As explicações são da nutricionista

Gripes e constipações? Afaste-as com a alimentação adequada

Atualizado: 
21/12/2018 - 11:00
Esta altura do ano, com tempo frio e chuvoso, é propícia para o desenvolvimento de gripes e constipações. E desengane-se se pensa que são apenas os que apresentam uma saúde mais frágil a estar em risco. No entanto, saiba que com uma alimentação adequada à época, com o reforço de determinados nutrientes, é possível enfrentar o Inverno sem adoecer. As explicações são da nutricionista Catarina Soares de Oliveira.

Talvez não saiba mas as nossas necessidades nutricionais variam e dependem das épocas do ano em que nos encontramos. Senão repare: não é por acaso que, a época das laranjas, ricas em vitamina C, acontece durante o Inverno, altura em que apresentamos maior necessidade do seu consumo de modo a prevenir as «maleitas» da época. E é, sobretudo, graças a este facto que, a cada estação devemos privilegiar os produtos da época e que só nos trazem benefícios.

Chegado o Inverno, importa saber quais os nutrientes que mais contribuem para a vitalidade do nosso organismo e que nos permitem ganhar defesas para o que aí vem.

De acordo com a nutricionista, Catarina Soares de Oliveira, devemos privilegiar alimentos ricos em vitamina C, vitamina E, betacaroteno e mineiras - como o selénio e o zinco -, que desempenham um importante papel no fortalecimento do sistema imunitário. “Uma alimentação rica nestes nutrientes vai contribuir para a prevenção das gripes e constipações assim como ajudar o corpo a responder de forma mais rápida e eficaz a estas situações”, explica a especialista.

Laranjas, tangerinas, clementinas, toranjas, kiwis, romãs e frutos vermelhos - framboesas, amoras, mirtilos e morangos - são, neste caso, as frutas com maior concentração de vitamina C. “A Organização Mundial de Saúde recomenda o consumo de pelo menos 3 porções de fruta por dia, e que uma delas seja rica nesta vitamina”, refere.

Por outro lado, também os hortícolas frescos e da época desempenham um papel preponderante na manutenção da nossa saúde durante os meses mais frios. Assim, ainda que cada um possa ter características diferentes, é importante variar no seu consumo de modo a garantir o aporte dos diferentes nutrientes. Os hortícolas de cor verde escura, por exemplo, são ricos em ferro e vitamina E que contribui para a renovação celular (como é caso do espinafre, agrião brócolos ou couve), enquanto os alaranjados, como a abóbora ou a cenoura, são ricos em betacarotenos.

Nesta época do ano, devemos ainda privilegiar os alimentos ricos em ómega 3 e ómega 6 (sardinha, atum, truta e a semente de linhaça) que atuam como um anti-inflamatório, ao mesmo tempo que auxiliam o sistema imunitário. “Procure comer mais peixe do que carne, e pelo menos incluir peixes gordos nas suas refeições. Além de acompanhar com alimentos fornecedores de hidratos de carbono como o arroz, massa ou a batata, reserve uma porção significativa do seu prato para uma salada colorida”, recomenda a nutricionista.

Igualmente importante, para a manutenção da sua saúde nos meses mais frios, é a ingestão de líquidos. De acordo com Catarina Soares de Oliveira, embora possamos não sentir sede, é necessário manter o aporte de líquidos ao nível dos restantes meses do ano. “A ingestão correta de água é essencial para o bom funcionamento do organismo, para a regulação da temperatura, para a eliminação de toxinas, para o transporte de nutrientes e para melhor proteger a pele e as mucosas”, justifica deixando um truque para aqueles que não apreciam bebê-la: beba chá ou infusões, “de preferência sem açúcar”. O importante é que a hidratação adequada não seja esquecida nos meses mais frios.

Outro “truque”, que o ajudará a estar mais protegido contra as agressões do tempo frio, consiste em aumentar o consumo de sopa. “É de salientar que a sopa de legumes é uma excelente aliada para combater o frio, saciar e proteger o organismo das gripes e constipações. Estes benefícios da sopa devem-se à sua riqueza em água e hortícolas ricos em diferentes vitaminas, minerais e antioxidantes”, conclui a nutricionista. 

Autor: 
Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay