Sistema Musculoesquelético

Doenças reumáticas são o principal motivo de consulta nos cuidados de saúde primários

No dia 12 de Outubro celebra-se o Dia Mundial das Doenças Reumáticas. Pretende-se alertar e esclarecer doentes, população em geral, médicos, comunidade científica e políticos sobre o que são e o real impacto das doenças reumáticas.

Ao longo dos tempos, a população habituou-se a ouvir falar no seu quotidiano em “reumatismo” como expressão da descrição de dor nas articulações em virtude do envelhecimento do ser humano, sendo habitualmente rotulada como uma doença que atinge as pessoas mais idosas. Contudo, cumpre esclarecer que tal noção se mostra manifestamente errada, não só porque na realidade o termo reumatismo é usado indiscriminadamente como significado de qualquer doença reumática, mesmo que se tratem de patologias muito diferentes, mas também porque as doenças reumatológicas podem atingir crianças, jovens, adultos e idosos.

Na verdade, as doenças reumatológicas, vulgarmente referidas por “reumatismo”, englobam todas as patologias do sistema musculoesquelético, ou seja, as patologias do osso, da articulação, da cartilagem, dos tendões e dos músculos. Desta forma, constituem um grupo muito numeroso de patologias, existindo mais de 200 doenças reumáticas diferentes, que podem apresentar alguns sintomas em comum (como por exemplo, a frequente dor articular), mas com características próprias, grau e gravidade de evolução diversos, com tratamentos diferentes, e que surgem em todas as idades desde a criança ao idoso.

Fazem parte deste grupo de patologias não só as que surgem com maior frequência na população mais idosa, como a osteoporose e a osteoartrose, mas também outras que abrangem todas as faixas etárias, como as lombalgias, as patologias tendinosas e, ainda, as doenças inflamatórias crónicas imunomediadas, como a artrite reumatóide, as espondilartropatias, o lúpus eritematoso sistémico, vasculites, miosites e artrites juvenis.

Segundo o Programa Nacional Contra as Doenças Reumáticas, publicado em 2004, as doenças reumáticas são o primeiro motivo de consulta nos cuidados de saúde primários e são também a principal causa de incapacidade temporária para o trabalho e de reformas antecipadas por doença/invalidez.

Se por um lado algumas das patologias reumáticas continuam a estar associadas a elevada incapacidade funcional e laboral, por outro nos últimos anos assistiu-se a revolução nas opções terapêuticas disponíveis, nomeadamente nas bioterapias utilizadas nas doenças reumáticas inflamatórias que vieram permitir uma melhoria significativa da sobrevida e da qualidade de vida destes doentes. Contudo, o reconhecimento e o diagnóstico precoce continuam a ser os factores mais importantes para a obtenção de um bom prognóstico.

Sendo reconhecida a elevada prevalência destas patologias na população geral e o seu elevado impacto económico, a reumatologia acaba por desempenhar um papel de destaque na prestação de cuidados de saúde. Além disso, a crescente investigação na área médica, as especificidades do diagnóstico, a necessidade de estreito seguimento clínico e a inovação terapêutica, têm contribuído para um maior impacto desta especialidade nos cuidados do doente.

Dra. Rita Fonseca e Prof.ª Iva Brito
Unidade de Reumatologia – Hospital Lusíadas Porto

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock