a nutricionista Catarina Soares de Oliveira, entre os hortofrutícolas que apresentam maiores benefícios, o destaque recai sobre tomate, melancia, morango e cenoura.

Rico em licopeno - um poderoso antioxidante conhecido pela sua capacidade de proteger as células dos efeitos nocivos dos radicais livres – o tomate “é um excelente aliado na prevenção contra certos tipos de cancro e contra o envelhecimento precoce da pele”.

“A melancia e o morango, pobres em calorias e muito ricas em água, contribuem para uma melhor hidratação do organismo. Além disso, a vitamina C, presente nestes frutos (e no kiwi e citrinos), além da função antioxidante - com um efeito protetor contra os efeitos dos raios UV -, desempenha um papel crucial na formação do colagénio – substância essencial para a elasticidade e firmeza da pele”, destaca a nutricionista.

A cenoura, rica em betacaroteno - um carotenoide com ação antioxidante, que estimula a produção de melanina – vai ajudá-lo a manter a pele mais saudável e bonita, mantendo um bronzeado duradouro ao longo desta época.

Por outro lado, também os legumes de folha verde escura têm um papel importante para a manutenção da saúde da sua pele. “Os espinafres são uma excelente fonte de antioxidantes, polifenóis e carotenos, as substâncias capazes de aumentar a proteção de pele face aos efeitos dos raios solares, prevenindo as manchas e o fotoenvelhecimento da pele”, determina Catarina Soares de Oliveira que aconselha a que os junte, sempre que possível, às suas sopas e saladas.

Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.