Aspetos Clínicos, Mitos, Fatos e Realidades

Suicídio: o ato suicida não tem limites culturais, étnicos, raciais ou socioeconómicos

Decerto poucos assuntos permanecem tão atuais e controversos na Psiquiatria como o suicídio. O suicídio é um tema associado a mitos e alvo de constante atenção por parte de alguns meios de comunicação social e presença assídua na literatura. Nesta breve revisão, vamos explorar aspetos epidemiológicos, causas, fatores de risco, fatores protetores e orientação clínica.

A própria definição de suicídio é controversa; pode considerar-se que o suicídio é o ato deliberado que resulta na morte, com conhecimento prévio ou expectativa de desenlace fatal.

Um termo relacionado, e que por vezes gera alguma confusão, é para-suicídio: em que a pessoa faz mal a si própria ou ingere, por ex., substâncias em excesso, mas em simultâneo deixa pistas para que a morte não aconteça, ou simula a vontade de terminar com a vida.

O suicídio é uma das 10 principais causas de morte a nível mundial (!); embora as estatísticas sejam consideradas (por motivos políticos, culturais, por cuidados de saúde/epidemiológicos deficitários, ou outros) pouco fiáveis, a própria Organização Mundial de Saúde (OMS), refere que num dado momento, em todo o mundo, ocorre em média, uma tentativa a cada 3 segundos, e uma morte a cada 40.

Assim, no tempo que o leitor demorou a ler este texto até agora, poderão ter ocorrido mais de vinte tentativas e ter falecido 1 a 2 pessoas. Por suicídio.

É a segunda causa de morte entre os 15 e os 29 anos.

Morrem mais pessoas por suicídio do que em guerras.

O local do mundo onde mais pessoas se suicidam é a Ponte Golden Gate em São Francisco — Califórnia, nos Estados Unidos da América.

Ainda segundo os dados mais recentes da OMS, o país onde mais pessoas se suicidam é a Guiana, com 30,6 mortes por 100 000 habitantes. Antígua e Barbuda não têm registo oficial de suicídios em 2015 (dados mais recentes disponíveis para comparação).

As taxas de suicídio são sempre mais elevadas em homens e aumentam com a idade, sendo que o suicídio é uma realidade particularmente grave em zonas remotas e isoladas.

Em Portugal, segundo dados citados pela Sociedade Portuguesa de Suicidologia, a tendência global tem sido de diminuição do número de suicídios
(de 9,9/100 000 habitantes para um mínimo de 5,1/100 000 hab. no ano 2000).

Naturalmente que em cada país existem assimetrias regionais muito marcadas nos números de suicídio; em determinadas zonas do Alentejo, por ex., por motivos genéticos, incidência elevada de doença psiquiátrica, isolamento, acesso limitado a cuidados de saúde mental, alcoolismo ou outros, as taxas são claramente superiores à média nacional. O mesmo se verifica em certas regiões da Ilha da Madeira ou em algumas Ilhas do Arquipélago dos Açores.

Acompanhando a tendência mundial, a taxa de suicídios é sempre muito maior nos homens e aumenta claramente com a idade, sobretudo a partir dos 74 anos.

Os homens podem usar métodos mais violentos como armas de fogo, enforcamento e defenestração, enquanto nas mulheres, as intoxicações voluntárias (medicamentosas ou outras) são relativamente frequentes.

Embora o número de suicídios consumados seja maior nos homens, as mulheres fazem mais tentativas.

Métodos como imolação pelo fogo são raros nos países ocidentais e em pessoas de religião cristã ou judaica.

Há muitos mitos associados ao Suicídio:

O mais frequente é o de que abordar o tema do suicídio com uma pessoa com ideias de morte, ou como vulgarmente referido, com “tendências suicidas” pode induzir o suicídio. É absolutamente falso. Se alguma coisa, a pessoa sente-se aliviada por poder partilhar uma experiência tão dolorosa e procurar ajuda. 

Um aspeto bem distinto é a divulgação, pelos meios de comunicação social, de atos isolados de suicídios e das circunstâncias em que estes ocorrem. Em Portugal e em vários outros países existe um acordo “oficioso” para a não divulgação destes casos, porque pode incitar ou levar a um efeito multiplicador da escolha de um determinado método (por ex., saltar de uma ponte).

O suicídio não é uma consequência natural ou expectável do stress. É uma reação anormal a fatores de stress.

O suicídio nem sempre é um ato impulsivo.

As pessoas que se suicidam são “egoístas e fracas” — outro mito comum. Em 90% dos casos, existe uma doença associada.

“As pessoas inteligentes e bem sucedidas nunca se suicidam” — na verdade, o ato suicida não tem limites culturais, étnicos, raciais ou socioeconómicos.

Entre os fatores protetores para o suicídio estão a ausência de doença mental, ter um emprego, filhos ou crianças no lar, a gravidez, fortes convicções religiosas, satisfação com a vida ou com a carreira, copingskills e uma rede de suporte adequadas e uma boa relação terapêutica com o médico assistente.

Fatores de risco incluem a idade avançada, o sexo masculino, história prévia de tentativas de suicídio, acesso ou conhecimento sobre meios letais (é referido por alguns autores anglo-saxónicos que a profissão em que maior número de pessoas se suicidam é a de médico veterinário, seguindo-se a de farmacêutico, anestesista, médico de medicina geral e familiar, ...)

Constituem também fatores de risco o isolamento, doença psiquiátrica grave e não tratada (depressões, substâncias de abuso, esquizofrenia, perturbações de personalidade), doença orgânica grave (insuficiência renal em diálise, infeção por VIH, neoplasias, algumas doenças reumatológicas). A baixa tolerância à frustração, muito particularmente associada a traços de personalidade rígidos, «desadaptativos», com um pensamento do tipo tudo ou nada, é talvez um dos mais importantes fatores de risco.

Para concluir, uma mensagem de esperança: a pessoa em risco de suicídio pode ser ajudada. Se existir risco claro de suicídio, deve ser referenciada de imediato a um Serviço de Urgência de Psiquiatria. No caso de a pessoa ter ideias de morte, sem intenção ou plano suicida mas com forte angústia associada, em articulação com outros profissionais de saúde, deve ser encaminhada para um Serviço de Saúde Mental. Existem tratamentos eficazes, com abordagens que incluem farmacoterapia, mas também intervenção psicoterapêutica e psicoeducação, implicando médicos, psicólogos, enfermeiros e eventualmente outros profissionais de um Serviço de Saúde Mental.

Autores: Dr. Pedro Cintra, Dra. Margarida Albuquerque, Dr. Miguel Costa, Dra. Constança Ruiz- Médicos do Departamento de Saúde Mental do Hospital de Cascais Dr. José de Almeida

Referências:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs398/en/
http://www.who.int/gho/mental_health/suicide_rates_male_female/en/
www.spsuicidologia.pt
VVAA, Comportamentos Suicidários em Portugal, Sociedade Portuguesa de Suicidologia, 2006.
Kutcher S., Chehil S., Suicide Risk Management – A Manual for HealthProfessionals, LundbeckInstitute, 2007.
Cowen P, Harrison P, Burns T., ShorterOxforfTextbookofPsychiatry, vol 2, Oxford UniversityPress, 2012.
Sadock BJ, Sadock VA, KaplanandSadock’sSynopsisofPsychiatry, Lippincott, Williams &Wilkins, 2003.

Dr. Pedro Cintra - Psiquiatra Hospital de Cascais Dr. José de Almeida
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED