Administração Regional de Saúde

Postos de saúde de praia no Algarve atenderam mais de 2.000 pessoas em julho

Os 31 postos de saúde de praia do Algarve atenderam, durante o mês de julho, 2.067 pessoas, das quais 33 foram encaminhadas para outras unidades de saúde, anunciou a Administração Regional de Saúde do Algarve.

“Destes atendimentos, 1.159 foram para tratamentos e suturas, 244 foram devido a picadas de peixe-aranha e insetos, 394 para medições de pressão arterial, 111 para administrar injeções e 126 para realizar testes de glicemia, tendo sido registados durante este período 33 encaminhamentos para outras unidades de saúde”, contabilizou a Administração Regional de Saúde (ARS) algarvia num comunicado.

A mesma fonte frisou que cerca de 68% das pessoas atendidas nesses postos - que funcionam ao abrigo de uma colaboração entre a ARS e a Cruz Vermelha Portuguesa – “não são residentes na Região do Algarve” e, destes, “52% são residentes noutras regiões do país e 16% são estrangeiros”.

Quanto aos restantes 32%, residiam no distrito de Faro, acrescentou a ARS, que disponibiliza este serviço desde 01 de julho até 16 de setembro.

Estes números são ligeiramente inferiores aos registados no ano anterior, quando foram realizados, em julho, 2.413 atendimentos nos 32 postos de saúde de praia que no verão funcionavam ao longo da costa algarvia, segundo os dados disponibilizados pela ARS do Algarve no ano passado.

A ARS recordou que os postos de saúde de praia funcionam entre as 10:00 e as 19:00 e prestam “cuidados de saúde de enfermagem”, respondem a “situações clínicas que possam ser tratadas no local”, funcionam “como ponto de esclarecimento e de triagem” e, “em caso de necessidade, encaminha o utente para uma unidade de saúde mais adequada”.

“Os recursos afetos aos Posto de Saúde de Praia são potenciados através da comunicação por via telefónica entre os enfermeiros dos Posto de Saúde de Praia e o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM, permitindo uma integração adequada com o dispositivo de emergência pré-hospitalar”, precisou a ARS.

No sotavento algarvio (este), os postos de praia funcionam em Vila Real de Santo António (Monte Gordo e Manta Rota), em Castro Marim (Altura, Praia Verde e Cabeço), em Tavira (Barril, Ilha de Tavira e Praia de Cabanas), em Olhão (Ilha da Armona e Ilha da Fuseta), em Faro (Ilha de Faro, Ilha da Culatra e Ilha do Farol) e em Loulé (Praia do Ancão, Vilamoura e Quarteira), segundo o mapa divulgado pela ARS.

No barlavento (oeste), o serviço está disponível em Albufeira (Galé, praia das Belharucas, praia dos Tomates e Rocha Baixinha nascente), em Lagoa (Praia Grande/Ferragudo), em Silves (Armação de Pêra), em Portimão (Alvor, Vau e Praia da Rocha), em Lagos (praia da Luz e Porto de Mós), em Vila do Bispo (Mareta e Salema) e em Aljezur (Odeceixe e praia de Monte Clérigo).

Fonte: 
LUSA
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.