Prémio João Cordeiro

Aplicação móvel que aproxima utentes e farmácias

O projecto DigitalPharma conquistou o I Prémio João Cordeiro – Inovação em Farmácia. O galardão foi entregue hoje na sede da Associação Nacional de Farmácias e premiou realizações objectivas de inovação em saúde, com capacidade de serem realidade num futuro próximo.

O júri presidido por Diogo de Lucena atribuiu o prémio principal à DigitalPharma, uma solução móvel que permite ao utente interagir com a farmácia facilitando – pela mobilidade e portabilidade – o acesso ao medicamento, a adesão à terapêutica e a farmacovigilância. Trata-se de uma aplicação móvel na qual o utente pode informar previamente a sua farmácia sobre o medicamento ou produto de saúde de que necessita e receber avisos para proceder às tomas do seu medicamento, de acordo com a prescrição médica e as indicações do farmacêutico ou comunicar reacções adversas. Com este projecto, a farmácia e o serviço do farmacêutico vão para além do momento da dispensa, contribuindo com isso para uma maior qualidade do serviço à comunidade e mais saúde para os utentes.

Na génese deste projecto estão professores da Faculdade de Ciências e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, o que mais uma vez demonstra o dinamismo, potencial interdisciplinar e de ligação às empresas e à comunidade do meio universitário português.

Na cerimónia foi também atribuído um prémio na categoria de Instrumentos de Gestão. Distinguiu-se um projecto que nasceu da mente quatro jovens empreendedores espanhóis e que já conquistou a adesão das primeiras 40 Farmácias em Espanha.

O Evolufarma é uma solução de comunicação multicanal desenhada para, mais uma vez, aproximar as farmácias das comunidades que servem.

Trata-se de uma solução de comunicação multicanal, que permite às farmácias aproximarem-se mais da comunidade que servem. Neste caso, possibilita manter a comunidade a par de novos programas de saúde pública, bem-estar e promocionais criados pela sua farmácia, permitindo a cada farmácia diferenciar a sua identidade, construir a sua marca junto da comunidade e comunicar de forma direccionada aos interesses de cada utente.

Promovido pela Associação Nacional de Farmácias (ANF), o prémio destina-se a apoiar projectos originais no âmbito da intervenção e do conhecimento em Saúde, que incentivem à inovação e desenvolvimento nas farmácias portuguesas. Conta com um conjunto de características que o tornam único em Portugal: pelo impacto prático e valor real acrescentado no universo das farmácias, por ser dirigido a entidades de qualquer sector profissional e não só a farmacêuticos e por não premiar realizações passadas mas projectos a concretizar.

Foram apresentados 22 trabalhos a concurso, avaliados por um júri independente presidido por Diogo de Lucena e composto por um conjunto de personalidades de relevo em várias áreas, sobretudo atentas às questões do empreendedorismo e inovação.

Ao atribuir ao Prémio o nome de João Cordeiro, a ANF presta também homenagem à visão empreendedora do líder histórico das farmácias, para que o seu exemplo seja um estímulo ao desenvolvimento do sector.

Saiba mais sobre os projectos vencedores:

DigitalPharma (vencedor do Prémio Principal)

O projecto DigitalPharma consiste numa aplicação móvel, capaz de revolucionar a relação dos utentes com a sua farmácia.

A solução proposta facilita o acesso ao medicamento, a adesão à terapêutica e a farmacovigilância.

Na génese deste projecto estão professores da Faculdade de Ciências e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, o que mais uma vez demonstra o dinamismo, potencial interdisciplinar e de ligação às empresas e à comunidade do meio universitário português.

A aplicação DigitalPharma permite a cada utente informar previamente a sua farmácia sobre o medicamento ou produto de saúde de que necessita.

O utente saberá sempre o caminho mais rápido para as farmácias da sua zona. O utente beneficiará, com grande facilidade, de toda a informação técnica e científica relevante sobre o seu medicamento. Poderá, ainda, solicitar entregas domiciliárias.

A qualidade do serviço farmacêutico é potenciada para além do momento da dispensa.

O utente poderá calendarizar e receber, no seu telemóvel, avisos relativos aos momentos adequados para proceder às tomas do seu medicamento, de acordo com a prescrição médica e as indicações do farmacêutico.

Esta ferramenta permite ainda comunicar reacções adversas ao Infarmed, tornando assim mais robusto o sistema de farmacovigilância em Portugal.

Pelas suas características, o DigitalPharma pode ser adoptado noutros sectores de actividade, podendo vir a constituir-se como mais uma oferta de inovação e desenvolvimento das farmácias à sociedade portuguesa.

 

Evolufarma (vencedor na categoria: Instrumentos de Gestão)

O projecto Evolufarma foi uma das candidaturas internacionais apresentadas ao Prémio João Cordeiro – Inovação em Farmácia 2004.

O Evolufarma é uma ideia de quatro jovens empreendedores e já conquistou a adesão das primeiras 40 Farmácias em Espanha.

Trata-se de uma solução de comunicação multicanal, que permite às farmácias aproximarem-se mais da comunidade que servem.

Este projecto permite aos utentes estarem permanentemente a par de novos programas de saúde pública, bem-estar e promocionais criados pela sua farmácia, através dos canais da sua preferência: e-mail, SMS, aplicações móveis, ou qualquer outra plataforma Web. O projecto permite ao cliente escolher o tipo de informação em que está interessado. Por outro lado, permite a cada farmácia diferenciar a sua identidade, construir a sua marca junto da comunidade e comunicar de forma direccionada aos interesses de cada utente.

O projecto foi já distinguido por entidades de reconhecido prestígio, como a Telefónica espanhola e a IE Competition.

Os seus promotores apresentam-no como meio de promoção, no Século XXI, do modelo da farmácia mediterrânica, focado na diferenciação dos seus recursos humanos e na qualidade do serviço farmacêutico.

Num momento em que as farmácias portuguesas, filiadas na ANF, assinaram com o Estado um acordo com vista ao desenvolvimento de serviços de prevenção e promoção da saúde, este projecto tem grande potencial como ferramenta de suporte aos dois grandes objectivos desse acordo: ganhos em saúde para a população e ganhos de eficiência na despesa pública em Saúde.

 

Fonte: 
LPM Comunicação
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.