Neuropatia óptica

Glaucoma

No Glaucoma de Ângulo Fechado (estreito), existe predisposição ocular para o encerramento do ângulo da câmara anterior. Na crise, há dor intensa, hipertensão intraocular, visão turva e “olho vermelho” - Glaucoma Agudo. O Glaucoma (crónico) é uma neuropatia óptica progressiva, associada ou não a hipertensão intraocular.
Glaucoma

Em Portugal, cerca de 200.000 pessoas apresentam hipertensão intraocular, das quais 1/3 sofre de Glaucoma. Cerca de 6.000 pessoas podem evoluir para cegueira irreversível e/ou degradação acentuada do campo visual, embora a doença possa ser controlada com assistência oftalmológica atempada e correcta adesão à terapêutica.

A idade e história familiar do Glaucoma são factores de risco da doença crónica.

A monitorização do Glaucoma deverá constituir uma atitude sistemática. O Glaucoma, é uma doença crónica que mesmo tendo sido sujeita a tratamento, poderá vir a ter uma evolução que justifique nova terapêutica, necessitando de um acompanhamento com avaliações periódicas que confirmem a estabilidade do quadro clínico ou detectem novos sinais patológicos.

Avaliação oftalmológica recomendada para detecção precoce do glaucoma

Idade (anos) Com factores de risco para Glaucoma
<40 2-4 anos
40-54 1-3 anos
55-64 1-2 anos
65 6-12 meses

Definição
O Glaucoma é uma neuropatia óptica progressiva que pode ou não estar associado a hipertensão intraocular.

O tipo de glaucoma mais frequente é o Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (GPAA). O Glaucoma de Ângulo Fechado (GAF) é menos frequente e está sempre associado a hipertensão intraocular. O mesmo acontece com a forma mais rara de glaucoma, o Glaucoma Congénito (GC), que se manifesta no nascimento ou nos primeiros anos de vida.

No GC, a criança apresenta olhos grandes, com córneas grandes (megalocórneas) e turvas, e lacrimejo intenso. Sendo devido a uma alteração congénita do ângulo iridocorneano pouco lugar há para a prevenção.

No GAF, os olhos são geralmente pequenos e frequentemente existem sinais premonitórios antes das crises, como halos luminosos circundando os pontos de luz. Manifesta-se por crises agudas dolorosas. O risco é bilateral, embora possa diferir no tempo o aparecimento num e no outro olho, factor importante a ter em consideração após uma primeira crise aguda e face a sinais de alarme de repetição.

Os GPAA, porque têm uma instalação insidiosa, colocam o principal cuidado na prevenção, dado serem assintomáticos nas fases iniciais.

Os campos visuais deterioram-se à medida que a doença se vai desenvolvendo.

A escavação aumentada da papila óptica é a marca do Glaucoma (de todos os tipos de glaucoma).

A doença instala-se e progride sem que o doente se aperceba, pois a visão central (acuidade visual) permanece normal até uma fase avançada da doença.

O GPAA, por definição, não está associado a outra patologia sistémica ou ocular. Quando tal acontece recebe a designação de Glaucoma Secundário.

Factores de Risco

Como factores de risco para o Glaucoma, apontam-se:

  • História familiar de glaucoma;
  • Idade;
  • Raça negra;
  • Sexo feminino;
  • Acima dos 40 anos (no GPAA);
  • Data da última consulta de oftalmologia (há quanto tempo não é observado em oftalmologia).

Anamnese
A avaliação inicial de um suspeito de Glaucoma inclui a história familiar, antecedentes sistémicos e antecedentes oculares.

A medicação sistémica e ocular em curso deve ser considerada.

Sinais e Sintomas, Avaliação

No GAF (agudo), podem ocorrer:

  • “Olho vermelho”,
  • Visão turva;
  • Dor ocular ou supraciliar;
  • Halos corados circundando pontos de luz;
  • Na crise aguda, há pupila dilatada (midríase), geralmente ovalada de eixo maior vertical e não reactiva à luz.

No GPAA (crónico) não há sintomas, senão muito tardiamente.

O diagnóstico é feito pela verificação, no fundo ocular, de uma papila glaucomatosa associada a uma perda campimétrica. Obrigatoriamente, a avaliação do campo visual deve ser feita por campímetro computorizado. A tonometria revela, frequentemente, valores superiores a 21 mm Hg.

Prevenção
Acima dos 40 anos de idade, o disco óptico (retinografia), deve ser avaliado regularmente, sobretudo nos grupos de risco (história familiar de Glaucoma).

A medição da Pressão Intraocular (PIO), apesar de fazer parte do exame de rotina, é insuficiente como método de rastreio, já que uma parte significativa dos Glaucomas (GPAA) cursa sem hipertensão ocular.

Na suspeição de Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (GPAA), a avaliação inclui todos os componentes da vigilância oftalmológica do adulto com atenção especial para os factores fundamentais para o diagnóstico:

  • Fundo Ocular (alteração da escavação do disco óptico);
  • PIO (Pressão Intraocular) – considerados suspeitos valores acima dos 20-22 mm Hg;
  • Campos Visuais (inicialmente manifesta-se por escotomas na zona média “escotomas de Bjerrum” e aumento da mancha cega);
  • Acuidade Visual.

Tratamento
O tratamento do Glaucoma Congénito é cirúrgico.

O tratamento do Glaucoma de Ângulo Fechado é essencialmente cirúrgico, por iridotomia com laser ou iridectomia incisional.

O propósito do tratamento no GAF, é prevenir acessos agudos para preservar a função visual (avaliar sempre o olho adelfo em busca de um ângulo estreito e/ou evidência de risco de encerramento do ângulo).

O tratamento do GPAA é fundamentalmente médico, sendo a cirurgia considerada um recurso na falência do tratamento médico (casos em que a terapêutica não surtiu efeito, ou em que o doente não aderiu ao tratamento).

No GPAA, dada a ausência de sintomas na fase inicial da doença, é importante educar o paciente para adesão à terapêutica médica, uma vez que o doente não se apercebe do benefício.

Referenciação
Nos casos com sinais premonitórios típicos de GAF, o doente deve ser enviado com carácter urgente ao oftalmologista. Os sinais premonitórios são muitas vezes despertados por algumas medicações e situações que possam causar dilatação pupilar (ex.: ambientes escuros).

Perante a progressão incontrolável e inexorável de qualquer Glaucoma e suas consequências, a reabilitação visual e o apoio social, constituem recursos a considerar.

Fonte: 
DGS
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED