OMS alerta

Bactéria da gonorreia está a ficar cada vez mais difícil de tratar

Infeção por gonorreia está a ganhar cada vez mais resistência aos antibióticos e já há relatos de casos de tratamento impossível entre os países mais desenvolvidos e ricos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um alerta sobre a resistência crescente da gonorreia, apontando mesmo alguns casos em que esta doença sexualmente transmissível se tornou intratável, devido à sua resistência aos antibióticos. A doença está cada mais forte e os medicamentos estão a ficar cada vez menos eficazes para a combater.

A conclusão foi tirada a partir da observação de 77 países, entre os quais a Organização encontrou mesmo alguns (países mais ricos e desenvolvidos estão incluídos neste grupo) onde foram identificadas infeções por gonorreia que resistiram aos antibióticos, escreve o Observador. “As bactérias que causam a gonorreia são particularmente inteligentes. Cada vez que usamos uma nova espécie de medicamento para tratar a infeção, elas evoluem para lhe resistirem”, explicou a médica da OMS, Teodora Wi, num comunicado divulgado no site da Organização.

A médica explica que mesmo nos países mais ricos, onde a vigilância funciona melhor, estão a ser encontrados casos de infeções impossíveis de tratar, devido à resistência a medicamentos. “Estes casos podem ser apenas a ponta do iceberg, já que a gonorreia é mais comum nos países mais pobres e onde faltam meios de diagnóstico e de tratamento”.

A infeções por gonorreia atingem todos os anos, de acordo com as estimativas mais recentes, 78 milhões de pessoas, com a doença a ser transmitida através de relações sexuais, podendo infetar os órgãos genitais, o reto e a garganta. A OMS está especialmente preocupada com esta última forma de infeção — e a propagação da doença através de sexo oral — já que há muitos diagnósticos errados, e os medicamentos normalmente usados para uma dor de garganta podem aumentar a resistência da bactéria. “Há uma mistura com a espécie Neisseria gonorrhoeae [o nome científico da doença] na garganta e isso resulta em resistência” aos medicamentos, detalhou a médica, citada pela BBC.

De acordo com a OMS, “o declínio do uso do preservativo, o aumento das viagens, os baixos níveis de deteção da doença e o tratamento errado estão a contribuir para este aumento” da gonorreia. Em muitos casos, a infeção não tem sintomas associados e pode provocar problemas mais tarde, como doenças pélvicas, gravidezes ectópicas e infertilidade.

A pesquisa por um novo fármaco, que possa combater a doença de forma mais eficaz e alargada, existe mas a OMS explica que o desenvolvimento de antibióticos “não é muito atrativo do ponto de vista comercial para as farmacêuticas”, já que os tratamentos são curtos e são também menos eficazes à medida que a doença se vai tornando resistente, o que significa a necessidade recorrente de se desenvolverem novos medicamentos.

“No curto prazo, pretendemos acelerar o desenvolvimento e a introdução de, pelo menos, um dos medicamentos em estudo, e avaliaremos o possível desenvolvimento de tratamentos combinados para uso em saúde pública”, explica a médica Manica Balasegaram, que pertence à organização sem fins lucrativos, criada pela OMS, para a pesquisa global de antibióticos e desenvolvimento de parcerias nesta matéria.

No mesmo comunicado onde detalha o estado da doença no Mundo, a OMS ainda alerta para os cuidados a ter para a sua prevenção, apontando “um comportamento sexual mais seguro”, concretamente pelo “uso consistente e correto do preservativo”. Isto além da divulgação de informação não só sobre esta matéria, como também sobre os sintomas da doença, para que possa ser diagnosticada mais cedo, bem como outras doenças sexualmente transmissíveis.

Fonte: 
Observador
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.