Dia Mundial da Diabetes

Uma em cada 10 mulheres tem diabetes

Estima-se que, em todo o mundo, a diabetes afete cerca de 199 milhões de mulheres. Em Portugal, uma em cada 10 convive com a doença, embora cerca de metade não esteja diagnosticada. A Organização Mundial alerta para o aumento de casos nos próximos anos, esperando-se que, em pouco mais de cinco anos, este número quase duplique.

O principal fator de risco para a diabetes é a hereditariedade. Hipertensão arterial, sedentarismo, obesidade e tabagismo são outros fatores determinantes para o desenvolvimento de uma doença cuja prevelência terá tendência a aumentar durante as próximas décadas. Uma previsão que preocupa os especialistas.

“A diabetes mellitus é uma doença crónica, de prevalência crescente. Uma desordem metabólica de etiologia múltipla, caracterizada por uma hiperglicemia crónica com distúrbios no metabolismo dos hidratos de carbono, lípidos e proteínas, resultantes de deficiências na secreção ou ação da isulina, ou ambas”, começa por explicar Sónia Gonçalves, especialista em Medicina Interna.

A diabetes mellitus tipo 1 surge, sobretudo, durante a infância ou adolescência e resulta da “destruição das células produtoras de insulina do pâncreas, geralmente a uma reação autoimune”. No entanto, ela pode atingir pessoas de qualquer idade.

Associada à obesidade e a estilos de vida poucos saudáveis, a diabete mellitus tipo 2 (DM2) é diagnosticada, habitualmente, após os 40 anos de idade. “Ocorre quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o organismo não consegue utilizar eficazmente a insulina produzida”, revela a especialista.

O diagnóstico nem sempre ocorre numa fase inicial da doença (no designado estadio de pré diabetes), uma vez que nem sempre o doente apresenta sintomas. “Os sintomas relacionados com o excesso de açúcar no sangue aparecem de forma gradual e quase sempre lentamente, sobretudo na DM2. Por isso, o início da diabetes tipo 2 é muitas vezes difícil de precisar. Os sintomas mais frequentes são a fadiga, poliúria e sede excessiva”, explica Sónia Gonçalves.

A importância do diagnóstico numa fase inicial da doença reflete-se no sucesso do seu tratamento, uma vez que permite não só o início precoce da terapêutica adequada, como prevenir ou diminuir o risco de complicações da doença. “Importa referir que é nesta fase inicial que as mudanças no estilo de vida podem ter um impacto significativo na saúde da pessoa. Numa primeira fase, o ótimo controlo da diabetes previne o aparecimento de complicações”, acrescenta.

A diabetes é a principal causa de cegueira, insuficência renal e amputação dos membros inferiores, sendo ainda uma principais causas de morte ao contribuir para o aumento do risco de doença coronária e de acidente vascular cerebral.

“As complicações inerentes à doença vão além do sofrimento e sentimentos devastadores que causam nas pessoas com diabetes e seus familiares. Têm um forte impacto económico, podendo este ser reduzido mediante uma gestão adequada, por parte da equipa de profissionais de saúde, com prestação de cuidados individualizados à pessoa com diabetes e familiares”, revela a especialista em Medicina Interna.

O tratamento deve ser considerado através de uma abordagem multidisciplinar. “Tratar a adequadamente a pessoa com diabetes não se resume apenas ao controlo glicémico, passa pelo controlo das comorbilidades associadas, onde o papel da educação terapêutica é fundamental”, reforça Sónia Gonçalves.

“As pessoas com DM1 necessitam de injeções de insulina diariamente. Ao contrário da DM1, as pessoas com DM2 não são dependentes de insulina exógena, porém podem vir a necessitar de insulina para o controlo da hiperglicemia se não o conseguirem através da dieta associada a antidiabéticos orais”, esclarece quanto ao tratamento que, de acordo com esta especialista, deve ser individualizado e incluir programas educativos no qual o doente deve participar ativamente, assumindo o compromisso de autogestão da doença.

“Cabe ao doente assumir comportamentos para a saúde implementando o seu “estilo de vida”, tentar ser autónomo, gerir esclarecidamente a sua diabetes e evitar desperdícios (de maior importância nos tempos que correr)”, refere acrescentando que, hoje em dia, o doente tem à sua disposição uma ampla variedade de classes farmacológicas, muitas com efeitos cardiovasculares benéficos.


