Risco ambiental

Nova aplicação para voluntários “Patrulheiros”

Associação Patrulheiros lança a maior rede de voluntariado ambiental do país através de aplicação gratuita no telemóvel.

A Associação Patrulheiros acaba de lançar uma aplicação inovadora e exclusiva com o objetivo de antecipar o alerta de questões de risco ambiental através da participação voluntária na vigilância. Os voluntários descarregam gratuitamente a aplicação “Patrulheiros” e alertam as autoridades da região onde se encontram para a resolução antecipada de ocorrências como incêndios, cheias, situações de poluição, pragas, extinção, perda de habitat, entre outras questões do âmbito ecológico e ambiental.

A APP Patrulheiros está disponível a partir do final do mês de Janeiro de 2019, estando neste momento em fase de finalização de testes em todo o país. O acesso é gratuito e o download disponível na Google Play e AppStore.

Uma das finalidades da criação desta aplicação é sensibilizar a população para a responsabilidade civil de cada um, criar massa crítica na população, e em simultâneo ajudar os municípios a economizar recursos e minorar situações graves através do voluntariado.

O plano teve inicio em março de 2017 com um projeto piloto no Município de Albergaria-a-Velha, testado e colocado em prática, e que agora será partilhado com o resto do país.

Para janeiro de 2019 está também previsto o lançamento dos Patrulheiros de Costa, um conjunto de voluntários dedicados em exclusivo às zonas costeiras, com o apoio de bicicletas especiais adaptadas para rolar em areia e de um novo centro operacional junto da região costeira.

Esta associação, liderada por José Nuno Amaro, autor de vários projetos de sucesso em Portugal nas áreas da Mobilidade, sustentabilidade e motivação para crianças, conta com um conselho consultivo que reúne figuras com experiência em áreas distintas, de forma a que juntos possam ajudar a melhorar a vida dos portugueses, através das suas opiniões ou participando ativamente nos projetos que a associação cria e dinamiza em Portugal e nos PALOP.

Segundo José Nuno Amaro, “os Patrulheiros pautam-se por um trabalho interventivo, mas não intrusivo, que tenciona ser uma mais valia no apoio às autoridades e aos municípios, sempre em prol da proteção ambiental e do país”

Para mais informações consultar www.patrulheiros.pt o Facebook e Instagram em @patrulheirosportugal.

Fonte: 
Emirec
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.