Artigo de Opinião

Não basta correr: é preciso olhar pelos seus pés

Com a chegada do calor caraterístico do verão, muitos são aqueles que retiram o seu par de ténis do armário e se preparam para mais uma temporada de corridas diárias: uns para manter o seu estilo de vida saudável, e outros pelo simples gosto de praticar uma atividade física ao ar livre. Em qualquer uma das situações, muitos são os praticantes que, ao banalizarem uma atividade como a corrida, acabam por negligenciar os cuidados que devem ser tomados antes, durante e depois deste tipo de exercícios, de forma a prevenir possíveis lesões.

Antes sequer de pensar em sair de casa para correr, deve considerar o tipo de calçado que vai utilizar. Não basta chegar à loja e escolher um par de ténis da secção de desporto. É preciso ter em conta alguns fatores, tais como o peso da pessoa ou o tipo de piso em que irá correr, e comprar em consonância ténis com amortecimento suficientemente capaz de minimizar o impacto dos pés contra o solo. Mas mais importante que isso é que o calçado se adeque corretamente aos pés, de modo a não causar fricção.

Após este passo, segue-se a fase de preparação para a realização de uma corrida: os exercícios de aquecimento. Estes são responsáveis por prevenir o aparecimento de lesões nos músculos do nosso corpo no decorrer da corrida, dado que estimulam a flexibilidades dos mesmos. Passados 5 a 10 minutos de aquecimento, o indivíduo fica apto para o esforço físico que se segue.

Para quem está a iniciar esta nova rotina, nos primeiros tempos não deve exagerar no tempo, distância e intensidade de corrida. Uma pessoa destreinada corre maior risco de se lesionar, pois o corpo não se encontra preparado para tal nível de esforço. Importa aqui perceber aquilo que cada um é capaz de fazer, para que se possa gradualmente aumentar a intensidade de treino. Já no caso de sentir algum tipo de dor ou sensação anormal decorrentes da prática de exercício físico, deve cessar a atividade e procurar a ajuda de um especialista.

Terminada a corrida, o último passo a tomar é a realização de alongamentos, que irão promover a circulação sanguínea e aliviar a tensão acumulada nos músculos. Estes devem ter uma duração entre 5 a 10 minutos, e podem ser complementados com massagens nos pés. Contudo, os músculos necessitam muito mais do que alguns minutos para recuperar, pelo que será necessário organizar uma rotina de treino responsável, na qual poderá correr um a dois dias seguidos, e descansar no terceiro dia.

Seguindo as recomendações anteriores, aliadas a uma correta alimentação e hidratação, assim como a uma boa rotina de sono, será mais fácil fazer o desporto que gosta sem que para isso corra o risco de vir a ter uma ou mais lesões. Ainda assim, se tiver alguma dúvida, poderá consultar um Podologista, que o ajudará a escolher o calçado certo para si, bem como diagnosticar e tratar possíveis complicações nos seus pés que possam prejudicar a prática de atividade física ou até a sua qualidade de vida.

Podologista Francisco Oliveira Freitas - Centro de Podologia de Famalicão
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.