"A Diabetes Mellitus constitui um problema de saúde pública crescente. É urgente e prioritário investir na prevenção", afirma Sónia Gonçalves, assistente hospitalar de Medicina Interna

Mulheres com riscos acrescidos

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 199 milhões de mulheres vivem, em todo o mundo, com diabetes. Um número que chegará aos 313 milhões até 2020.

“No que respeita ao nosso país, em 2015 a prevalência estimada da diabetes na população portuguesa, com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos, foi de 13,3%, existindo uma diferença estatisticamente significativa da mesma entre géneros”, revela Sónia Gonçalves especialista na Consulta de Diabetes e Obesidade no Hospital CUF Santarém.

Estima-se ainda que 10,9% das mulheres têm diabetes e que, destas, quase metade não estão diagnosticadas. “Números que motivam o enfoque dade, este ano, à relação entre a diabetes e o sexo feminino, a propósito do Dia Mundial da Diabetes, que se assinala hoje”, acrescenta.

Não obstante as complicações da doença que afetam ambos os sexos, sabe-se, no entanto,  que o sexo feminino apresenta riscos acrescidos.

“Sabe-se que a mulher com DM2 tem um risco 10 vezes superior de desenvolver doença coronária. No que concerne à DM tipo 1, as mulheres têm maior risco de sofrer abortos durante a gravidez e de desenvolverem malformações congénitas”, revela Sónia Gonçalves.

Por outro lado, os dados indicam que mais de 15% das grávidas portuguesas desenvolvem diabetes gestacional. “E embora seja um problema que normalmente termina com o nascimento do bebé, aumenta o risco da mãe vir a ser diabética no futuro”. Este risco é maior se houver história familiar de diabetes ou fatores de risco cardiovasculares associados, nomeadamente obesidade.

“A diabetes gestacional é a condição caracterizada por qualquer grau de anomalia/intolerância no metabolismo da glicose documentada, pela primeira vez, durante a gravidez”, explica.

“A gravidez caracteriza-se por uma hiperplasia das células beta do pâncreas, levando a níveis de insulina mais elevados em jejum e no período pós-prandial. Porém, a secreção aumentada de hormonas da placenta leva a uma maior resistência à insulina, especialmente durante o terceiro trimestes da gravidez. A diabetes gestacional surge quando a função das células beta é insuficiente para ultrapassar esta insulinorresistência”, esclarece a médica.

Estima-se que mulheres com idade superior a 25 anos, com história familiar de diabetes, excesso de peso e bebés de gestações anteriores com peso superior a 4 quilos, apresentam risco aumentado de desenvolvimento de diabetes gestacional. Pelo que, o controlo da glicemia durante a gestação se revela de extrema importância.
“O aumento do nível de glicose materna pode resultar em complicações para o recém-nascido, nomeadamente, macrossomia (tamanho excessivo do bebé), traumatismo de parto, hiperglicemia e icterícia”, adianta.

Sabe-se ainda que a diabetes gestacional está associada a um risco aumentado de perturbações do metabolismo da glicose e obesidade durante a infância e vida adulta dos descendentes.

Deste modo, Sónia Gonçalves alerta para importância da adoção de estilos de vida saudáveis, bem como para a sensibilização da comunidade em geral para a problemática da diabetes.

“A Diabetes Mellitus constitui um problema de Saúde Pública crescente, resultado em parte da elevada prevalência de complicações. Assim, é urgente e prioritário investir em prevenção”, afirma adiantando que o Dia Mundial da Diabetes tem como finalidade primária sensibilizar as entidades oficiais, os profissionais de saúde, a comunicação social e a comunidade para esta matéria.

“De acordo com o sugerido pela Federação Internacional de Diabetes, o tema versado este ano é “Diabetes e a Mulher”. De facto, as mulheres são agentes chave para a adoção de estilos de vida saudável e para melhorar a saúde e bem-estar de gerações futuras”, acrescenta reforçando a importância de as dotar de conhecimento adequado sobre a doença “de forma a preveni-la no seio familiar e entre pares, promovendo desta forma a sua própria saúde”.

É que, “educar modifica a história”, garante. 

Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED