ESEnfC

Estudantes de Enfermagem aprendem a trabalhar em diferentes cenários culturais

Seminário Transcultural decorre até sexta-feira na Escola de Coimbra. Finalistas de Enfermagem aprendem a administrar cuidados culturalmente sensíveis, melhorando o potencial para exercerem Enfermagem além-fronteiras. Este ano, há professores convidados de cinco países: Áustria, Brasil, Bélgica, Espanha e Noruega.

“Cultura e saúde: perspetiva global” é o título da conferência de abertura da Semana Transcultural que a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) leva a efeito durante cinco dias (instalações do Polo A) e que, amanhã (15h00), será proferida pelos professores Simone Vidal Santos, Jeferson Rodrigues (Brasil) e Maria Rosa Iglesias Parra (Espanha). A conferência prossegue na quarta-feira (09h00-13h00), desta feita com os testemunhos das professoras Liv Berit Thulin, Bente Albrigtsen (Noruega), Kristel Liesenborghs, Ingrid Coyette (Bélgica), Elisabeth Potzmann e Barbara Riegler (Áustria).

Os nove professores de diferentes proveniências estão, por estes dias, a falar aos finalistas de Enfermagem da ESEnfC sobre a realidade dos respetivos sistemas nacionais de saúde, ajudando-os a examinarem os fatores culturais que interferem na saúde e nos cuidados de saúde e de Enfermagem.

A iniciativa enquadra-se na Seminário de Enfermagem Transcultural - “Cultural awareness in nursing” que hoje começou e que termina, sexta-feira (20 de abril), com o painel “Societal perspectives on Euthanasia” (Perspetivas da sociedade sobre a eutanásia), previsto para as 11h00, também no Polo A, na Avenida Bissaya Barreto, em Celas.

Permitir ao estudante a comparação e a análise da informação relacionada com o desenvolvimento da Enfermagem e da educação em Enfermagem naqueles países, com vista a aumentar as competências para a prestação de cuidados culturalmente congruentes e culturalmente específicos, além de melhorar o potencial dos futuros profissionais para o exercício da Enfermagem além-fronteiras, em contextos multiculturais, são objetivos deste seminário organizado pela ESEnfC.

Mais informações sobre a iniciativa podem ser obtidas em www.esenfc.pt/event/transcultural2018.

Fonte: 
ESEnfC
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.