Opinião

Escolha desadequada de calçado pode provocar lesões

Praticar exercício físico é hoje um hábito cada vez mais presente no quotidiano dos portugueses. Este facto justifica-se pelos inegáveis benefícios que a prática regular de uma dada atividade física pode trazer para a saúde.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o exercício físico é recomendado à população em geral, tanto para crianças e jovens, como para adultos, e até mesmo pessoas com mais de 65 anos. De forma a garantir as boas práticas durante a realização dos exercícios, esta entidade estipulou algumas recomendações que diferem consoante o grupo etário.

No caso da população entre os 5 e os 17 anos, deverão ser realizados 60 minutos diários de atividade física de intensidade moderada a alta. Entre os benefícios estão o desenvolvimento saudável do sistema cardiovascular, do tecido musculosquelético, de consciência neuromuscular (equilíbrio, coordenação e controle dos movimentos), e manutenção do peso corporal. Estão também associados benefícios psicológicos.

Já os indivíduos entre os 18 e os 64 anos devem praticar pelo menos 150 minutos semanais de atividade aeróbica de intensidade moderada, ou 75 minutos de atividade de alta intensidade. Segundo alguns dados médicos e científicos, este grupo apresenta menor risco de fratura e redução das taxas de mortalidade devido a: hipertensão arterial, diabetes tipo 2, síndrome metabólica, menores índices de depressão, maior probabilidade de manter o peso ou redução de gordura abdominal, etc.

A partir dos 65 anos destacam-se atividades físicas e de lazer (como jardinagem, natação, caminhadas, dança), de locomoção, ocupacionais e tarefas domésticas. Com estas verifica-se a redução do risco de quedas, melhorias nas funções cognitivas, melhorias na constituição óssea, redução dos índices gerais de mortalidade e manutenção de massa muscular.

Enquanto Podologista, tenho observado que a população em geral, quer sejam amadores ou atletas profissionais, não detém grande preocupação na escolha do tipo de calçado desportivo, fator que pode acarretar problemas para o pé, joelhos e coluna lombar, pois as características físicas do indivíduo, nomeadamente o apoio plantar, posicionamento do retro pé, relação entre pé-joelho-coluna vertebral, entre outros, são fontes de lesões de overuse nos atletas. Assim, perante esta perspetiva, gostaria de aconselhar a todos os praticantes de qualquer atividade física desportiva e até de lazer a efetuar uma avaliação clínica podológica, com o objetivo de evitar lesões musculares, osteoarticulares, entorses, rutura de ligamentos, etc.

De forma garantir a saúde e bem-estar dos seus pés a médio-longo prazo, recomendo alguns cuidados a ter com os pés no desporto:

  • Lave os pés diariamente e seque-os bem, principalmente entre os dedos;
  • Use apenas meias de tamanho adequado e de algodão ou de outro material específico;
  • Compre sempre o calçado desportivo ao final do dia, pois é quando os pés se encontram mais volumosos;
  • Experimente o calçado desportivo com meias, e se utilizar ortóteses plantares leve-as consigo e coloque-as dentro do calçado;
  • Ajuste sempre o calçado desportivo ao pé maior e ao dedo maior, e verifique se há espaço suficiente para os dedos mexerem;
  • Escolha calçado desportivo com atacadores para ser possível um maior controlo e estabilidade do pé;
  • Utilize sempre o calçado adequado a cada desporto e de acordo com a sua pegada plantar;
  • Deve iniciar com atividade física moderada, no sentido de preparar todo o organismo para o exercício, pois sobrepeso e a falta de exercício irão conduzir a um excesso de stress sobre os pés;
  • Nunca se esqueça de efetuar um bom aquecimento antes de iniciar desporto, e execute alongamentos após o mesmo;
  • O calçado desportivo deve proteger o mais possível o pé, ser durável e adequado ao desporto e ao piso;
  • Substitua o calçado desportivo de caminhar a cada 500-1000 quilómetros, dependendo da utilização;
  • Utilize calçado adequado de acordo com a atividade física que vai executar e, muito importante, consulte sempre um Podologista para identificar quais as alterações biomecânicas presentes no seu pé.
Dra. Fátima Carvalho - Podologista responsável pelo Centro Clínico do Pé
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.