Semana Mundial do Glaucoma

Ladrão silencioso da visão afeta 150 mil portugueses

O glaucoma é a primeira causa de cegueira não reversível a nível mundial, afetando cerca de 80 milhões de pessoas. Em Portugal, estima-se que sejam 150 mil doentes. Na semana em que se assinala mundialmente a doença, o Grupo Português de Glaucoma da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta para aquele que é considerado o ladrão silencioso da visão.

Com uma incidência de 1 a 2% em toda a população mundial, o glaucoma é considerado como a principal causa de cegueira não reversível em todo o mundo. Em Portugal afeta cerca de 150 mil pessoas e estima-se que em cada 3 doentes apenas 2 estejam diagnosticados.

“O glaucoma é uma neuropatia ótica degenerativa, ou seja, uma doença degenerativa do nervo ótico, que leva a alterações progressivas e irreversíveis do campo visual”, começa por explicar António Figueiredo, coordenador do Grupo Português de Glaucoma da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia.

A hipertensão ocular é tida como a principal causa, havendo, no entanto, outros fatores de risco. “Tensão ocular elevada, não detetada e não controlada, vai conduzir com o tempo ao aparecimento da doença”, refere o especialista apontando ainda a idade e a existência de familiares diretos com glaucoma como fatores que podem condicionar o desenvolvimento da doença.

“A probabilidade de ter a doença aumenta com a idade, começando a ter incidência significativa a partir dos 45-50 anos. Mas pode aparecer em qualquer altura”, acrescenta o médico oftalmologista, tendo em conta os glaucomas não são todos iguais.

Existem dois grandes tipos de glaucoma, o mais frequente chamado de ângulo aberto e o outro, menos comum chamado de ângulo estreito, ambos relacionados com o espaço “livre” existente na parte interior do olho, entre a íris e a córnea. “Os ângulos estreitos podem impedir a circulação do líquido intra-ocular (o humor aquoso) e causar um tipo particular de glaucoma, o glaucoma agudo, de início abrupto, muito doloroso e grave se não houver tratamento rápido e adequado”, explica António Figueiredo. 

Embora menos frequente, sabe-se que este tipo de glaucoma ocorre em 25% dos casos, sendo responsável por cerca de metade dos casos de cegueira.

É assim, por comparação com o glaucoma de ângulo aberto, mais grave causando maior  morbilidade.

Também menos frequentes, ou até mesmo raros, são os casos de glaucoma congénito “que pode manifestar-se logo no recém-nascido” e de glaucoma juvenil.

Por outro lado, a doença pode ocorrer como complicação de outras doenças oculares, dando origem a glaucomas secundários.

“À exceção do glaucoma agudo, hoje relativamente raro, as formas mais frequentes de glaucoma são completamente assintomáticas na fase inicial”, alerta o coordenador do Grupo Português de Glaucoma da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia.

Nas formas mais avançadas, tal como explica o especialista, “começam a aparecer perturbações várias na visão, que correspondem à perda de campo visual”.

“Por último, a evolução natural da doença pode levar a grande restrição visual ou mesmo à cegueira”, refere quanto à sua sintomatologia.

Tendo em conta tratar-se de uma doença progressiva e irreversível, é fundamental o diagnóstico precoce para evitar o agravamento dos sintomas. “A oftalmologia possui métodos clínicos e exames complementares sofisticados que permitem detetar a doença muito antes de ela dar sintomas, prevenindo com tratamento adequado a sua progressão”, revela o clínico.

Tratamento não cura mas evita progressão da doença

O primeiro passo para o diagnóstico é a medição da tensão ocular. “Valores adequados ou suspeitos, conjugados com outros dados de observação, levam a que sejam realizados exames auxiliares de diagnóstico: gonioscopia, paquimetria, estudo dos campos visuais assistido por computador (PEC) ou exames tomográficos específicos (OCT)”, descreve António Figueiredo explicando que o exame clínico é fundamental uma vez que, em alguns glaucomas, a tensão ocular pode ser aparentemente normal.

“Não existe, infelizmente, nenhuma cura para o glaucoma, no sentido de erradicar a doença ou devolver a visão perdida”, afirma.

Deste modo, o objetivo da terapêutica é evitar a progressão da doença. “No caso do glaucoma agudo, a deteção precoce do chamado ângulo estreito permite prevenção muito eficaz por laser – por isso ele é hoje bastante mais raro entre nós”, explica o oftalmologista.

O tratamento pode consistir na utilização de medicação específica (as mais utilizadas são as gotas oftálmicas), no recurso a tramentos de laser ou cirurgia.

No entanto, nem sempre é necessário o tratamento cirúrgico. “Em geral é usado em 3 situações: quando os medicamentos falham no controlo da tensão ocular, quando os doentes não toleram a medicação (por alergia ou contra-indicações, por exemplo) ou quando não cumprem o tratamento e a doença continua a avançar, o que não é tão raro como possa parecer”, explica o especialista advertindo, no entanto,  que também a cirurgia não oferece uma cura efetiva.

“Recordo que, ao contrário do que por vezes se pensa ou é sugerido, a cirurgia não cura o glaucoma. Ela faz o mesmo que os outros tratamentos: baixa a tensão ocular, que é a forma comprovadamente mais eficaz de controlar a doença”, justifica.

De acordo com o especialista, a cirurgia comporta alguns riscos uma vez que se trata de uma técnica invasiva e mais agressiva. “No entanto, as modernas técnicas microcirúrgicas, com recurso a microimplantes, são muito mais seguras e certamente o seu uso tenderá a aumentar”, assegura.

Para alertar contra aquele que é o ladrão silencioso da visão, o Grupo Português de Glaucoma lançou uma campanha pública sob este este mote e que irá decorrer entres os dias 12 a 18 de Março, durante a Semana Mundial de Glaucoma.

“A mensagem da Semana Mundial de Glaucoma deste ano, e que temos tentado divulgar é “Atenção ao ladrão silencioso da visão: se tem mais de 45 anos e nem sabe a sua tensão ocular, se tem familiares com glaucoma, proteja a sua visão”, reforça o coordenador do grupo.

À margem desta campanha, o Grupo Português do Glaucoma organiza ainda a sua reunião científica anual de debate sobre a patologia que decorrerá em Peniche nos dias 17 e 18 de março.

Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED