Abstinência Alcoólica

A Síndrome de Abstinência Alcoólica caracteriza-se por um conjunto de sintomas observados em pessoas que interrompem o consumo de álcool após história de dependência. Os sintomas surgem, habitualmente, entre 48 a 96 horas após interrupção.  

Causas

De acordo com a literatura, o consumo agudo de álcool tem um efeito inibitório nos recetores N-metil-D-aspartato (NMDA) e tem um efeito agonista nos recetores GABAA, reduzindo a neuro transmissão excitatória, enquanto que a ingestão crónica tem efeitos diferentes nos mesmos recetores. Deste modo, quando a ingestão de álcool é interrompida durante um período de tempo, leva a um aumento da regulação dos recetores N-metil-D-aspartato e uma diminuição dos recetores GABAA como parte da resposta homeostática do corpo humano (Sana et al.,2003) e esta adaptação é que enfatiza a hiperexcitabilidade e muitos dos sintomas que provem da abstinência.

Sintomas

As manifestações clínicas podem variar tendo em conta o histórico de consumo, as quantidades ingeridas ao longo dos anos, idade ou predisposição genética. No entanto, entre os principais sintomas estão:

  • Tremores
  • Aumento de transpiração
  • Pulso acelerado
  • Insónia
  • Náusea e vómitos
  • Ansiedade
  • Irritabilidade

Esta síndrome torna-se mais perigosa com o surgimento do delirium tremens, estado em que o doente apresenta:

  • Confusão mental
  • Alucinações
  • Convulsões

Estimando-se que 5% dos pacientes que evoluem para estes sintomas morrem, devido a um colapso cardiovascular, desidratação ou infeções concomitantes.

Diagnóstico

Para se fazer o diagnóstico de abstinência, é necessário que o doente tenha pelo menos diminuído o volume de ingestão alcoólica, ou seja, mesmo não interrompendo completamente é possível surgir a abstinência.

Tratamento

O tratamento tem como objetivo diminuir os sintomas, prevenir possíveis complicações e dissuadir o consumo de álcool.

O tratamento da abstinência alcoólica pode ser dividido em tratamento não farmacológico e tratamento farmacológico.

O internamento hospitalar ou domiciliário, bem como o acompanhamento em regime ambulatório fazem parte das medidas não farmacológicas para tratamento desta síndrome.

O tratamento farmacológico conta com a reposição vitamínica e eletrolítica, com o objectivo de corrigir as alterações metabólicas e nutricionais decorrentes do consumo excessivo de álcool, e a utilização de psicofármacos de modo a tratar as alterações neuropsicofisiológicas. Há ainda medicamentos que ajudam a diminuir o desejo e a compulsão para beber, evitando futuras recaídas

A Síndrome de Abstinência Alcoólica é geralmente superada até o final dos primeiros sete dias de tratamento.

Artigos Relacionados 

Dependência Alcoólica 
Como saber que anda a beber em excesso 
Emergências Psiquiátricas

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.