Hoje assinala-se o Dia Internacional do Yôga

Descubra o que o Yôga pode fazer pela sua saúde

No dia 11 de Dezembro de 2014, a ONU decretou o Dia 21 de Junho como o Dia Internacional do Yôga, com celebração no mundo inteiro em prol do bem-estar entre as pessoas, a paz e o convívio saudável através da prática desportiva e consciência espiritual.

Apelando às Nações para um desenvolvimento humano sustentável, o Dia Internacional do Yôga, cuja celebração coincide com o Solstício de Verão no Hemisfério Norte, acaba por salientar o Património Imaterial da Humanidade que esta filosofia de vida constitui.

Na verdade, há pelo menos cinco mil anos que o yôga existe.

Como se escreve e pronuncia?

A palavra ‘yôga’ é um termo sânscrito que significa “união, integração ou integridade”. É do gênero masculino, como todos os termos sânscritos terminados em ‘a’. Escreve-se com ‘y’, com acento no Ô e pronúncia fechada.

Refere-se a qualquer metodologia estritamente prática que conduza ao samádhi –samádhi é o estado de hiperconsciência e autoconhecimento que só o Yôga proporciona.

É uma filosofia de vida. Uma filosofia prática.

Quando foi criado?

Foi criado na Índia Antiga, às margens do Rio Ganges, pensa-se que na cidade de Rishikesh, no sopé dos Himalaias. Os vestígios arqueológicos do Vale do Indo assim o indicam.

Escavações revelaram, no início do Séc. XX, indícios de uma prática junto da natureza e que através da identificação com os elementos naturais, respeitando a capacidade do ser humano se observar a si mesmo e encontrar a união entre o corpo físico, energético, emocional e mental, percepcionava um estado de consciência expandido, uno com o Universo.

Existem 108 tipos de yôga diferentes, todos eles divergindo da prática ancestral do yôga antigo, com uma base de raízes naturalistas, sensoriais e matriarcais.

Em que consiste?

A sua prática completa em oito partes denomina-se ashtánga sádhana.

Comporta mudrá (aquietamento inicial, gestos reflexológicos), pújá (gratidão), mantra (vocalização de sons e ultra-sons), pránáyáma (respiração consciente), kriyá (técnicas de purificação orgânica), ásana (técnicas físicas), yôganidrá (técnicas de descontracção), e samyama (meditação).

A prática e os ensinamentos divergem, dependendo da linhagem, do mestre e da abordagem filosófica, mas todos têm como meta o autoconhecimento.

Costumo, porém, dizer sempre aos meus alunos que a prática do yôga começa verdadeiramente fora da sala de prática.

Na sala onde praticamos, na realidade, colocamos as técnicas a favor da nossa autossuperação, da autoentrega e do autoconhecimento. Mas nos desafios do dia-a-dia é que percebemos se, na realidade, praticamos yôga e aplicamos os seus conceitos. Se a nossa consciência está apta a sublimar estados emocionais e mentais de acordo com aquilo que desejamos.

Fortalecendo o corpo físico, sublimando a energia, aprimorando o emocional e estabilizando o mental.

Alguns benefícios

O yôga traz diversos benefícios para a saúde, tanto de mulheres quanto de homens, porque trabalha o corpo e a mente de forma interligada, com exercícios que auxiliam para uma melhor gestão de stress, ansiedade, aliviando dores no corpo e na coluna, além de melhorar o equilíbrio e facilitar o emagrecimento. 

Começamos a sentir todos os benefícios desta actividade logo no primeiro mês de prática, pois a pessoa adquire consciência corporal e passa a controlar melhor a mente para que ela influencie o corpo e, assim, todo o organismo trabalhe de forma harmoniosa e equilibrada.

Confira abaixo alguns deles:

1. Diminui o stress e ansiedade

A meditação praticada no yôga faz com que a pessoa se concentre no presente, desocupando a mente de problemas do passado ou futuro, o que proporciona equilíbrio emocional, sensação de paz interior, bem-estar e estabilidade da mente para as situações do dia-a-dia.

2. Promove a boa condição física

Os exercícios, técnicas e posturas desta filosofia podem melhorar a resistência e fortalecimento dos músculos, de forma mais ou menos intensa, a depender do estilo e modalidade do yôga praticado. 

Isto ajuda a melhorar o desempenho do corpo para atividades físicas e tarefas diárias, aumenta a massa magra e deixa o corpo em forma, com maior definição e músculos tonificados. 

3. Facilita o emagrecimento

Um dos principais motivos para a perda de peso na prática do yôga deve-se ao bom funcionamento do sistema endócrino, atuando diretamente em glândulas e pontos energéticos que ativam o metabolismo. Ajuda a administrar a ansiedade e vontade de comer, diminuindo a quantidade de calorias consumidas no dia.

Os exercícios e posições realizados também auxiliam na perda de gordura, mas isto varia de acordo com o estilo praticado, menos nos mais tranquilos, como kundaliní ou raja yôga, ou mais nos dinâmicos, como o SwáSthya ou o Ashtánga, por exemplo.

4. Alivia dores corporais

Com o yôga, a pessoa passa a ter maior consciência corporal, o que significa que ela terá maior percepção da postura, da forma como anda, como senta e sinais de tensão muscular. Desta forma, é possível corrigir alterações, como contraturas, para que qualquer alteração seja resolvida e a estrutura muscular fique relaxada, sem causar danos à coluna e articulações do corpo.

Os exercícios de postura e alongamento também ajudam a libertar a tensão e dar flexibilidade aos músculos, aliviando dores causadas por escoliose, hérnia discal, fibromialgia e contraturas musculares, por exemplo. 

5. Controla a tensão arterial e os batimentos cardíacos

O yôga proporciona melhor funcionamento do coração e pulmões, pois regula o sistema nervoso e melhora a circulação sanguínea, batimentos do coração, tensão arterial, além de equilibrar o sistema endócrino, controlando os níveis de hormonas do stress, como cortisol e adrenalina.

A capacidade respiratória também melhora, devido aos exercícios de expansão dos pulmões e controle da respiração. Desta forma, o yôga melhora a forma física, mas de forma diferente dos exercícios físicos convencionais, como musculação ou desportos vários.

6. Melhora o sono

Além de causar relaxamento e tranquilidade, facilitando uma boa noite de sono, o yôga aumenta a produção de melatonina, hormona que regula o ciclo do sono, deixando-o com mais qualidade e profundidade. 

Ter o corpo mais relaxado também faz com que o descanso seja melhor à noite, proporcionando mais energia e disposição no dia seguinte.

7. Melhora o prazer no contacto íntimo

O desempenho sexual também pode melhorar com o yôga, pois o casal passa a ter maior sensibilidade durante o contacto íntimo, devido a maior capacidade de relaxar e ter melhor receptividade ao parceiro.

Além disto, com o controle da concentração e alívio da ansiedade, problemas como dificuldade para atingir o orgasmo, disfunção eréctil, ejaculação precoce podem ser controlados. 

Autora:
Carla Ferraz
Coach
Mindfulness
High-Performance
Autora do livro "Treinar a Mudança"
https://carlaferrazfindthechange.wordpress.com/

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay