Medicamentos

Liraglutido com indicação no tratamento de crianças com diabetes tipo 2

A Agência Europeia do Medicamento recomenda a extensão do Liraglutido no tratamento da diabetes tipo 2 em crianças com mais de 10 anos e adolescentes. Este medicamento já foi aprovado para o tratamento de adultos, em exclusivo ou em combinação com outros fármacos.

A diabetes tipo 2 caracteriza-se pela falta de capacidade do pâncreas em produzir insulina suficiente para controlar o nível de glucose no sangue ou quando o organismo não é capaz de fazer uso eficaz da insulina produzida. A doença pode conduzir a complicação graves caso não receba tratamento.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a incidência da diabetes tipo 2 tem aumentado substancialmente entre crianças e jovens nos últimos anos, de tal modo que, em alguns países este é já considerado o tipo principal da doença diagnosticada na infância.

O tratamento pediátrico recomendado para a diabetes tipo 2 é semelhante ao dos adultos, com especial enfoque nas alterações dos hábitos alimentares e estilo de vida, promovendo a prática de exercício físico. A terapêutica farmacológica inicia-se com um medicamento e mais tarde com a combinação de dois fármacos. O objectivo é que os doentes consigam manter níveis baixos de açúcar no sangue de modo a prevenir complicações a longo prazo.

Atualmente, a insulina e metformina são as duas únicas opções terapêuticas disponíveis para crianças com diabetes tipo 2, na maioria dos países. No entanto, mais de metade das crianças não alcança o controlo glicémico apenas com a metformina. Mesmo quando em combinação a um estilo de vida mais saudável. Por outro lado, o tratamento com insulina apresenta efeitos colaterais com o aumento de peso e um elevado risco de hipoglicemia.

Perante este cenário, é necessário que existam outras opções de tratamento, avança a Agência Europeia do Medicamento.

O liraglutido é o primeiro fármaco a obter uma opinião positiva para uso pediátrico no tratamento da diabetes tipo 2. Esta substância ativa imita a ação das hormonas incretinas, estimulando a libertação de insulina produzida pelo pâncreas em resposta à comida, ajudando a controlar os níveis de açúcar no sangue.

A eficácia e segurança do liraglutido no tratamento de crianças e adolescentes foram investigadas através de um ensaio controlado com placebo, no qual participaram 134 jovens com diabetes tipo 2, com idades compreendidas entre os 10 e os 17 anos. O estudo foi levado a cabo de acordo com o Plano de Investigação Pediátrica avalizado pelo Comité Pediátrico da Agência Europeia do Medicamento.

O estudo comparou, durante 26 semanas, um grupo de doentes que recebeu tratamento com o liraglutido, com um grupo que recebeu placebo. O grupo que foi tratado com o liraglutido, com ou sem insulina, registou uma redução relevante dos níveis de hemoglobina glicada (HbA1c).

O ensaio demonstrou ainda que o perfil de segurança do liraglutido é comparável ao demonstrado nos adultos. A maioria dos efeitos secundários observados foram náuseas, vómitos, diarreia, dor de cabeça e dor abdominal.

A opinião do Comité dos Medicamentos para Uso Humano vai agora ser enviada para a Comissão Europeia, a quem cabe a decisão de estender a utilização do Liraglutido no tratamento da diabetes tipo 2 em crianças com mais de 10 anos e adolescentes.

Fonte: 
Agência Europeia de Medicamentos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay