Artigo de opinião

Frieiras, o inverno não é só chuva e vento

A chegada do inverno afeta não só o clima, mas também o funcionamento do organismo. As baixas temperaturas têm impacto no corpo e, como tal, a pele não é exceção.

A pele funciona como barreira protetora contra o ambiente externo, estando por isso mais exposta e sendo particularmente afetada pelo frio.

Ainda que, tal como o frio, a chuva e a humidade estejam associadas ao inverno, nesta época do ano a humidade relativa do ar costuma descer e o ambiente torna-se mais seco. Para além disto, o inverno é uma altura em que se consome menos líquidos. Estas condições favorecem a desidratação da epiderme, a chamada “pele seca”, bem como o aparecimento de alguns problemas em zonas mais desprotegidas, como as mãos e os pés.

Neste sentido durante o tempo frio e seco a pele encontra-se mais sensível e o aparecimento de lesões é comum, nomeadamente nos pés. Os pés são zonas do corpo menos protegidas e por estarem mais longe do coração, o frio vai dificultar a circulação do sangue e o fluxo dos pequenos vasos vai diminuir. Assim, os pés estão tendencialmente mais frios e por mais tempo durante o inverno.

Uma das complicações a que os pés estão sujeitos são as comuns frieiras. As frieiras são lesões na pele provocadas pela exposição dos vasos sanguíneos superficiais ao frio. Esses vasos sanguíneos contraem como reação ao frio e impedem o fluxo sanguíneo até às extremidades do corpo. Quando a temperatura é restabelecida, os vasos tendem a expandir-se rapidamente e é provocado um congestionamento da circulação e a inflamação dos tecidos. A contração dos vasos é uma reação fisiológica dos vasos e também depende da sensibilidade das pessoas.

Apesar de não serem consideradas graves, as frieiras trazem consigo sintomas desconfortáveis, como pele fria e vermelha, pele dormente, durante e branca, bolhas, inchaço, prurido, dor, fissuras. As frieiras são mais frequentes nas extremidades corporais, tais como os dedos das mãos e dos pés, nariz e orelhas; podendo aparecer noutras localizações, mas com muito menos frequência.

Assim, o que é possível fazer para minimizar as consequências do frio? Existem muitos conselhos práticos que podem proteger os pés das baixas temperaturas e impedir o aparecimento de frieiras, tais como não utilizar calçado que comprima os pés em excesso e dificulte a circulação, não expor os pés diretamente a fontes de calor pois alterações bruscas de calor favorecem o aparecimento de lesões, manter os pés sempre secos para não favorecer a sensação de frio, ingerir líquidos suficientes para manter a pele hidratada, utilizar meias de algodão em vez de nylon, massajar os pés para aumentar a temperatura dos mesmos, não fumar pois dificulta a circulação, não utilizar sapatos que favoreçam a transpiração e a sensação de frio.

Dra. Fátima Carvalho - Podologista responsável pelo Centro Clínico do Pé
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock